PUBLICIDADE

Colite ulcerativa: o que é, sintomas e tratamentos

Visão Geral

O que é Colite ulcerativa?

A retocolite ulcerativa (RCU) ou colite ulcerativa (CID 10 - K51) é uma doença inflamatória intestinal (DII). De ordem crônica, o quadro leva a inflamações e ulcerações no intestino grosso, e também na mucosa do reto.

Junto com a doença de Crohn, a retocolite ulcerativa elenca uma das principais doenças inflamatórias intestinais.

Classificada de acordo com a extensão do intestino afetado, a retocolite ulcerativa pode estar limitada ao reto (proctite ulcerativa) ou afetar partes adicionais do cólon, geralmente com sintomas acentuados.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

As pessoas que desenvolvem retocolite ulcerativa em idade mais jovem são mais propensas a ter sintomas graves. Normalmente, a doença surge entre os 15 e 30 anos. Uma minoria dos afetados sofre o seu primeiro ataque entre 50 e 70 anos.

A doença também pode ser classificada de acordo com a intensidade que acomete os segmentos, podendo ser leve, moderada ou grave. Saiba mais sobre o quadro.

Causas

A causa exata da retocolite ulcerativa é desconhecida. Anteriormente, acreditava-se que a dieta e o estresse podiam estar entre as causas da doença, mas agora sabe-se que isso pode apenas agravar o problema, e não causar a colite ulcerativa.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Uma possível causa é um distúrbio do sistema imunológico. De forma semelhante quando a nossa imunidade tenta combater um vírus invasor ou bactéria, neste caso uma resposta imunológica anormal faz com que ele ataque as células do próprio organismo.

Assim, as células da mucosa do cólon e do reto. É como se o organismo entendesse que o intestino grosso fosse um órgão estranho, tentando combatê-lo persistentemente.

A hereditariedade também parece desempenhar um papel na incidência de colite ulcerativa, uma vez que a doença ocorre em pessoas que têm familiares com a doença. No entanto, a maioria das pessoas com retocolite ulcerativa não têm esse histórico familiar.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sintomas

Sintomas de Colite ulcerativa

Os sintomas de retocolite ulcerativa podem ser:

Outros sintomas que podem ocorrer na RCU:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Outras condições com sintomas semelhantes aos da colite ulcerosa incluem de Doença de Crohn, diverticulite, síndrome do intestino irritável (IBS), câncer de cólon e outras colites.

De acordo com o gastroenterologista Humberto Saconato, poucas pessoas sabem que essa doença também pode envolver outros órgãos, tanto do aparelho digestivo - como é o caso do fígado -, como pele, articulações e olhos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Saiba mais: Retocolite ulcerativa: os principais sinais de alerta

Visão Geral

Tipos

Proctite ulcerativa

A colite é classificada de acordo com sua localização. A inflamação está situada na área mais próxima do ânus (reto). Desse modo, o sangramento retal pode ser o único sinal da doença. Esta forma de colite ulcerativa tende a ser a mais suave.

Proctosigmoidite

A inflamação envolve o reto e o cólon sigmóide (extremidade inferior do cólon). Os principais sinais são diarreia com sangue, cólicas abdominais e dor abdominal.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Colite do lado esquerdo

Neste caso, a inflamação se estende do reto até o cólon sigmoide e descendente. Os sintomas incluem diarreia sanguinolenta, cólicas abdominais e dor no lado esquerdo e perda de peso não intencional.

Pancolite

Geralmente afeta todo o cólon e causa episódios de diarreia sanguinolenta (que podem ser graves), cólicas abdominais, fadiga e perda de peso significativa.

Colite ulcerativa severa aguda

Essa forma rara de colite afeta todo o cólon e causa dor intensa, diarreia abundante, sangramento, febre e incapacidade de comer.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Doença de Crohn x Retocolite Ulcerativa

Embora a doença de Crohn e a etocolite ulcerativa sejam as principais DII tenham muitas semelhanças, há diferenças grandes entre as duas, principalmente no que diz respeito a localização delas no trato gastrointestinal.

