Doença de Crohn: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Doença de Crohn?

A Doença de Crohn é uma doença inflamatória séria do trato gastrointestinal. O Crohn afeta predominantemente a parte inferior do intestino delgado (íleo) e intestino grosso (cólon), mas pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal.

O que é Doença de Crohn? - SAIBA MAIS
14 de 15

A doença de Crohn é crônica e provavelmente provocada por desregulação do sistema imunológico, ou seja, do sistema de defesa do organismo. A doença de Crohn inicia-se mais frequentemente na segunda e terceira décadas de vida, mas pode afetar qualquer faixa etária.

Como a doença de Crohn se comporta como a colite ulcerativa (em geral, é difícil diferenciar uma da outra), as duas doenças são agrupadas na categoria de Doenças Inflamatórias Intestinais (DII).

Diferentemente da doença de Crohn, em que todas as camadas estão envolvidas e na qual pode haver segmentos de intestino saudável normal entre os segmentos do intestino doente, a colite ulcerativa afeta apenas a camada mais superficial (mucosa) do cólon de modo contínuo.

Dependendo da região afetada, a Doença de Crohn pode ser chamada de ileite, enterite regional ou colite. Para reduzir a confusão, o termo Doença de Crohn pode ser usado, para identificar a doença, qualquer que seja a região do corpo afetada (íleo, cólon, reto, ânus, estômago, duodeno).

Evolução da Doença

O curso da doença de Crohn é imprevisível. Alguns pacientes não têm nenhum sintoma até que ocorre um surto ou começam a surgir reclamações, que se modificam ao longo de um período. A reação é diferente sempre, porque a doença de Crohn não progride da mesma maneira em todos os pacientes, o que também dificulta o diagnóstico e o controle dos sintomas. Porém, há uma classificação básica da doença, conforme os sintomas:

Leve a moderada

Neste estágio, o paciente tem diarreia frequente e dor abdominal, mas pode andar e comer normalmente. Não está desidratado, nem tem febre alta.Também não sente dor abdominal forte, obstrução ou perda de peso de mais de 10%.

Moderada a grave

É o paciente que falhou no tratamento de doença leve a moderada ou tem sintomas mais evidentes, como febre, perda de peso significativa, dor abdominal ou sensibilidade, náusea e vômitos intermitentes ou anemia significativa.

Fulminante

Sintomas persistentes apesar de ter passado pelo tratamento adequado para o estágio moderado ou grave da doença. Pode sentir febre alta e vômitos persistentes. O paciente apresenta também evidências de obstrução intestinal ou abcesso, além de perda de peso mais grave.

Sintomas

Sintomas de Doença de Crohn

A doença de Crohn habitualmente causa diarreia, cólica abdominal, frequentemente febre e, às vezes, sangramento retal. Também podem ocorrer perda de apetite e perda de peso subsequente.

A diarreia pode se desenvolver lentamente ou começar de maneira súbita, podendo haver também dores articulares e lesões na pele.

São comuns dores articulares (dores nas juntas), falta de apetite, perda de peso e febre. Outros sintomas precoces da doença de Crohn são lesões da região anal, incluindo hemorroidas, fissuras, fístulas e abscessos.

Algumas vezes a inflamação e as úlceras podem penetrar nas paredes dos intestinos, formando um abscesso (uma coleção de pus). Poderá também se formar uma conexão anormal com outras partes do intestino ou de outros órgãos, o que é chamado de fístula.

Outros sintomas da Doença de Crohn

Podem ocorrer sintomas que não têm nada com o trato digestivo. Tanto a doença de Crohn quanto a retocolite ulcerativa podem causar problemas em outras partes do corpo. São eles:

Artrite: as articulações (normalmente os joelhos e os tornozelos) podem inchar, ficar doloridas e endurecidas. A artrite afeta cerca de 30% das pessoas com a doença de Crohn e 5% das pessoas com retocolite ulcerativa. Os medicamentos podem ajudar, mas os problemas normalmente desaparecem quando a inflamação intestinal é controlada.

