Doença do sono

Visão Geral

O que é Doença do sono?

A Doença do Sono, ou Tripanossomíase Humana Africana, é uma infecção parasitária causada pelo Trypanosoma brucei e é transmitida pela picada da mosca tsé-tsé. A doença atinge áreas rurais de 36 países da África Subsaariana e não ocorre no Brasil, mas pode afetar pessoas que visitam estes países. A infecção ataca o sistema nervoso central e, devido aos seus sintomas neurológicos graves, pode ser fatal se não tratada.

Sinônimos

Tripanossomíase Humana Africana

Tipos

Existem dois tipos de doença do sono, que são classificados de acordo com a subespécie de parasita envolvido na infecção. Os tipos também são divididos de acordo com os territórios endêmicos, sendo que Uganda é o único país africano que apresenta os dois tipos da doença.

  • Trypanosoma brucei gambiense: É a forma mais comum da doença, que corresponde a 98% dos casos relatados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e causa uma infecção crônica. A pessoa infectada pode passar meses ou até anos sem apresentar a maior parte dos sintomas, fazendo com que o paciente, muitas vezes, só seja diagnosticado quando ele já se encontra num estágio avançado da doença do sono e o sistema nervoso central já foi afetado. É incidente na área ocidental e central do continente africano.
  • Trypanosoma brucei rhodesiense: Hoje esta forma representa menos de 2% dos casos relatados da doença do sono, de acordo com a OMS, e causa uma infecção aguda. Os sintomas já são notados poucos meses, ou semanas, após a infecção e a doença se desenvolve rapidamente atingindo o sistema nervoso central. Alcança as porções meridional e oriental da África.

Outros tipos de trypanosomiasis são a Doença de Chagas e a Animal trypanosomiasis, que acomete animais selvagens e domésticos. No caso do gado, a doença é denominada Nagana.

Causas

O parasita que causa a doença do sono (Trypanosoma) é transmitido para os humanos através da picada das moscas tsé-tsé, que vivem e procriam em regiões quentes e úmidas da África Subsaariana. A mosca, por sua vez, adquire o parasita picando outra pessoa ou animal infectado. Humanos, animais selvagens, domésticos e o gado servem como hospedeiros para o parasita. Por razões ainda não conhecidas, existem locais com grande incidência das moscas tsé-tsé em que não há epidemia da doença do sono. Há ainda outras formas de infecção, que são menos comuns, como:

  • Transmissão vertical (de mãe para filho)
  • Contaminação acidental em laboratórios com agulhas contaminadas

Fatores de risco

As populações das áreas rurais onde há incidência da doença do sono e que praticam agricultura, pesca, criação de gado ou caça são as mais expostas às moscas e, portanto, mais suscetíveis à doença.

Sintomas

Sintomas de Doença do sono

No primeiro estágio o parasita da doença do sono se multiplica e os sintomas não são específicos, como dores de cabeça e nas articulações, crises de febre e coceira. Já no segundo estágio é quando os sintomas são mais óbvios, mas também mais difíceis de serem tratados. Entre os sintomas do segundo estágio da doença do sono estão:

É importante ressaltar que, se não tratada, a doença do sono pode ser fatal, apesar de casos de portadores saudáveis já terem sido relatados.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Por ser uma doença comum apenas nos países africanos, caso um estrangeiro que tenha viajado para as áreas com risco de contaminação tenha algum dos sintomas do primeiro estágio, deve procurar imediatamente ajuda médica antes que os sintomas se agravem. Estando em um dos locais endêmicos da doença, sendo local ou viajante, também se deve procurar ajuda médica ao aparecimento dos primeiros sintomas.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a doença do sono são:

  • Clínico geral
  • Infectologista

Nas grandes cidades brasileiras existem ambulatórios dentro de hospitais de referência especializados em doenças adquiridas fora do país, como o Ambulatório do Viajante do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). Se estiverem disponíveis na sua localidade, de preferência para esses locais, pois estarão mais aptos a atendê-lo e identificar a doença. Durante a consulta, seja em um ambulatório especializado ou não, é importante informar:

  • Os locais em que esteve e a incidência da doença do sono na região
  • Quando foi ao local e a duração da viagem
  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que tome com regularidade

  • Os locais em que esteve e a incidência da doença do sono na região
  • Quando foi ao local e a duração da viagem
  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que tome com regularidade

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Foi observada a presença das moscas tsétsé no local?
  • Alguém que viajou com você foi diagnosticado com a doença? Qual tipo?
  • Ficou hospedado em algum lugar em que os moradores tiveram a doença do sono?

