maria perguntou:

Pode acontecer de uma pessoa com gagueira deixar de ser ou de uma pessoa que nunca foi gaga adquirir o problema?

  • Respondido em 02/03/2015
    Tainá Ferreira Fonoaudiologia - CRFa 2-17529/SP
    especialista minha vida
    Olá,

    A gagueira é caracterizada por rupturas involuntárias no fluxo suave da fala que diminuem a velocidade da fala e podem prejudicar a compreensão da mensagem. Essas rupturas podem ser repetições de sons ou sílabas, prolongamentos de sons, bloqueios (quando a pessoa não consegue terminar de produzir o som alvo), pausas mais longas, e intrusão de sons nas palavras.

    Esse distúrbio pode ser de origem idiopática ou do desenvolvimento, neurológica ou psicológica e acomete cerca de 1% das pessoas.

    O primeiro subtipo tem início na infância durante a fase de desenvolvimento da linguagem e engloba cerca de 80% dos casos identificados na infância e 20% destes mantém a alteração na vida adulta. É um distúrbio crônico, mesmo que a criança apresente períodos de fala mais fluente, e tem indicação de intervenção fonoaudiológica.

    O segundo subtipo acomete indivíduos que eram falantes fluentes após lesões cerebrais como AVCs ou traumas cranioencefálicos. Além da intervenção médica relacionada à doença de base esses casos também podem ter indicação de terapia fonoaudiológica para diminuir ou suavizar as alterações de fala.

    O terceiro subtipo está relacionado a eventos psicológicos, que podem ser traumáticos ou de conflito emocional, ou a doenças psiquiátricas. Estes casos podem iniciar em qualquer fase da vida e o tratamento indicado pode ser médico ou psicológico e não fonoaudiológico. Para alguns autores este tipo não é uma gagueira verdadeira, mas sim um sintoma ou uma expressão do conflito psicológico.

    Fonte:
    Tratado de Fonoaudiologia 2ª edição / Organização: Fernandes, F.D.M, Mendes, B.C.A, Navas, A.L.P.G.P. São Paulo, Editora Roca, 2009.
    Instituto Brasileiro de Fluência - http://www.gagueira.org.br/

    PUBLICIDADE