Remédios específicos para cada tipo de câncer são desafios para Medicina

O objetivo é diminuir os efeitos colaterais

POR MINHA VIDA ATUALIZADO EM 07/04/2010

Uma bala de canhão para acertar uma mosca. É mais ou menos assim que funcionam os remédios tradicionais usados em quimioterapia para tratar os mais diversos tumores. Além de destruir as células cancerosas, a droga deixa o organismo arrasado o que explica o enorme leque de efeitos colaterais.

Por isso a Medicina tem buscado incansavelmente remédios mais específicos, capazes de atingir o alvo sem destruir as células saudáveis. E os progressos nesse campo são grandes. Hoje há drogas para tumores de mama, pulmão e linfoma, por exemplo, que agem de forma inteligente.


Estes medicamentos são em geral anticorpos contra estruturas celulares conhecidas por estarem associadas ao desenvolvimento de células neoplásicas , explica o oncologista clínico André Sasse, de Campinas, no interior paulista. Ou seja, atacam somente as células do tumor.

Uma das grandes dificuldades de lutar contra o câncer é que o mesmo tumor pode se manifestar de forma diferente em pacientes diferentes e cada um reage de um jeito ao tratamento. Por isso é tão difícil desenvolver remédios que se apliquem a todos os casos com a mesma eficácia.

Por isso a grande maioria dessas drogas promissoras ainda não está disponível para tratamento. Há muitas em estudo, pois é necessário estabelecer ao certo a segurança e a eficácia de cada um dos medicamentos , explica André Sasse. Mas os pesquisadores parecem ter poucas dúvidas quanto ao caminho a seguir na guerra contra o câncer.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não