Câncer de cólon

Visão Geral

O que é Câncer de cólon?

Sinônimos: câncer de cólon e reto

O câncer de cólon abrange tumores que acometem um segmento do intestino grosso (o cólon) e o reto, sendo um dos tipos de câncer mais incidentes no mundo. É tratável e curável na maioria dos casos, ao ser detectado precocemente. Grande parte desses tumores se inicia a partir de pólipos (lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso). Uma maneira de prevenir o aparecimento dos tumores seria a detecção e a remoção dos pólipos antes de eles se tornarem malignos.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima 32.600 novos casos por ano, sendo 15.070 homens e 17.530 mulheres. Além disso, o câncer de cólon faz aproximadamente 14 mil vítimas por ano no Brasil.

Causas

O câncer de cólon resulta de alterações em um grupo de genes de reparo do DNA. Quando esses genes estão alterados, o sistema de reparo não é capaz de corrigir alterações no código genético, facilitando o desenvolvimento de câncer.

Fatores de risco

Pólipos adenomatosos: os pólipos adenomatosos vão em algum momento se alterar, até evoluírem para adenocarcinoma, que é o câncer de cólon mais comum. Este é o principal motivo para se indicar a colonoscopia, pois esses pólipos podem ser retirados quando pequenos e ainda benignos;

Idade

A incidência é maior em homens e mulheres com idade superior a 50 anos. Não se sabe ao certo porque isso acontece. Uma possibilidade é a de que essas pessoas tenham sido expostas ao fatores de risco por mais tempo.

Diabete e obesidade

Pessoas com diabetes e resistência à insulina podem ter um risco aumentado de câncer de cólon. Além disso, pessoas com obesidade tem mais chances de sofrer com o câncer de cólon e de sofrer complicações da doença.

Tabagismo e alcoolismo

A relação direta entre álcool e câncer de cólon não está completamente estabelecida, como acontece com carne vermelha, frutas e verduras e exercício físico. Entretanto, é sabido que pessoas que ingerem grandes quantidades de álcool estão em maior risco para desenvolver a doença. Este risco é maior para pessoas que ingerem mais de 45 g de álcool por dia (equivalente a aproximadamente três latas de cerveja de 350 mL, três taças de vinho de 150 mL ou três doses de uísque de 40 mL. Além disso, sabe-se que o tabagismo também aumenta o risco de câncer de cólon, uma vez que as substâncias nocivas do cigarro podem afetar as células do intestino.

Doença inflamatória intestinal

O câncer de cólon está relacionado com a retocolite ulcerativa idiopática, quando não tratada de forma correta, contínua. É uma doença autoimune que agride a mucosa colorretal. Doença mal cuidada e de longa data são fatores que possibilitam a degeneração para o câncer de cólon. Colonoscopia periódicas mantém estes pacientes em vigilância.

Histórico familiar

Estatisticamente, parece realmente tratar-se de doença hereditária, não obrigatória. Acredita-se que pessoas com avós, pais e irmãos com câncer de cólon expostos a fatores de risco têm muito mais chance de desenvolver a doença, daí a necessidade de se realizarem exames preventivos.

Polipose adenomatosa familiar

Essa é uma doença hereditária, determinada quando há mais de 100 pólipos adenomatosos pelos segmentos dos cólons. Na maioria das vezes, o diagnóstico é feito quando já há o desenvolvimento do câncer de cólon em pacientes jovens. Nesse caso, todos os familiares diretos devem ser submetidos a colonoscopia para que o diagnóstico seja feito o mais precocemente possível.

Síndrome de Lynch

Doença hereditária autossômica dominante, responsável por cerca de 3 a 5% dos tumores colorretais. Cerca de 70% dos pacientes com a síndrome tem chance de desenvolver câncer de cólon. Pacientes jovens, com manifestações principalmente no cólon direito.

