PUBLICIDADE

Monte o cardápio ideal para fortalecer a memória

Ação de uma série de nutrientes pode retardar o envelhecimento cerebral

A prática de atividades culturais e de raciocínio ao longo de toda a vida é um hábito preventivo na luta contra a Doença de Alzheimer. Na lista de exercícios mentais que criam mais conexões entre os neurônios, mantendo o cérebro ativo, estão leitura, xadrez e palavras cruzadas. A alimentação entra em cena como fortalecedora da memória, ao lado de tais atividades.

É fato que a habilidade de reter informações recém adquiridas declina com a idade. Isso acontece devido às mudanças neuronais, que envolvem acúmulo de substâncias não-essenciais, perda de mielina essencial, regressão geral de neurônios e diminuição do número de conexões entre os neurônios. Tais fatores ocorrem naturalmente, com o decorrer dos anos. Porém, a ação dos nutrientes pode retardar o envelhecimento.

"O consumo de frutas, verduras, legumes, leguminosas, cereais integrais e oleaginosas é recomendado para o fortalecimento da memória. Tais alimentos são fontes de nutrientes importantes para a saúde cerebral", ensina Danira Passos, nutricionista funcional da AferBio Bio Alimentos. Entre os alimentos recomendados, ela destaca mamão, manga, melancia, laranja, brócolis, couve-flor, repolho, espinafre, rúcula, feijão, soja, ervilha, alfafa, castanha, azeite, peixes e shitake.

Nutrientes inteligentes em ação
De acordo com a nutricionista, atualmente, os Smart Nutrients chamam atenção daqueles que procuram um cardápio eficaz no fortalecimento do organismo. Traduzindo para o português, os nutrientes inteligentes nada mais são do que vitaminas, minerais, aminoácidos e gorduras que apresentam uma ação positiva sobre todos os códigos de funcionamento do cérebro. "O grande diferencial destes nutrientes é o poder de melhorar a nutrição do córtex frontal, região do cérebro mais sensível aos nutrientes e mais vulnerável à ação dos agentes poluentes de qualquer ordem", ressalta.

Alguns exemplos de Smarts Nutrients são a vitamina D, uma das mais potentes substâncias para regeneração dos neurônios; a vitamina B2, com atuação sobre o humor, a memória e a regeneração do antioxidante glutationa; as vitaminas B6 e B12, que atuam na formação de neurotransmissores, responsáveis por transferir informações de um neurônio para o outro; e a vitamina E, essencial para o cérebro por combater o envelhecimento.

"A alimentação deve ser composta por diversas fontes de nutrientes. Sabe-se, no entanto, que muitos deles não são encontrados em alimentos de origem animal, maiores representantes da dieta dos brasileiros. Por isso, alimentos desenvolvidos apropriadamente para a ingestão de pessoas debilitadas e idosos cumprem este papel", fala Danira sobre a possível necessidade de complementação da dieta.

Falando sobre os alimentos in natura, a nutricionista funcional aconselha a priorizar o consumo de verduras e legumes crus. "Quando necessário, procure cozinhá-los no vapor e certifique-se que eles permaneçam tenros", orienta Danira. Ricos em fibras e diversos nutrientes, os alimentos perdem parte de suas características nutricionais no processo de cocção.

Para manter uma alimentação equilibrada, ela recomenda também, dar preferência aos alimentos integrais e evitar os refinados, como açúcar branco e farinha refinada, além de alimentos gordurosos. "Uma dieta rica em alimentos industrializados, gordurosos e refinados pode afetar negativamente a memória, já que eles favorecem a formação dos radicais livres", esclarece.

Radicais livres são substâncias produzidas naturalmente pelo organismo, por meio da respiração. Danira explica que eles são moléculas altamente instáveis e reativas. Isto é, precisam reagir com outros átomos ou moléculas para poderem se estabilizar. "Ao reagirem com as nossas moléculas, deixam as funções desempenhadas por elas comprometidas. Isso ocorre também com as células cerebrais", detalha sobre os malefícios.

Ainda tratando dos alimentos que produzem efeitos negativos à memória, a especialista da AferBio alerta sobre o consumo de bebidas alcoólicas. Segundo ela, o álcool afeta a química do cérebro, alterando os níveis de neurotransmissores. "O consumo de bebida alcoólica não traz apenas prejuízos imediatos, mas também a longo prazo. O consumo freqüente pode causar danos permanentes, como redução no tamanho do cérebro e deficiência nas fibras que transportam informações entre as células cerebrais".

Danira afirma que o ideal é que se pense nos conselhos como maneira preventiva. "No caso de uma pessoa que já apresenta um déficit de memória, uma adequação do cardápio ajuda a retardar a evolução dele", completa.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)