Aftas: estas se assemelham a ferimentos ulcerativos. Desenvolvem-se normalmente durante os períodos de inflamação ativa do intestino. As feridas normalmente desaparecem quando a inflamação é tratada.

Febre: é um indicador de inflamação, de maneira que é comum ter febre durante o surgimento dos sintomas. Entretanto, a febre pode estar presente por semanas ou até meses antes do aparecimento dos sintomas da doença de Crohn. Quando a inflamação intestinal é tratada, a febre normalmente desaparece.

Sintomas oculares: os olhos podem ficar inflamados - vermelhos, feridos e sensíveis à luz. Esses sintomas aparecem normalmente antes de um agravamento da enfermidade, e desaparecem quando os sintomas intestinais são tratados.

Sintomas de pele: as pessoas podem desenvolver erupções cutâneas ou doenças fúngicas dolorosas e avermelhadas nas pernas. O tratamento dos sintomas intestinais, em geral, melhora os sintomas de pele.

Para que o médico chegue ao diagnóstico correto, o paciente deve informá-lo sobre todos os sintomas, queixas e mudanças de comportamento, como o engano frequente de evitar refeições para deixar de ir ao banheiro. Os sintomas da doença de Crohn são complexos e difíceis de identificar.

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Doença de Crohn

Para diagnosticar a Doença de Crohn, os médicos avaliam a história do paciente, realizam exames físicos e uma variedade de testes de laboratório. A doença de Crohn tem sido historicamente difícil de diagnosticar, porque os sintomas variam em cada paciente e a maioria deles é também comum em outras doenças infecciosas do intestino.

Não há um exame específico que pode determinar se uma pessoa sofre ou não de doença de Crohn. Para chegar ao diagnóstico, o médico precisa ouvir todos os sintomas, conhecer o histórico do paciente, fazer exames físicos e solicitar testes clínicos. Depois de avaliar todos esses elementos, em conjunto, o médico poderá avaliar e chegar a uma conclusão. Neste cenário, a interação entre o médico e o paciente é muito importante na fase diagnóstica, estendendo-se ao período de tratamento, onde a união e o compartilhamento de responsabilidades são fundamentais.

Os exames solicitados podem ser:

  • Hemograma para detectar anemia
  • PCR (marcador de inflamação no corpo)
  • Endoscopia Digestiva Alta
  • Ileocolonoscopia
  • Ressonância Nuclear Magnética
  • Tomografia Computadorizada
  • Enterotomografia
  • Enteroressonância
  • Trânsito de Intestino Delgado – com contraste de bário
  • Enema Opaco – exame de imagem, feito com contraste via retal
  • Exame Histopatológico (biópsia).

A doença de Crohn frequentemente assemelha-se a outras doenças e os sintomas podem variar muito; por isso, pode-se levar algum tempo para que o diagnóstico correto seja alcançado. A Síndrome do Intestino Irritável é, muitas vezes, confundida com os primeiros estágios da doença de Crohn, por tratar-se de duas situações muito parecidas, onde as queixas dos pacientes têm semelhanças que, mesmo nas mãos mais experientes, podem levar tempo até serem particularizadas.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Doença de Crohn

O tratamento para a doença de Crohn deve ser feito em etapas. Existe um sistema de mensuração da atividade da doença baseado no número de evacuações, dor abdominal, indisposição geral, ocorrência de fístulas e de manifestações patológicas à distância, que permite classificar a doença em leve, moderada ou grave. Se a doença de Crohn é leve, o clínico acompanha a evolução do paciente indicando um tratamento bem mais leve do que o arsenal usado nos casos mais avançados. Às vezes, nenhuma medicação é necessária, mas isso varia caso a caso.

O tratamento terapêutico da doença de Crohn é direcionado para reprimir o processo inflamatório desregulado. Os medicamentos disponíveis atualmente reduzem a inflamação e controlam os sintomas, mas não curam a doença de Crohn. Isso porque a doença não tem cura, até o momento.

O tratamento clínico para a Doença de Crohn é feito com aminossalicilatos, corticoides, antibióticos, imunossupressores e terapia biológica e objetiva diminuir os sintomas da fase aguda, induzir o período de remissão e proporcionar a manutenção do mesmo.

