PUBLICIDADE

Vírus da Zika pode sobreviver até oito horas fora de organismo

Estudo indica que vírus pode ser transmitido por contato direto, não apenas pelo Aedes aegypti infectado

Estudo realizado pela Associação Americana de Cientistas Farmacêuticos (AAPS) revelou que o vírus da Zika pode sobreviver por até oito horas em superfícies duras e não porosas, sendo extremamente contagioso.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A descoberta mostra que o vírus pode ser transmitido por agulhas contaminadas ou pelo contato do vírus com cortes abertos na pele. Contudo, o estudo também concluiu que desinfetantes comuns são capazes de matar o vírus com extrema eficácia.

Segundo o autor do estudo, Steve Zhou, diretor de virologia e biologia molecular nos Laboratórios Microbac, em Pittsburgh, nos Estados Unidos, a transmissão do vírus da Zika não ocorre apenas por meio da picada do mosquito Aedes aegypti infectado ou por relação sexual com um parceiro infectado.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"O Zika pode sobreviver em superfícies duras e não porosas por até oito horas - possivelmente até mais quando o ambiente contém sangue. A boa notícia é que desinfetantes comuns como o álcool isopropílico são eficazes para matar o vírus nesse tipo de ambiente em apenas 15 segundos", comentou Steve.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Substâncias como água sanitária e o ácido paracético têm efeito positivo para eliminar o Zika. Porém, quando o quando o vírus está em contato com sangue, as substâncias perdem o efeito. Para o pesquisador esses dados são importantes especialmente para pesquisadores e profissionais de saúde.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O estudo mostrou ainda que a água sanitária e o ácido paracético também são eficazes para eliminar o zika. No entanto, quando o vírus está em contato com sangue, as duas substâncias perdem esse efeito. O pesquisador destacou que a descoberta é importante para pesquisadores e profissionais de saúde

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Zika vírus já foi detectado em 61 países, a maioria deles nas Américas. O Brasil é o país mais afetado até o momento, com mais de 1.800 casos relatados de microcefalia.