Fique atento

Observar esses critérios é importante para avaliar seu risco de câncer de cólon:

  • Três ou mais familiares com câncer de cólon, duas gerações sucessivas afetadas e pelo menos um com idade inferior a 50 anos
  • Três ou mais familiares com um dos tumores a seguir: câncer colo-retal, endométrio, intestino delgado, ureter e pélvis renal
  • Pelo menos duas gerações sucessivas e pelo menos um dos tumores diagnosticados em idade inferior a 50 anos.

Sintomas

Sintomas de Câncer de cólon

Muitas pessoas com câncer de cólon não têm quaisquer sintomas nos estágios iniciais da doença. Quando os sintomas aparecem, eles podem variar, dependendo do tamanho e localização do câncer no seu intestino grosso. Os sintomas mais comuns são:

  • Uma mudança em seus hábitos intestinais, incluindo diarreia ou constipação
  • Fezes pastosas de cor escura
  • Sangramento retal ou sangue nas fezes
  • Desconforto abdominal persistente, como cólicas, gases ou dor
  • Sensação de que o seu intestino não esvazia completamente
  • Fraqueza ou fadiga
  • Perda de peso inexplicável
  • Náuseas e vômito
  • Sensação dolorida na região anal, com esforço ineficaz para evacuar.

Uma pessoa com câncer de cólon pode não necessariamente apresentar todos esses sintomas juntos - mas o principal é a presença de sangue nas fezes. Por isso, se notar quaisquer sintomas de câncer colorretal, tais como sangue nas fezes ou uma alteração persistente nos hábitos intestinais, marcar uma consulta com o médico.

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

Antes de ir à consulta, anote quaisquer sintomas que você está enfrentando, inclusive os que não parecem ter relação com câncer de cólon. Anote também outras informações pessoas, como mudanças bruscas que podem ter acontecido na sua vida, medicamentos que você toma, assim como vitaminas e outros suplementos.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas. Estar pronto para respondê-las pode conceder prazos para cobrir outros pontos que deseja abordar. O médico pode perguntar:

  • Quando você começou a sentir os sintomas?
  • Os sintomas aparecem de forma contínua ou ocasional?
  • Quão graves são seus sintomas?
  • Existe algo que parece melhorar seus sintomas?
  • Existe algo que parece piorar seus sintomas?
  • Você tem histórico familiar de câncer de cólon ou outros tipos de câncer?
  • Você tem histórico familiar de doenças inflamatórias intestinais?

Exames

Após uma consulta clínica, o médico pode te encaminhar para fazer alguns exames:

Exame de sangue oculto nas fezes

O exame de sangue oculto nas fezes, como o próprio nome diz, analisa a presença de sangue nas fezes que não podem ser vistos a olho nu. Um resultado positivo para esse exame indica que o paciente está sofrendo algum sangramento no intestino grosso, que pode ser consequência de uma inflamação, trauma ou tumor. O paciente faz a coleta das fezes frescas em casa ou no hospital e leva a amostra para ser analisada em laboratório.

Sigmoidoscopia

Sigmoidoscopia é um procedimento endoscópico que analisa o reto e a parte inferior do intestino grosso, chamada sigmoide. É usada para avaliar sintomas gastrointestinais, como sangramento retal ou alterações nos hábitos intestinais, além de triar para o câncer de cólon e reto. Durante o procedimento, o médico utiliza um sigmoidoscópio, um instrumento flexível tubular longo, com aproximadamente meia polegada de diâmetro e uma câmera da ponta.

Colonoscopia

A colonoscopia é um exame que permite ao médico analisar o revestimento interno do intestino grosso e parte do delgado, correspondente ao reto e ao cólon. A colonoscopia ajuda a encontrar pólipos, tumores, inflamações, úlceras e outras alterações do órgão. A colonoscopia hoje é tida como um dos principais métodos de rastreamento do câncer de cólon e reto. O exame é realizado com o colonoscópio, uma haste flexível da espessura de um centímetro - aproximadamente um dedo indicador -, com cerca de um metro de comprimento. Ele tem uma câmera na sua extremidade, que capta a imagem e transmite para um monitor de televisão.

