Estudo revela que 69% dos brasileiros têm dificuldades para dormir

Estresse e dificuldade em desligar aparelhos eletrônicos são principais causas

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 28/01/2013

Um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente (IPOM) descobriu que 69% dos brasileiros avaliam seu próprio sono como ruim e insatisfatório. Os resultados foram publicados dia 22 de janeiro no site da organização.

Para chegar aos resultados, a pesquisa consultou cerca de dois mil brasileiros com idades entre 20 e 60 anos. Desse percentual de pessoas que não dorme bem, 82% afirmam sentir cansaço, sonolência e queda de rendimento em suas atividades durante o dia posterior à noite mal dormida. Outros 25% confirmam que têm dificuldade em pegar no sono, enquanto 18% dizem não conseguir mantê-lo durante toda a noite - despertam e não voltam a dormir. Já 36% declaram que acordam e voltam a dormir várias vezes.

A pesquisa do IPOM também constatou quais são os principais problemas que vem tirando o sono do brasileiro. Preocupações com problemas familiares e financeiros (50%), estresse (40%) e dificuldade de se desligar dos estímulos eletrônicos (28%), como televisão, celular e internet estão no topo das razões para problemas no sono.

Segundo Myriam Durante, psicoterapeuta holística e presidente do IPOM, o estudo também chama a atenção para o fato das noites mal dormidas estarem se tornando um problema crônico do brasileiro. "Há cinco anos, apenas 55% dos brasileiros declaravam ter problemas relacionados ao sonho", diz. "Hoje, esse percentual cresceu 14%, assim como a média de noites mal dormidas que passaram de duas ou três por semana para quatro e cinco, fator que pode causar grandes prejuízos para a saúde", afirma Myriam.

Oito benefícios que o sono traz para a sua saúde
O sono tem diversas funções essenciais para o nosso organismo. Dormir menos que o recomendado (6 a 8 horas em média) ou acordar diversas vezes durante a noite em decorrência de estresse e preocupação pode causar mais malefícios ao organismo do que imaginamos. A neurologista Rosa Hasan, responsável pelo Laboratório do Sono do Hospital São Luiz, explica que o sono de qualidade ruim desorganiza o metabolismo e prejudica a síntese de alguns hormônios, favorecendo diversas doenças como obesidade e depressão. Listamos todos os benefícios que você perde e como sua saúde sofre ao ter uma noite mal dormida. Confira:

Diminui o risco de doenças cardiovasculares

Uma pesquisa da Warwick Medical School, nos Estados Unidos, mostra que a privação prolongada do sono ou acordar várias vezes durante a noite pode estar relacionado a acidentes vasculares cerebrais, ataques cardíacos e doenças cardiovasculares. Os autores do estudo conduziram uma investigação que acompanhou durante 25 anos mais de 470 mil pessoas em oito países, incluindo Japão, Estados Unidos, Suécia e Reino Unido.

De acordo com os pesquisadores, dormir pouco causa um desequilíbrio na produção de hormônios e substâncias químicas no organismo, condição que aumenta as chances de desenvolver colesterol alto, doenças cardiovasculares e derrames cerebrais. Dormindo cerca de sete horas por noite, você está protegendo a sua saúde futura e reduzindo o risco de desenvolver doenças crônicas.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.