O tratamento cirúrgico para a doença de Crohn é necessário para tratar obstruções, complicações e falta de resposta ao tratamento clínico.

Medicamentos para Doença de Crohn

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Dieta na Doença de Crohn

A dieta não tem um papel definido na doença de Crohn. Embora alguns alimentos agravem os sintomas, não há evidências que a inflamação intestinal seja alterada por qualquer alimento. Por isso, as recomendações devem ser individualizadas, conforme a reação de cada paciente. “Há algumas regras básicas para evitar os sintomas mais comuns, como diarreia e cólicas intestinais”, explica a nutricionista Heidi Ide. É sempre recomendado evitar alimentos ricos em fibras, frituras e fermentados, mas cada fase da doença e tipo de organismo responde à dieta de uma forma diferente.

Dicas:

  • Reduza a quantidade de gordura ingerida. Prefira carne magra, peixes e aves sem pele
  • Use com moderação doces dietéticos e adoçantes. Em grande quantidade, eles podem piorar a diarreia
  • Faça de 5 a 6 refeições diárias, em pequenos volumes
  • Coma devagar e mastigue bem os alimentos
  • Dê preferência à ingestão de líquidos nos intervalos das refeições e, no mínimo, 2 litros ao dia. Prefira alimentos cozidos, grelhados ou assados
  • Utilize gordura em pequena quantidade ao preparar alimentos – prefira óleo de milho, girassol, soja ou azeite
  • Evite verduras folhosas e cascas de frutas
  • Evite condimentos picantes como páprica, orégano, pimenta-do-reino, pimentas, mostarda e ketchup

Observe que:

  • Leite e seus derivados devem ser restringidos apenas se você tem intolerância à lactose associada à doença de Crohn. Leites especiais com baixos teores de lactose podem ser usados.

Embora seja uma enfermidade crônica, a doença de Crohn não é considerada uma doença fatal. Quase todas as pessoas que padecem dessa enfermidade mantêm uma vida útil e produtiva, apesar de algumas delas necessitarem de hospitalização nos períodos de maior atividade da doença. Durante os períodos de acalmia, chamados períodos de remissão da moléstia, a maioria dos pacientes sente-se bem e fica relativamente livre de sintomas, levando uma vida absolutamente normal.

Perguntas frequentes

O que são ileíte e a colite?

São doenças inflamatórias do intestino. A colite ulcerativa afeta o intestino grosso. Na linguagem médica ela costuma ser mencionada pela sigla RCUI, que significa Retocolite Ulcerativa Inespecífica. Retocolite porque acomete também, o reto, inespecífica porque sua causa é desconhecida. A ileíte era o antigo nome da doença de Crohn, descrita por afetar a parte final do intestino delgado (íleo). Hoje, sabe-se que a doença de Crohn, pode atingir também o intestino grosso e outras partes do trato digestivo, incluindo todo o trajeto, desde a boca até o ânus.

Os termos Doença de Crohn, Ileíte e Enterite Regional têm o mesmo significado?

Ileíte significa inflamação do íleo, que é a porção distal (final) do intestino delgado. No ano de 1932, quando o Dr. Burril B. Crohn e seus colegas identificaram pela primeira vez a ileíte como doença, eles a chamaram de Ileíte Regional. "Regional" significa simplesmente que nessa enfermidade há áreas doentes de intestino que se alternam com áreas sãs.

O termo Enterite Regional foi empregado posteriormente para descrever essa inflamação, quando ela se apresenta em outras áreas intestinais, não somente no íleo. Atualmente sabemos que essa doença pode afetar também o cólon (intestino grosso), dando lugar a uma condição conhecida como "Colite Granulomatosa" (granuloma são lesões microscópicas que se encontram na parede intestinal de pacientes de doença de Crohn).

Para evitar confusão, o nome doença de Crohn pode ser usado para descrever a doença, qualquer que seja o lugar em que se apresente.

Qual a incidência das Doenças Inflamatórias Intestinais (DII)?