Outros exames

Imediatamente após o diagnóstico de câncer de cólon ou reto, o próximo passo é a realização de exames para estadiamento da doença, que irão identificar a sua extensão. Nesses casos, estão incluídos os exames físicos, laboratoriais, radiografias, tomografias, exames de ressonância magnética e, algumas vezes, o PET-CT.

A indicação e a sequência correta desses exames dependem da localização do tumor (cólon ou reto) e da suspeita de metástases. Todo o tratamento é planejado a partir do estadiamento, portanto não é correto iniciar o tratamento antes da identificação do grau de estadiamento.

Diagnóstico de Câncer de cólon

O câncer de cólon pode ser detectado precocemente usando de dois exames: pesquisa de sangue oculto nas fezes e colonoscopia. Pessoas com mais de 50 anos devem se submeter anualmente à pesquisa de sangue oculto nas fezes. Caso o resultado seja positivo, é recomendada a colonoscopia. Converse com o médico sobre quando você deve começar a fazer exames de câncer de cólon, pois ele pode recomendar que você inicie a triagem mais cedo se você tiver outros fatores de risco, como história familiar da doença ou doença inflamatória intestinal.

Imediatamente após o diagnóstico de câncer de cólon, o próximo passo é a realização de exames para estadiamento da doença, que irão identificar a sua extensão. Nesses casos, estão incluídos os exames físicos, laboratorias, radiografias, tomografias, exames de ressonância magnética e, algumas vezes, o PET-CT.

A indicação e a sequência correta desses exames dependem da localização do tumor (cólon ou reto) e da suspeita de metástases. Todo o tratamento é planejado a partir do estadiamento, portanto não é correto iniciar o tratamento antes da identificação do grau de estadiamento. Os estadios para câncer de cólon são:

  • Estadio I: câncer crescendo no revestimento superficial (mucosa) do cólon ou do reto, mas que não se espalhou além da parede do cólon ou reto
  • Estadio II: o câncer já se espalhou através da parede do cólon ou reto, mas não invadiu os linfonodos próximos
  • Estadio III: o câncer invadiu os nódulos linfáticos próximos, mas não está a afetando em outras partes do corpo
  • Estadio IV: O câncer se espalhou para outros órgãos, tais como fígado ou pulmão.

Ao receber o diagnóstico, você pode querer fazer algumas perguntas ao médico, a fim de se preparar e entender melhor a doença. Experimente fazer uma lista de perguntas, ajudando a aproveitar ao máximo o seu tempo na consulte. Liste suas perguntas a partir da mais importante, para você ter as prioridades respondidas antes de o tempo acabar. Para o câncer de cólon, algumas perguntas básicas incluem:

  • Onde está localizado o meu câncer de cólon?
  • Qual é o estadio do meu câncer de cólon?
  • Meu câncer de cólon se espalhou para outras partes do corpo?
  • Vou precisar de mais exames?
  • Quais são as opções de tratamento para o meu câncer de cólon?
  • Existe um tratamento mais adequado para meu caso?
  • Qual é a chance de que o meu câncer de cólon ser curado?
  • Quais são os efeitos colaterais de cada tratamento?
  • Como é que cada tratamento afeta minha vida diária?
  • Devo procurar uma segunda opinião?
  • Existem folhetos ou outros materiais impressos que eu posso levar comigo? Quais sites você recomenda?
  • Meus irmãos ou meus filhos têm um risco aumentado de câncer de cólon?

Além das perguntas que você preparou para perguntar ao médico, não hesite em fazer outras perguntas durante a consulta.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Câncer de cólon

Existem alguns tratamentos para o câncer de cólon, que podem ser combinados ou não. Todo o câncer de cólon deverá ser retirado ou uma cirurgia, mas alguns casos podem ter a cirurgia combinada com outros tratamentos. O que vai determinar a escolha é o estadiamento do tumor e se já apresenta o diagnóstico com metástase ou não. Outro fator determinante para o tratamento do câncer de cólon é o paciente e qual o seu estado de saúde e época da vida. Trata o câncer de cólon em uma mulher de 45 anos, saudável, é completamente diferente de fazer o tratamento em uma mulher com 80 anos e doenças relacionadas – ainda que o tipo e extensão do câncer sejam exatamente iguais. Nesse caso, deve ser levado em conta o impacto dos tratamentos e se eles irão interferir na qualidade de vida do paciente.

