Janaina perguntou:

Meu namorado está com s. do pânico, ele fala que eu pergunto muito mas não pergunto o essencial, o que eu posso perguntar nesses casos?

  • Respondido em 12/02/2018
    Olá,

    Cada pessoa que apresenta a síndrome do pânico tem características diferentes e particulares.
    Normalmente as pessoas perguntam o que o outro sente fisicamente, do que está com medo, do que está querendo fugir, etc.
    É importante ele ter acompanhamento psicológico para auxiliar no processo de controle dos sintomas e tentar descobrir se há um gatilho para as crises!

    PUBLICIDADE
  • Respondido em 17/02/2018
    Dirk Belau Psicologia e Psicanálise - CRP 06/117170/SP
    Olá,

    ele quer ser perguntado ou será que ele quer lhe agradar pois você já está perguntando? A sua conversação me parece invertida: Ele diz que quer ser perguntado o essencial mas não lhe diz o quê ele acha que é essencial? Como é que você pode descobrir o essencial se ele mesmo não consegue?

    Não procure racionalizar o medo do seu namorado, levá-lo a uma explicação. O medo não vai embora assim. A síndrome do pânico é uma experiência horrível que para a pessoa que sofre não tem explicação no momento. Pode haver um gatilho, mas uma vez que este gatilho gerou o pânico, procurar remover o gatilho (por identificá-lo e diminui-lo) não remove o pânico. Talvez por isso, o seu namorado acha que você não está falando do essencial já que o gatilho costuma não ser o essencial. Mas ele também parece que não sabe dizer o quê seria o essencial.

    Talvez faça sentido de dizer que a pessoa com pânico procura o essencial e entra em pânico justamente por não encontrá-lo. O pânico assim seria o desespero de não encontrar ordem no seus pensamentos, de estar perdendo os reparos que nos dão segurança. Porém, a ordem nos pensamentos não se reestablece tão facilmente assim. Só o tempo vai tirar o pânico da pessoa.

    Se o seu namorado, numa situação de pânico, quer conversar com você, escute bem o que ele diz e procure entender. Diga-lhe o que você entende, sem acrescentar coisa nova. Assim você pode ajudá-lhe a entender ele mesmo o que está falando e avançar no que quer dizer. Sobretudo, não procure você dirigir a conversa, pois de repente você só aumenta o desconforto do seu namorado.

    PUBLICIDADE