PUBLICIDADE

Vacina contra febre amarela: veja quando você deve tomá-la

Imunização é indicada para viajantes e moradores de áreas de risco

A vacina contra febre amarela é constituída de vírus vivos atenuados (cepa 17D) apresentada sob a forma liofilizada em frasco de múltiplas doses, acompanhada de diluente (soro fisiológico).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A vacinação é considerada pela Organização Mundial da Saúde a forma mais importante de prevenir a febre amarela. Tanto que é a vacinação frequente que impede que a doença se espalhe mesmo em áreas endêmicas. É preciso que ao menos 80% da população seja imunizada contra um vírus para prevenir a doença nestas regiões.

Doenças que a vacina previne

A vacina previne contra a febre amarela, uma doença causada por um vírus da família dos Flavivírus, um tipo de vírus que causa doenças em humanos e em outros vertebrados. Ela é considerada aguda e hemorrágica e recebe esse nome por causar icterícia, um sintoma que deixa a região dos olhos, pele e mucosas com aspecto amarelado.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A doença é transmitida por meio de picada de mosquito. E é importante alertar que existem três espécies de mosquitos capazes de transmitir o vírus. As espécies de mosquito Haemagogus e Sabethe transmitem a febre amarela silvestre, pois estão concentradas em regiões de mata e interioranas. Já o Aedes aegypti é responsável pela transmissão da febre amarela urbana, que atinge grandes cidades e áreas metropolitanas. Porém, o vírus transmitido é o mesmo, só muda o agente transmissor.

Em 2017 o Brasil voltou a viver um surto deste quadro que teve início em janeiro deste ano. Até o momento foram registrados 101 casos, sendo 97 em Minas Gerais, três em São Paulo e um no Espírito Santo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) comunicou que o este surto poderá chegar a outros estados do Brasil. De acordo com a organização, até agora não há evidências de que o Aedes aegypti esteja transmitindo o vírus, causando uma expansão urbana.

Como funciona a vacina contra a febre amarela

A vacina contra febre amarela é aplicada via subcutânea, na região do braço. O efeito protetor ocorre a partir do décimo dia depois de tê-la tomado e garante imunidade por pelo menos 10 anos. Ela age estimulando o organismo a produzir sua própria proteção contra o vírus.

As principais localidades em que a vacina contra a febre amarela é indicada são as regiões de matas e rios dos seguintes locais: todos os Estados da Região Norte e Centro-Oeste; estado do Maranhão, sudoeste do Piauí, oeste e extremo-sul da Bahia, estado de Minas Gerais e oeste de São Paulo e norte do Espírito Santo e estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, na região Sul.

É importante lembrar que quem for viajar para regiões afetadas pelo surto precisa tomar a vacina 10 dias antes de embarcar para estar imunizado.

Doses necessárias

Atualmente, no Brasil, são recomendadas duas doses com intervalo de 10 anos, e não mais o reforço a cada 10 anos. Fora do Brasil, a OMS recomenda apenas uma dose.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Administração da vacina contra febre amarela

A administração é feita pela via subcutânea.

Contraindicações

A vacina contra febre amarela é contraindicada para gestantes, mulheres que estão amamentando, crianças até seis meses e pessoas com mais de 60 anos. Pessoas imunodepressivas, como pacientes oncológicos e portadores de doenças crônicas também não devem tomá-la.

Indicações da vacina contra febre amarela

A vacina contra a febre amarela é indicada para pessoas entre 9 meses e 60 anos que habitam em regiões de risco e para pessoas que habitam em áreas urbanas e vão viajar para regiões afetadas pelo surto.

Na impossibilidade de adiar a vacinação, como em situações de emergências epidemiológicas, vigência de surtos, epidemias ou viagens para áreas de risco de contrair a doença, o médico deverá avaliar o benefício e risco da vacinação.

No caso de pessoas com mais de 60 anos que nunca foram vacinadas, o médico deve levar em conta os riscos da vacinação, que incluem o risco de eventos adversos nessa faixa etária ou decorrentes de comorbidades.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Mulheres gestantes só devem se vacinar contra a febre amarela se o risco de adquirir a doença for extremamente elevado. Além disso, ela também é contraindicada para mulheres que estão amamentando. No entanto, caso a lactante precise tomar a imunização é necessário suspender o aleitamento materno preferencialmente por 28 dias após a vacinação.

Veja a tabela abaixo e entenda melhor cada indicação:

Indicação Esquema
Crianças de 6 meses a 9 meses de idade incompletos A vacina está indicada somente em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem inadiável para área de risco de contrair a doença.
Crianças de 9 meses até 5 anos incompletos Uma dose deve ser dada a partir 9 meses de idade, com reforço aos 4 anos de idade, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.
Pessoas a partir de 5 anos, que já receberam uma dose da vacina Deve ser dada uma única dose de reforço, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.
Pessoas a partir de 5 anos que não foram vacinadas Dar duas doses da vacina com 10 anos de intervalo.
Pessoas a partir dos 5 anos de idade que já receberam 2 doses São consideradas vacinadas
Pessoas com 60 anos e mais que nunca foram vacinadas O médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação, levando em conta o risco da doença e o risco de eventos adversos nessa faixa etária ou decorrentes de comorbidades.
Gestantes Independente do estado vacinal, a vacinação contra febre amarela está contraindicada. Na impossibilidade de adiar a vacinação, como em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco de contrair a doença, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação.
Lactantes A vacinação não está indicada, devendo ser adiada até a criança completar 6 meses de idade. Na impossibilidade de adiar a vacinação, como em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco de contrair a doença, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação.
Viajantes no Brasil Viagens para áreas com recomendação de vacina no Brasil: vacinar-se antes da viagem. No caso de primeira dose, toma-la pelo menos 10 dias antes da viagem

Efeitos adversos possíveis

De forma geral, a vacina produz poucos efeitos colaterais. Mas podem acontecer episódios de dor no local, dor de cabeça e febre, entre cinco a dez dias depois da aplicação.