Ainda não sabemos qual a incidência no Brasil. Mas estima-se que existam mais de 2 milhões de pacientes de DII nos Estados Unidos. Os homens e as mulheres parecem ser afetados em igual proporção. Apesar de a doença de Crohn e a RCUI acometerem indivíduos de todas as idades, elas predominam em jovens, sendo quase todos os casos diagnosticados antes da idade dos 30 anos. Calcula-se que nos Estados Unidos pelo menos 200 mil crianças com menos de 16 anos sofram dessas doenças.

Quais são os sintomas iniciais da RCUI e da Doença de Crohn?

Os primeiros sintomas da RCUI são evacuações diarreicas que, frequentemente, têm sangue, e desejo urgente de evacuar. A diarreia pode se desenvolver lentamente ou começar de maneira súbita, podendo haver também dores articulares e lesões na pele.

Na doença de Crohn, a dor abdominal e a diarreia são mais frequentes. São comuns dores articulares (dores nas juntas), falta de apetite, perda de peso e febre. Outros sintomas precoces da doença de Crohn são lesões da região anal, incluindo hemorroidas, fissuras, fístulas e abcessos.

Quais exames são feitos para diagnosticar essas doenças?

Não existe exame específico para identificar a doença de Crohn e outras Doenças Inflamatórias Intestinais, mas os pacientes podem ser submetidos a radiografias, da parte alta ou da parte baixa do tubo digestivo, e também a endoscopias, como a retossigmoidoscopia (que examina a parte final do intestino grosso) e a colonoscopia (que estudo o intestino grosso até o final do intestino delgado, na região do íleo).

Quais são as causas da Doença de Crohn e da RCUI?

Não se conhece as causas exatas da doença de Crohn e de outras DII. Sabe-se que não são transmissíveis e que ocorrem alterações das defesas do corpo nos portadores dessas doenças desencadeando o processo inflamatório.

Essas doenças são genéticas e hereditárias?

Cada vez mais estudos têm sido feitos para identificar os genes envolvidos com estas doenças, mas estas abordagens ainda são incipientes em muitos locais e também fazem parte de uma visão multifatorial envolvida na origem das doenças. Sabe-se que existe a tendência da apresentação mais frequente em membros de uma mesma família em que já se registram casos dessas doenças, conferindo um caráter hereditário de expressão.

A tensão emocional pode desencadear uma Doença Inflamatória do Intestino?

Tendo em vista que o corpo e mente estão relacionados, a tensão emocional pode influenciar no curso da doença de Crohn, da colite ulcerativa ou de qualquer doença. Apesar de conflitos emocionais ocasionalmente precederem o surgimento ou a recidiva de uma DII, isso não significa, necessariamente, que eles foram a causa. É provável que a angústia sentida pelas pessoas com doença de Crohn e outras DII seja uma reação aos sintomas dolorosos e limitações decorrentes da enfermidade.

Quais medicamentos são utilizados para tratar estas doenças?

Os medicamentos mais utilizados para tratar a doença de Crohn e outras DII são a sulfasalazina, a mesalazina e os corticoides. Todos reduzem a inflamação. A sulfasalazina é usada para tratar sintomas leves e moderados de ambas as enfermidades e para tentar impedir a recidiva deles, uma vez que se tenha obtido a remissão (diminuição da intensidade).

Os corticoides são administrados quando os sintomas da doença de Crohn são mais severos; sua dose é diminuída lentamente até ser descontinuado quando da melhora dos sintomas.

Outros medicamentos utilizados para tratar a doença de Crohn são a azatioprina e a 6-mercaptopurina - drogas imunossupressoras que tentam reduzir os sintomas, fechar as fístulas e diminuir ou eliminar a dependência de algumas pessoas aos corticoides.

O metronidazol tem sido útil para o tratamento das complicações perianais da doença de Crohn e os antibióticos também são usados para combater infecções locais.

Os anti-TNFs, medicamentos biológicos, também vêm sendo utilizados em vários pacientes com indicação específica - desde 1999 para doença de Crohn, e desde 2005 para colite ulcerativa.

Estas medicações têm efeitos colaterais?

