Não é só tosse: 8 sintomas menos conhecidos de coronavírus

Veja quais são as reações menos comuns causadas pela COVID-19

Atualizado em 30/11/2020

A COVID-19 exige atenção especialmente por provocar sintomas respiratórios, muito similares aos de um resfriado comum. Em geral, as manifestações mais comuns da doença incluem tosse e falta de ar, muitas vezes acompanhadas de febre e bastante cansaço.

Apesar de a maior parte dos infectados desenvolver a forma leve ou moderada do quadro, segundo o infectologista Júlio Henrique Onita, uma pequena parcela dos pacientes (em torno de 5%) responde pela forma mais severa, em que há a necessidade de um suporte de UTI com intubação e auxílio de ventiladores.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De fato, esses sintomas mais frequentes podem ter intensidade maior ou menor - o que leva a pessoa a uma condição mais ou menos grave. Porém, há sinais menos comuns da infecção causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) que também merecem atenção. Confira quais são e como eles costumam se apresentar no corpo.

Sintomas menos conhecidos de coronavírus

Por ser uma doença sistêmica, que afeta diversos órgãos e tecidos ao mesmo tempo, a COVID-19 tem uma lista ampla e variada de sintomas. Atualmente, de acordo com o Ministério da Saúde, a infecção é identificada com sinais como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Entre os sintomas listados, alguns não costumam ser recorrentes em pacientes que enfrentam a doença. De acordo com João Prats, infectologista do hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, os sintomas mais atípicos de COVID-19 são:

Diagnóstico de coronavírus

Para saber se os sintomas apresentados por um indivíduo são ou não de COVID-19, é realizado um diagnóstico que envolve exames clínicos, critérios epidemiológicos, testes laboratoriais e também exames de imagem.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Desse modo, o processo avalia o quadro do paciente e aplica testes para analisar a reação do organismo ao SARS-CoV-2, verificando também se a pessoa esteve em contato com alguém contaminado nos últimos dias. ?Nós consideramos que, após 14 dias, os infectados não transmitem mais o vírus?, afirma Ingrid Cotta, infectologista do hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Como forma de controlar a pandemia, a atual recomendação do Ministério da Saúde é que o paciente, ao perceber os primeiros sinais da doença, procure ajuda médica imediata em Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou UPAS de sua cidade.

Além de ajudar a confirmar o diagnóstico, esta ação faz com que o paciente inicie o tratamento o mais rápido possível e também contribui para que o vírus não continue sendo transmitido para a população em geral.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Mais sobre coronavírus

Sintomas de coronavírus: veja quais são os primeiros sinais

Novo coronavírus: mitos e verdades sobre a doença COVID-19

Gripe x coronavírus: saiba as diferenças e como se prevenir

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)