Quais são as implicações de as pessoas tomarem a vacina sem necessidade?

Nos últimos dias nós temos visto que muitas pessoas estão interessadas em tomar a vacina contra a febre amarela. É importante as pessoas se preocuparem com a saúde. No entanto, se o indivíduo não está em uma situação de risco ou não vai viajar para um local em que o surto está acontecendo não há necessidade de tomar esta imunização. O vírus está localizado em regiões rurais e ainda não chegou às grandes metrópoles. Se as pessoas a tomarem sem necessidade, pode acontecer de a vacinas nos postos acabarem e quem realmente precisa da proteção pode ficar sem.

Quem mora na cidade grande precisa se proteger contra o mosquito Aedes aegypti, que pode transmitir febre amarela e outras doenças também, como Zika vírus, dengue e febre chikungunya

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Onde encontrar a vacina contra febre amarela

A vacina está disponível nas redes pública - para os grupos de risco - e privada. Alguns convênios médicos a cobrem no sistema particular de saúde. Consulte sua operadora para ver se seu plano oferece essa cobertura.

Dúvidas frequentes

Se eu não me lembro de ter tomado a vacina, posso ir ao posto e repetir a dose?

Sim. A melhor medida a fazer nesses casos é conferir a carteirinha de vacinação. Mas se você a perdeu por algum motivo, ou então achou que estava vacinado, mas não consta no registro, o melhor a fazer é se vacinar, ainda que repetidamente.

Pessoas alérgicas à proteína do ovo podem tomar a vacina contra febre amarela?

Pessoas com história de reações alérgicas leves a moderadas, após ingerirem ovo (apenas urticária, por exemplo), podem receber a imunização sob supervisão médica e devem ficar em observação por 30 minutos após a vacinação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Indivíduos com história de reações alérgicas graves após a ingestão de ovo, como a anafilaxia, por exemplo, têm contraindicação. Porém, se o risco de exposição à febre amarela for muito grande, o paciente deve ser encaminhado ao especialista para realização de testes cutâneos com a vacina. Se o resultado do teste for negativo, pode-se administrá-la sob supervisão médica e com período de observação de 30 minutos. Se o teste for positivo, deve-se discutir com o alergista o fracionamento das doses ou a dessensibilização em ambiente que ofereça a possibilidade de manejo adequado em caso de possível anafilaxia pós-vacinal.

Em um cenário de surto, quem deve tomar a vacina contra febre amarela?

No atual momento é importante que as pessoas que residem em áreas de risco tomem a vacina. Quem não está nessas localidades mas vai viajar para alguma área de risco precisa se vacinar 10 dias antes de viajar. Não é seguro a pessoa tomar a vacina no dia anterior à viagem, pois a janela imunológica da vacina é de 10 dias.

A vacina contra febre amarela faz parte do Calendário de Vacinação para pessoas que moram na área endêmica?

De 6 meses a 9 meses de idade incompletos: a vacina está indicada somente em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem inadiável para área de risco de contrair a doença

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De 9 meses até 4 anos 11 meses e 29 dias de idade: é indicado uma dose aos 9 meses de idade e uma dose de reforço aos 4 anos de idade

A partir dos 5 anos de idade: se a pessoa já recebeu uma vacina, pode-se dar mais uma dose. Se ela nunca foi vacinada, é preciso dar uma dose inicial e outra de reforço 10 anos depois.

No caso de pessoas com mais de 60 anos que nunca foram vacinadas, o médico deve levar em conta os riscos da vacinação, que incluem o risco de eventos adversos nessa faixa etária ou decorrentes de comorbidades. Gestantes e lactantes são contraindicadas a tomar esta vacina, assim como pessoas imunossuprimidas.

Quais são as implicações de as pessoas tomarem a vacina sem necessidade?

Nos últimos dias nós temos visto que muitas pessoas estão interessadas em tomar a vacina contra a febre amarela. É importante as pessoas se preocuparem com a saúde. No entanto, se o indivíduo não está em uma situação de risco ou não vai viajar para um local em que o surto está acontecendo não há necessidade de tomar a vacina contra a febre amarela. O vírus está localizado em regiões rurais e ainda não chegou às grandes metrópoles. Se as pessoas tomarem a vacina sem necessidade, pode acontecer de a vacinas nos postos acabar e quem realmente precisa da proteção pode ficar sem. Quem mora na cidade grande precisa se proteger contra o mosquito Aedes aegypti, que pode transmitir febre amarela e outras doenças também, como Zika vírus, dengue e febre chikungunya

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Fontes consultadas

Infectologista Helena Brígido (CRM-PA: 4.374), membro do Comitê de Arboviroses da Sociedade Brasileira de Infectologia, especialista em Infectologia, Epidemiologia e Saúde Pública e mestre em Medicina Tropical.

Alergologista Ana Karolina B.B. Marinho, Coordenadora de Imunizações da ASBAI - Associação Brasileira de Alergia e Imunologia

Sociedade Brasileira de Infectologia