A doença de Crohn pode ocorrer em qualquer lugar do trato digestivo e a inflamação que provoca pode ser em algumas partes apenas. A parede das áreas afetadas é mais espessa, com o aspecto de rocha, e úlceras que podem se estender para todas as camadas da parede do trato digestivo. Geralmente a dor ocorre no abdômen inferior direito. O sangramento não é comum durante a evacuação.

Na retocolite ulcerativa, a área afetada é tipicamente no cólon e a inflamação é contínua ao longo das áreas afetadas. É comum surgir dor na parte inferior esquerda do abdômen. Pode haver sangramento durante a evacuação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tipo leve, moderado e grave

A RCU se apresenta de três formas diferentes:

Leve

É a forma de manifestação mais frequente, que incide em aproximadamente 60% dos pacientes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Ocorre de duas maneiras: segmentar, atingindo principalmente o reto e o cólon distal (em 80% dos casos), e total, acometendo todo o cólon.

Caracteriza-se por sintomas básicos como diarreia e sangramento retal, de intensidade menor e com manifestações sistêmicas mais raras.

Durante o surto ou nos períodos de exacerbação, a diarreia é o sinal predominante com 3 a 5 evacuações ao dia.

Moderada

Na forma moderada, os sinais e sintomas da RCU caracterizam claramente uma doença inflamatória intestinal, com predominante diarreia, muco, pus e sangramento retal.

Pode acompanhar dor abdominal com cólica, que pode ser aliviada com a defecação e que, algumas vezes, acorda o paciente à noite. Acomete aproximadamente 30% dos portadores.

Geralmente, os pacientes com essa forma moderada não executam todas as suas atividades devido à fadiga. Podem apresentar também quadro de febre intermitente e moderada e períodos de anorexia e perda de peso.

Grave

É a forma de menor incidência (10%), caracterizada por um número elevado de evacuações (20 a 30 vezes) no período de 24 horas.

Pode haver sangramento retal intenso e febre alta e constante. Normalmente, o quadro clínico acompanha anorexia, astenia, palidez e rápida perda de peso.

Alguns pacientes são refratários ao tratamento clínico, necessitando, às vezes, de intervenção cirúrgica.

Fatores de risco

Os fatores de risco da retocolite ulcerativa são:

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Colite ulcerativa

O diagnóstico da colite é baseado na avaliação do histórico médico do paciente, antecedentes familiares e exames clínicos e laboratoriais específicos e não específicos.

Não existe um exame específico que identifique de maneira assertiva se uma pessoa sofre ou não com a doença.

Para chegar ao diagnóstico, o médico precisa considerar e investigar todos os sintomas, conhecer o histórico do paciente, fazer exames físicos e solicitar testes clínicos. Depois de avaliar todos esses elementos, em conjunto, o médico poderá avaliar e chegar a uma conclusão.

Buscando ajuda médica

Marque uma consulta médica (preferencialmente, com um gastroenterologista ou coloproctologista) se você sentir alguns dos sintomas.

Embora a colite ulcerativa não seja fatal na maioria dos casos, é uma doença que pode ser grave e que, em alguns casos, pode causar complicações.

Convivendo (prognóstico)

Colite ulcerativa tem cura?

A maioria das pessoas com retocolite ulcerativa tem períodos de remissão (quando a condição não está ativa) que podem durar vários anos. Esses períodos são interrompidos por ocasionais surtos de sintomas moderados. No entanto, algumas pessoas têm os sintomas de colite ulcerativa todo o tempo.

Crianças podem ter os mesmos sintomas dos adultos. Além disso, as crianças com a doença pode crescer mais lentamente do que o normal e passar pela puberdade mais tarde do que o esperado.

Complicações possíveis

As possíveis complicações da colite ulcerativa incluem:

Colite ulcerativa X Câncer de cólon

Pessoas com colite ulcerativa podem ter maior probabilidade de desenvolver câncer de cólon. O risco é maior quando todo o intestino grosso é afetado e aumenta proporcionalmente ao tempo em que a colite ulcerativa está presente.

