PUBLICIDADE

Pesquisadores criam caneta capaz de identificar câncer em 10 segundos

Dispositivo pode ser usado para auxiliar médicos em cirurgias

Cientistas da Universidade do Texas criaram um dispositivo semelhante a uma caneta capaz de identificar células cancerígenas em apenas 10 segundos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O instrumento em questão é a MasSpec Pen, um dispositivo descartável que pode ser usado em procedimentos cirúrgicos para fornecer informações com mais de 96% de precisão sobre quais tecidos estão saudáveis e quais precisam ser extraídos.

A professora Livia Schiavinato Eberlin, da Universidade do Texas explica que foram realizados testes em tecidos removidos de mais de 253 pessoas. As amostras eram tanto de pessoas que não tinham câncer quanto de pacientes com câncer de mama, pulmão tireóide e ovário.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De acordo Livia quando um paciente com câncer é operado a expectativa é a de que o médico tenha conseguido retirar todo tecido cancerígeno da região afetada. "É simplesmente doloroso quando os médicos não conseguem extrair todo tecido comprometido. No entanto, acreditamos que essa tecnologia pode ajudar os médicos a eliminarem todos os vestígios durante a cirurgia". explica.

O método atual para diagnóstico do câncer é feito por um patologista, que analisa e faz sua interpretação sobre as células presentes no tecido. O que acontece é que, de acordo com Livia, esse procedimento precisa ser feito com cautela e nem sempre é preciso. Além disso, ele também é realizado durante a cirurgia, o que pode aumentar os riscos de o paciente ter um infecção.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

No entanto, nos testes realizados com o dispositivo foi possível identificar tecidos cancerígenos em 10 segundos com 96% de precisão. Além disso, a tecnologia também foi capaz de detectar o câncer em regiões marginais entre os tecidos normais. A equipe da universidade do Texas espera começar a usar a tecnologia a partir de 2018.