Todas as medicações para o tratamento da doença de Crohn podem ter efeitos colaterais. A sulfasalazina pode causar náuseas, dor de cabeça, vômitos, anemia, outras alterações do sangue e erupções da pele. O médico deve observar o paciente e vigiar quanto a aparição destes efeitos, para então poder decidir pela continuidade ou não do medicamento.

O corticoide pode causar acne, aumento do apetite, inchaço no rosto, aumento de peso e aumento de pelos no corpo dos pacientes de doença de Crohn. Mais raramente podem ocorrer problemas ósseos, diabetes, hipertensão, problemas digestivos e mudanças de personalidade. Estes efeitos secundários geralmente diminuem com a redução da dose e desaparecem quando da descontinuação do medicamento.

Os efeitos colaterais causados pelo uso prolongado de azatioprina, 6-mercaptopurina e metronidazol são menos conhecidos já que não têm sido usados por muito tempo em pacientes com estas enfermidades. A azatioprina e a 6-mercaptopurina podem causar náuseas, redução dos glóbulos brancos do sangue e inflamação do pâncreas (pancreatite). O metronidazol pode causar náuseas, dor de cabeça, desconforto abdominal, escurecimento da urina, gosto metálico, formigamento das mãos e pés. Em relação à terapia biológica, todos os pacientes candidatos a este tipo de tratamento devem ser triados para infecções e ter seus calendários de vacinas atualizado. A tuberculose, em especial, é motivo de cuidadoso monitoramento e deve fazer parte dos cuidados médicos antes do uso de medicações como estas, sempre.

A cirurgia pode curar a Doença de Crohn ou a colite ulcerativa?

A cirurgia pode ser necessária na doença de Crohn quando o tratamento clínico é ineficiente no controle dos sintomas ou quando há uma complicação tal como obstrução intestinal. A cirurgia pode permitir ao paciente permanecer livre de sintomas, mas não objetiva a cura da doença de Crohn, já que a recidiva pode ocorrer.

Na Colite ulcerativa a eliminação cirúrgica de todo o cólon e do reto (proctocolectomia total) proporciona uma melhora definitiva, e na maioria dos casos deve-se realizar uma abertura artificial do íleo na parede abdominal (ileostomia), pela qual o excremento sai e é coletado em uma bolsa aderida à pele. É sempre bom ter em mente que, mesmo com uma cirurgia de eliminação dos segmentos doentes, a doença em si não tem cura.

Uma dieta específica é importante para controlar a Doença de Crohn e a colite ulcerativa?

A boa nutrição é essencial em qualquer enfermidade crônica, mas especialmente no caso da doença de Crohn e de outras DII em que se observam redução do apetite, diarreia e às vezes má absorção de alimentos, fatores que prejudicam a assimilação de fluídos, nutrientes, vitaminas e minerais pelo corpo.

Apesar de a alimentação não ser a causa dessas doenças, é fato que as comidas suaves e brandas molestam menos que a as comidas condimentadas ou ricas em fibras, quando a doença de Crohn está na fase ativa. Com exceção da restrição ao leite em pacientes com intolerância a lactose, muitos gastroenterologistas tendem a ser liberais nas dietas de pacientes portadores dessas doenças.

As pessoas com DII estão mais sujeitas a desenvolverem câncer?

Em primeiro lugar deve-se saber que o câncer do cólon e reto é frequente na população geral. Estudos mostram que pessoas que tenham tido Colite ulcerativa que atinja todo o cólon e por períodos não menores que 8 a 10 anos correm um risco significativo de desenvolver câncer. As pessoas com Proctite Ulcerativa não parecem ter risco aumentado de câncer.

Apesar de estudos em pessoas com doença de Crohn do cólon não serem numerosos ou completos, muitos pesquisadores acreditam que o risco de câncer nesses pacientes é menor que na Colite ulcerativa, embora maior que na população em geral.

Em ambos os casos (colite ulcerativa e doença de Crohn), o risco de câncer parece estar associado a doença de longa duração que acometa o cólon em sua totalidade. O câncer do intestino delgado é extremamente raro na população em geral. Apesar do risco de seu aparecimento nos casos de longa duração da doença de Crohn, o número de casos é muito pequeno.

Este conteúdo ajudou você?
Sim Não