Nove em cada 10 mulheres não conhece seu risco para câncer de mama

Pesquisa afirma que 40% delas nunca conversaram com o médico sobre doença

Apesar da enorme quantidade de propaganda e campanhas feitas para combate ao câncer de mama, muitas mulheres estimam de forma errada seu próprio risco de desenvolver a doença. Esses são os resultados de uma pesquisa liderada por um especialista da Hofstra North Shore-LIJ Medical School, em Nova Iorque (EUA). O trabalho será apresentado dia 07 de setembro no evento 2013 Breast Cancer Symposium, promovido pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica. Os dados e conclusões devem ser vistos como preliminares serem publicados em um jornal científico.

Os autores acompanharam 9.873 mulheres que se submeteram a uma mamografia em uma clínica em Long Island, New Jersey. De acordo com os pesquisadores, 90% das mulheres estimou erroneamente suas chances de desenvolver câncer de mama, sendo que metade subestimou o risco e a outra metade superestimou. Além disso, 40% das mulheres nunca haviam discutido com o médico seu risco pessoal para a doença - como histórico familiar e outros fatores de risco.

Para a análise dos resultados da pesquisa, a visão subjetiva de uma mulher para o seu risco de desenvolver câncer de mama foi comparada com o risco real, que foi calculado usando a Ferramenta de Avaliação do Risco de Câncer de Mama do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos. Se houvesse uma discrepância de 10% entre os dois resultados, a estimativa da mulher era considerado errada.

Segundo os estudiosos, apenas uma em cada 10 mulheres tem uma boa ideia do seu risco de desenvolver um câncer de mama. Eles afirmam que esses resultados sugerem que a mensagem passada pelas campanhas está longe de ser efetiva, e que talvez seja necessário mudar a maneira que a conscientização do câncer de mama é apresentada.

Desvende os 10 principais mitos sobre o câncer de mama
O grande número de casos de câncer de mama acabou dando origem a muitos mitos sobre a doença. Para esclarecê-los de uma vez por todas, conversamos com os especialistas que mais entendem do assunto. Desvende um por um e aprenda como se prevenir corretamente ou melhorar a adesão ao tratamento.

MITO 4: apenas mulheres com histórico de câncer de mama na família podem ter a doença

"Qualquer pessoa em qualquer idade pode desenvolver um câncer de mama, independente do sexo, da cor ou do histórico familiar", afirma o mastologista Eduardo. Ele aponta, entretanto, que alguns pacientes apresentam um risco maior de ter a doença do que outras. Elas se enquadram nos chamados 'grupos de risco'.

O primeiro grupo de risco é o daqueles que têm dois ou mais parentes que tiveram câncer de mama ou de ovário antes da menopausa, no caso das mulheres. O segundo se refere aos grupos que apresentaram mutações genéticas diretamente ligados ao câncer de mama. O terceiro grupo inclui pacientes que receberam tratamento contra o câncer com radioterapia no tórax antes dos 25 anos. "Depois dessa idade, o DNA não sofre mutações que podem favorecer o câncer de mama", diz o especialista.

Quem pertence a um desses grupos deve começar a fazer exames de mamografia a partir dos 25 anos, aproximadamente. As demais pessoas devem começar a prevenção com a mamografia a partir dos 40 ou 50 anos.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.