Conheça os riscos das terapias hormonais antienvelhecimento

Hormônios podem causar ganho de peso e até o desenvolvimento de um câncer

POR LAURA TAVARES - PUBLICADO EM 08/08/2012

Para as manchas na pele existe maquiagem. Para os cabelos brancos, tintura. Para as rugas, cremes. Mas mesmo todo esse avanço da indústria cosmética é incapaz de reverter ou impedir o envelhecimento. "Envelhecer é um processo natural do corpo e até hoje não existe nenhum tratamento ou substância capaz de mudar esse fato", afirma o geriatra Salo Buksman, da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG).

Mas a obsessão pela juventude começou a popularizar as chamadas terapias hormonais antienvelhecimento, condenadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). "Elas pregam que a diminuição dos níveis hormonais no corpo, que começa por volta dos 30 anos, seja a responsável pelo envelhecimento, enquanto que na literatura médica temos que o envelhecimento é o responsável pela diminuição dos hormônios", afirma o especialista.

Assim, sem qualquer embasamento, são receitados hormônios que vão desde a testosterona até a gonadotrofina coriônica humana, produzida durante a gestação. Conheça os perigos a que os adeptos desse tratamento estão expostos:

Problemas cardiovasculares

Alguns hormônios, como a testosterona e o hormônio do crescimento (GH), são bastante populares em academias por levarem ao ganho de massa muscular. O problema é que eles também aumentam o risco de problemas cardiovasculares. "Tanto a testosterona quanto o GH em excesso levam ao aumento de todo o tecido muscular do organismo, inclusive do coração, causando hipertrofia cardíaca", afirma a endocrinologista Claudia Chang, doutoranda em Endocrinologia e Metabologia pela USP. Há ainda a procaína, anestésico que promete emagrecer, mas, na verdade, leva ao aumento da pressão arterial e dos batimentos cardíacos.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não