Cirurgia para câncer de cólon em estágio inicial

Se o câncer é pequeno e em um estágio muito inicial, o médico pode ser capaz de removê-lo completamente durante uma colonoscopia. Pólipos maiores podem ser removidos com a ressecção endoscópica da mucosa.

Pólipos que não conseguem ser removidos durante uma colonoscopia podem ser retirados através de cirurgia laparoscópica. Nesse procedimento, o cirurgião realiza a operação fazendo várias pequenas incisões na sua parede abdominal e inserindo endoscópios (instrumentos com câmeras anexadas) que mostram seu cólon em um monitor de vídeo. Após retirar o tumor, o médico também pode retirar amostras de seus gânglios linfáticos, a fim de saber se o câncer está se espalhando.

Cirurgia invasiva para câncer de cólon

Se o seu câncer de cólon cresceu para além das paredes do cólon, pode ser recomendada uma colectomia parcial, ou hemicolectomia. Essa cirurgia remove a parte do cólon que contém o câncer, juntamente com uma margem de tecido normal em ambos os lados do câncer. Os gânglios linfáticos regionais são removidos e testados normalmente também para o câncer.

Muitas vezes, o cirurgião é capaz de reconectar as partes saudáveis do seu cólon ou reto. Mas isso não é possível quando, por exemplo, o câncer está na saída do seu reto, você pode precisar de ter uma colostomia temporária ou permanente. A colostomia envolve a criação de uma abertura na parte abdominal do corpo a partir de uma porção do intestino remanescente, para a eliminação de resíduos do corpo dentro de um saco especial. Às vezes, a colostomia é apenas temporária, até o cólon ou reto se curar após a cirurgia. Em alguns casos, no entanto, a colostomia pode ser permanente.

Quimioterapia

A quimioterapia utiliza medicamentos para destruir as células cancerosas. Em casos de câncer de cólon, ela geralmente é indicada após a cirurgia quando o câncer se espalhou para os gânglios linfáticos. Desta forma, pode ajudar a reduzir o risco de recorrência do câncer.

A quimioterapia pode ser dada para alívio dos sintomas de câncer de cólon que se espalhou para outras áreas do corpo, ou então antes da cirurgia, para reduzir o câncer antes de uma operação. Em pessoas com câncer retal, a quimioterapia pode ser utilizada junto da radioterapia.

Radioterapia

A radioterapia que usa radiação ionizante no local do tumor, normalmente indicada para eliminar células cancerosas que restaram no tecido colorretal após uma cirurgia para retirada do tumor, ou então para encolher tumores grandes antes de uma operação, de modo que eles possam ser removidos mais facilmente. O médico também pode indicar a radioterapia para aliviar os sintomas de câncer de cólon e câncer retal.

A radioterapia é raramente usada para câncer de cólon em estágio inicial, mas é parte da rotina de tratamento de câncer retal, especialmente se o câncer penetrou na parede do reto ou para os nódulos linfáticos próximos. A radioterapia, combinada com a quimioterapia, podem ser indicadas após a cirurgia para reduzir o risco de o câncer reaparecer.