Após 20 anos de doença, cerca de 7 a 10% das pessoas terão desenvolvido câncer, e após 35 anos de doença, pode acontecer o mesmo com até 30% das pessoas. O câncer é identificado a cada ano em cerca de uma em 100 a 200 pessoas após 8 a 10 anos de doença em pessoas que apresentam colite ulcerativa ampla.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Colite ulcerativa

Medicamentos

Vários tipos de drogas podem ser eficazes no tratamento de colite ulcerativa. O tipo que você vai tomar depende da gravidade da doença. As drogas que funcionam bem para algumas pessoas podem não funcionar para outras, por isso pode levar algum tempo para encontrar um medicamento que ajuda você.

Antiinflamatórios Intestinais

Os medicamentos anti-inflamatórios são frequentemente o primeiro passo no tratamento de doença inflamatória do intestino. Mas cuidado, nem todos os antiinflamatórios podem ser utilizados. Daqueles que podem ser usados, citamos:

Supressores do sistema imunológico (Imunossupressores)

Essas drogas também reduzem a inflamação, mas o fazem por suprimir a resposta do sistema imunológico que começa o processo de inflamação. Para algumas pessoas, uma combinação destas drogas funciona melhor do que uma droga por si só. Os corticosteroides podem também ser utilizados juntamente com um supressor do sistema imunitário. Drogas imunossupressoras incluem:

Cirurgias

Uma cirurgia pode eliminar a retocolite ulcerativa. Mas isso normalmente significa remover o cólon e o reto, colocando o ileo (intestino delgado) na parede abdominal, onde acopla-se uma bolsa de ileostomia. Há um procedimento chamado anastomose ileoanal com bolsa ileal, que elimina a necessidade de usar um saco para recolher fezes.

O cirurgião constrói uma bolsa a partir do final de seu intestino delgado. A bolsa é então ligada diretamente ao seu ânus, o que lhe permite expelir resíduos. Este último, apesar de esteticamente melhor, apresenta o risco de que haja inflamação no intestino delgado (bursite), e há um grande número de evacuações líquidas.

Terapias

Muitas pessoas com distúrbios digestivos podem se beneficiar de alguma terapia alternativa e complementar. No entanto, eles não podem substituir o uso dos tratamentos tradicionais. Algumas terapias utilizadas incluem:

O tratamento tem como objetivo controlar a inflamação, reduzir os sintomas e repor quaisquer perda de líquidos e nutrientes. Segundo Humberto Saconato, na maioria dos casos, o tratamento é farmacológico e varia de acordo com a gravidade da doença.

Prevenção

Prevenção

Como é uma doença crônica sem uma etiologia definida, não há medidas para prevenção. Contudo, Humberto Saconato explica que algumas medidas podem ser tomadas para prevenir a recorrência, como orientar os pacientes a evitar uso de medicamentos anti- inflamatórios não esteroides, além de fazer acompanhamento psicoterápico.

Tratamento e Cuidados

Medicamentos para Colite ulcerativa

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Como toda doença crônica ela pode afetar a qualidade de vida dos pacientes, principalmente aqueles casos que apresentam recorrências frequentes da doença. Por esse motivo, mudar os hábitos de vida são essenciais para conviver com a doença:

Dieta para retocolite ulcerativa

Pode ser útil manter um diário alimentar para ter o controle do que você está comendo, e quais alimentos fazem você se sentir melhor ou pior. Se você descobrir que alguns alimentos estão piorando os sintomas, você pode tentar eliminá-los. Aqui estão algumas sugestões que podem ajudar:

Adapte seus hábitos alimentares

Controle o estresse

Embora o estresse não seja uma causa de doença inflamatória do intestino, ele pode fazer seus sinais e sintomas piores, além de desencadear crises. Para ajudar a controlar o estresse, tente:

Saiba mais: Doenças Inflamatórias Intestinais: é possível ter qualidade de vida

Referências

João Duda, médico coloproctologista da Sociedade Brasileira de Coloproctologia e especialista do Portal Minha Vida, CRM 22961/PR

Humberto Saconato, médico gastroenterologista do Hospital Santa Paula, CRM 28272

Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doenças de Crohn

Manual MSD - Versão Saúde para Família

National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases

Mayo Clinic