PUBLICIDADE

Nutella pode causar câncer? Entenda a polêmica

Óleo de palma é usado para garantir a textura e aumentar a validade do produto, porém, pode liberar substâncias cancerígenas

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

O óleo de palma, conhecido no Brasil como azeite de dendê e um dos ingredientes da Nutella, foi alvo de um estudo da European Food Safety Authority, um órgão europeu de segurança alimentar. Na pesquisa, cientistas descobriram que o óleo, quando refinado a temperaturas maiores do que 200 graus Celsius, pode gerar uma substância potencialmente cancerígena.

O creme de avelã com chocolate mais famoso do mundo, produzido por uma marca italiana, utiliza o óleo de palma para garantir a tradicional textura e aumentar a validade do produto. Em resposta ao estudo, a fabricante Ferrero afirmou que substitutos, como o óleo de girassol, causariam muitas mudanças nas características do produto.

A substância cancerígena é gerada quando o óleo é exposto a altas temperaturas, processo utilizado para alterar sua cor natural avermelhada e o cheiro forte. Em resposta ao estudo, a marca afirma que seu processo de fabricação envolve temperaturas abaixo de 200 graus Celsius e pressão extremamente baixa, o que minimizaria os contaminantes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Esse procedimento seria mais demorado e cerca de 20% mais caro do que o refino em altas temperaturas. Segundo a Ferrero, isso faz com que os níveis de GE sejam muito baixos, deixando até de ser identificado no produto através de instrumentos científicos.

Apesar da descoberta, a agência europeia ainda não recomendou a suspensão do consumo da Nutella, alegando que mais testes e estudos são necessários para confirmar o nível de risco. O contaminante encontrado no óleo é conhecido como GE (glycidyl fatty acid esters). O órgão ressalta que já existem evidências suficientes para afirmar que a substância é tóxica e cancerígena, mas que ainda não foram determinados os limites seguros de consumo.

A Organização Mundial de Saúde e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura alertaram sobre o risco de consumo do GE, mas não recomendaram que as pessoas parem de ingerir óleo de palma. A Food and Drug Administration, órgão regulador americano, também não baniu o uso da substância.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)