Terapia alvo

A terapia alvo usa drogas ou outras substâncias que tem a função de identificar e atacar as células cancerígenas com pouco dano às células normais. Cada tipo de terapia alvo funciona de uma maneira diferente, mas todas alteram a forma como uma célula cancerígena cresce, se divide, se autorrepara, ou como interage com outras células. A terapia alvo é indicada para pacientes que tem alterações específicas em seus tumores, e nem sempre pode ser indicado como tratamento, pois não beneficia a todos.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Um diagnóstico de câncer pode ser emocionalmente desafiador. Até encontrar o que funciona para você, tente adotar algumas destas práticas:

Saiba o que esperar

Saiba o suficiente sobre seu câncer para tomar as decisões de maneira confortável. Pergunte ao seu médico sobre o tipo e estadio do câncer, bem como as opções de tratamento e seus efeitos colaterais. Quanto mais você souber, mais confiante você estará para tomar decisões sobre o seu próprio cuidado. Procure informações em bibliotecas e sites confiáveis.

Mantenha os amigos e familiares próximos

Estar perto dos amigos e da família irá ajuda-lo a lidar com o câncer. Amigos e familiares podem fornecer o apoio prático que você precisa, como ajudando a cuidar de sua casa se você estiver no hospital. Além disso, eles são o suporte emocional que você precisa.

Compartilhe experiências

Encontre pessoas que passaram pelo menos que você e estão dispostas a conversar sobre seus medos e esperanças. Existem grupos de apoio na internet e hospitais que podem te ajudar a passar por esse momento. Além disso, amigos, família, conselheiros e assistentes sociais também podem cumprir esse papel.

Como minimizar os efeitos adversos da quimioterapia?

  • Náuseas e vômitos: consuma alimentos de fácil digestão e converse com seu oncologista sobre a necessidade da utilização de antieméticos
  • Planeje a alimentação: algumas pessoas sentem-se bem comendo antes da quimioterapia e outras, não - nesse caso, o hábito varia conforme a necessidade da paciente com câncer de mama. Entretanto, deve-se sempre aguardar pelo menos uma hora após a sessão para consumir qualquer alimento ou bebida
  • Coma devagar: consuma pequenas refeições, cinco ou seis vezes por dia, em vez de três grandes refeições, evitando ingerir líquidos enquanto come. Isso evite enjoos e vômitos
  • Prefira alimentos frescos e evite consumi-los muito quentes
  • Evite alimentos e bebidas fortes, como café, peixe, cebola e alho. Eles também favorecem os vômitos.

Cuidados durante a radioterapia

O radioterapeuta e a equipe de enfermagem devem orientar sobre os cuidados específicos que deverão ser adotados durante o tratamento de radioterapia. Esses cuidados variam muito de acordo com a região a ser irradiada.

  • Pele: lave a pele irradiada com sabão suave e água morna. Tente não coçar nem esfregar a área
  • Pomada: aplique pomadas ou cremes sobre a pele somende com aprovação médica
  • Prefira roupas folgadas e confortáveis e se possível cubra a região irradiada com roupas claras.

Exercícios físicos

Não importa a atividade - o que importa é praticar. A atividade física ajuda a "mandar" a fadiga embora, aumenta a energia, a disposição e a autoestima, além de proporcionar convívio social.

  • Depois do tratamento: converse com seu médico sobre o retorno às atividades físicas. Isso varia de acordo com o tempo de recuperação esperado para cada procedimento e estado paciente
  • Alguns pacientes podem apresentar queda de imunidade durante o tratamento, o que pode ocasionar infecções oportunistas. Por isso, não se recomendam atividades com a natação - já que o contato com a água da piscina pode favorecer infecções
  • Caso a ideia seja frequentar uma academia de ginástica, opte pela atividade supervisionada por um profissional de educação física. Relate seu caso, para que ele indique a série de exercícios mais adequada.

Complicações possíveis

As complicações ligadas diretamente ao câncer de cólon envolvem:

  • Bloqueio do cólon
  • Recidiva após tratamento
  • Disseminação do câncer para outros órgãos ou tecidos (metástase)
  • Desenvolvimento de um segundo câncer de cólon primário.

Outras complicações do câncer de cólon podem advir do procedimento cirúrgico de remoção do tumor. Dentre elas, podemos citar:

  • Infecções
  • Hérnia intestinal Hemorragias, isquemia e necrose (por obstrução de artérias e vasos)
  • Perfuração intestinal.