Caso tenha dúvidas sobre a doença, é importante perguntar ao médico no momento da consulta, então, para não esquecer, leve-as por escrito, começando pela mais importante. Não hesite em fazer outras perguntas, caso tenha mais dúvidas no decorrer da consulta.

Diagnóstico de Doença do sono

O diagnóstico da doença do sono é feito através da pesquisa do parasita em sangue ou líquido aspirado de linfonodos. O T. b. rhodesiense é mais facilmente encontrado no sangue do que o T. b. gambiense. Todos os pacientes diagnosticados com Tripanossomíase Africana devem ser submetidos a punção para coleta de líquido céfalo-raquidiano para avaliar o envolvimento do Sistema Nervoso Central.

Apesar de ser difícil diagnosticar a doença no início, essa é a fase em que ela é mais facilmente tratada, então deve ser feito o quanto antes. Por ser comum em locais remotos e com sistemas de saúde deficientes, estima-se que muitas pessoas infectadas morram antes mesmo de serem diagnosticadas.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Doença do sono

O tipo de tratamento para a doença do sono irá depender do estágio em que a doença se encontra, sendo que quanto mais cedo for iniciado o tratamento melhores as perspectivas de sucesso. No primeiro estágio os medicamentos utilizados são de baixa toxidade e fáceis de administrar, mas no segundo estágio a medicação deve transpassar a barreira hemato-encefálica para alcançar o parasita, então são medicações que podem apresentar mais efeitos colaterais.

Para o primeiro estágio é recomendado o uso de pentamidina e suramina. Já para o segundo estágio da doença do sono, desde 2009, a OMS recomenda a combinação terapêutica de nifurtimox-eflornitina, ou NECT, que é mais seguro do que o melarsoprol, utilizado anteriormente.

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

Dentre as complicações decorrentes da doença então os danos causados pelos momentos de sono durante as atividades diurnas (como ao manejar máquinas), danos graduais no sistema nervoso central, coma e até a morte.

Expectativas

Quanto antes a doença do sono (de ambos os tipos) for diagnosticada e tratada, melhores as expectativas de cura para o paciente. A medida em que os sintomas forem se agravando, da mesma forma o estágio em que a doença se encontra, o tratamento se torna mais complicado e incerto.

A boa notícia é que em 2009, pela primeira vez em 50 anos, o número de pessoas com a doença do sono caiu e a OMS tem firmado parcerias com indústrias farmacêuticas e fundações a fim de descobrir mais sobre a doença do sono, desenvolver novas drogas e enviá-las, gratuitamente, aos países com grande incidência da doença. Mas, ainda é necessário grande investimento em recursos financeiros e humanos para controlar a doença de forma mais eficaz.

Prevenção

Prevenção

A prevenção da doença do sono inclui evitar áreas endêmicas e/ou se proteger contra as picadas das moscas tsé-tsé. As roupas devem proteger o corpo todo e ser grossas, pois a picada das moscas pode transpassar as roupas mais finas. O uso de repelentes de insetos também é recomendado a fim de prevenir a doença do sono, porém sua eficácia contra as moscas tsé-tsé pode ser limitada.

A Pentamidina também pode ajudar na prevenção, contudo, os efeitos colaterais envolvem o dano nas células pancreáticas, o que pode gerar hipoglicemia seguida, posteriormente, de diabetes. Sendo assim, a droga raramente é utilizada com a finalidade de profilaxia.

Fontes e referências

  • Revisado por: Karina T. Miyaji, médica infectologista do Ambulatório dos Viajantes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) – CRM: 108285.
  • Organização Mundial da Saúde
  • Centro de Controle de Doenças e Prevenção (CDC)
  • Médicos Sem Fronteiras
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não