Expectativas

O câncer do cólon é, em muitos casos, uma doença tratável se for detectada no início. O seu estado depende de vários fatores, inclusive o estadiamento do câncer. Em geral, quando tratado em um estágio precoce, a sobrevida do paciente é longa, com poucas chances de recidiva nos cinco anos após a retirada do câncer. Tumores no estadio I, II e III são considerados potencialmente curáveis. Na maioria dos casos, o câncer no estágio IV não é curável, embora existam exceções.

Prevenção

Prevenção

A genética atua um papel primordial da gênese do câncer e ainda tem uma força maior que fatores externos. No entanto, qualquer um pode se beneficiar dessa lista de bons hábitos para manter o intestino sempre em ordem, afastando o câncer de cólon e reto ou mesmo outros problemas relacionados ao órgão, como a presença de pólipos - pequenos acúmulos de pele que podem, inclusive, ser um sinal de alerta para o câncer:

Faça os exames regularmente

O teste mais específico para avaliação direta do intestino grosso e reto é a colonoscopia. Trata-se de uma endoscopia feita pelo ânus, que permite a visualização direta de toda a mucosa intestinal em sua circunferência, desde o reto até o íleo terminal (fim do intestino delgado) e possibilitando coleta de material para análise. A cápsula endoscópica é um exame que também permite a visualização da luz intestinal, mas não permite biópsias, e é utilizado quando existem lesões obstrutivas que impossibilitam a passagem do colonoscópio ou quando quer se avaliar o intestino delgado, segmento de difícil acesso pelos endoscópios. Existem também testes indiretos radiológicos dos cólons, que são o clister opaco e a colonoscopia virtual. Esses exames desenham a luz intestinal e podem encontrar lesões de mucosa maiores que 6 mm. Antes dos exames invasivos, o médico pode pedir um exame de sangue oculto nas fezes, e só com esse resultado positivo encaminhar para uma colonoscopia.

Um estudo feito por pesquisadores do Massachusetts General Hospital Gastrointestinal Unit descobriu que fazer uma colonoscopia a cada 10 anos a partir dos 50 anos de idade poderia evitar 40% dos casos de câncer colorretal. O estudo acompanhou mais de 89 mil profissionais de saúde durante um período de 20 anos e foi publicado no New England Journal of Medicine. A colonoscopia se tornou exame de rotina como prevenção de câncer colorretal, e deve começar a ser feito a partir dos 50 anos de idade para pessoa sem histórico familiar da doença. Aqueles que possuem fatores de risco devem incluir o exame na rotina após os 40 anos ou 10 anos antes da idade do caso mais precoce na família. A colonoscopia também pode ser indicada em investigação de dores abdominais, alteração do hábito intestinal, hemorragias pelo ânus, diarreias e outras queixas relacionadas. Se os exames forem normais, devem ser repetidos a cada cinco ou dez anos. Já o resultado alterado deve ser repetido conforme orientação do médico.

Cuide de doenças do cólon e reto

Além da história genética, a presença de doenças inflamatórias intestinais crônicas, como a doença de Crohn e a retrocolite ulcerativa, aumenta o risco de câncer de cólon e reto. Isso acontece devido ao estímulo inflamatório constante, que culmina acelerando a multiplicação celular. Portanto, pacientes portadores dessas doenças devem manter uma regularidade maior dos exames: de um modo geral, anualmente após oito anos de doença se portador de colites ou uma vez a cada dois anos se tiver uma doença que afeta um segmento específico do intestino, como diverticulite.

Evite alguns alimentos

Hábitos alimentares nocivos, como o consumo excessivo de carne vermelha, embutidos, enlatados e defumados excessivamente não são saudáveis para o intestino. A digestão desses alimentos resulta na produção de metabólitos, substâncias tóxicas que podem ser o estopim para transformação genética das células da mucosa no intestino grosso, se muito tempo em contato com a mucosa intestinal. O consumo de carne vermelha deve ser limitado a 200g por semana - entre uma a duas vezes por semana - para aqueles em grupo de risco para doenças do intestino, enquanto os outros tipos de alimento devem ser evitados ao máximo. Estudos demonstraram que as carnes processadas aumentam o risco de câncer mais do que o consumo de carne não processada. O motivo é o mesmo: substâncias cancerígenas que são formadas a partir do método de processamento da carne.

Coma mais fibras

O consumo de frutas, legumes, verduras e grãos integrais aumenta a quantidade de bactérias do intestino, ajudando no seu pleno funcionamento. Com a microbiota (flora intestinal) funcionando a todo vapor, é mais fácil para o órgão suprimir a atividade de outras bactérias que são nocivas e podem formar substancias tóxicas. Além disso, um intestino saudável ajuda a eliminar com regularidade os metabólitos tóxicos do organismo na evacuação. As fibras das frutas, verduras e cereais regularizam o trânsito, diminuindo o tempo de exposição da mucosa intestinal a substâncias potencialmente cancerígenas.

Controle o peso

Estar com o peso acima do que é considerado saudável também pode ser um fator de risco para o câncer de cólon. Um estudo publicado no American Journal of Epidemiology revelou que a obesidade e acúmulo de gordura abdominal aumentam a probabilidade de uma pessoa desenvolver câncer de cólon e reto. A análise foi liderada por uma especialista da Maastricht University, na Holanda, e contou com a participação de 120 mil adultos holandeses com idade entre 55 e 69 anos. Após avaliar cada um dos indivíduos, os cientistas constataram que homens com sobrepeso significativo ou em início de obesidade tinham um risco 25% maior de ter câncer colorretal. Além disso, aqueles cujo tamanho da cintura era significativamente maior apresentaram um risco 63% maior de ter esse tipo de câncer.

O desequilíbrio metabólico, que inclui sobrepeso, obesidade e diabetes, aumenta o risco de câncer de intestino. E a diminuição da circunferência abdominal interfere nos níveis de insulina e glicose, contribuindo para uma melhor regularização do metaboslismo. O papel da atividade física regular é fundamental para esse equilíbrio.

Faça exercícios

A prática de exercícios físicos regularmente pode reduzir a incidência de câncer de intestino. Inclua pelo menos de 30 minutos de atividade física moderada em cinco dias da semana - isso ajudará seu intestino a funcionar melhor, estimulando a movimentação do órgão, além de contribuir para diminuição do estresse e controle do peso, ambos fatores conhecidos para aumentar o risco de câncer.

Modere no álcool

A relação direta entre álcool e câncer de intestino não está completamente estabelecida, como acontece com carne vermelha, frutas e verduras e exercício físico. Entretanto, é sabido que pessoas que ingerem grandes quantidades de álcool estão em maior risco para desenvolver a doença. Este risco é maior para pessoas que ingerem mais de 45 g de álcool por dia (equivalente a aproximadamente três latas de cerveja de 350 mL, três taças de vinho de 150 mL ou três doses de uísque de 40 mL. Entretanto, é importante lembrar que pequenas quantidades de álcool podem ter efeitos benéficos para a saúde, mas por outro lado mesmo pequenas doses podem ser problemáticas para pessoas com risco para alcoolismo. Dessa forma, é importante ficar atento para o histórico familiar do problema e conversar com seu médico, verificando se é adequado manter o consumo moderado da bebida.

Pare de fumar

Hoje existem mais de 100 estudos científicos comprovando que o cigarro é causa de câncer de intestino. De forma global, quem fuma tem 18% mais chance de desenvolver câncer de cólon e reto quando comparado ao não-fumante. Isso acontece porque as substâncias tóxicas do cigarro estimulam mutações genéticas em todo o organismo, podendo favorecer uma série de cânceres.

Marco Antonio Delgado Ferraz, Proctologia e Vídeo-Colonoscopia do Grupo Memorial

Fontes e referências

  • Marco Antonio Delgado Ferraz, Proctologia e Vídeo-Colonoscopia do Grupo Memorial
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não