PUBLICIDADE

Micose: sintomas, tipos, como tratar e prevenir

Visão Geral

O que é Micose (Tinha)?

Micose é uma infecção causada por fungos, que atinge a pele, o couro cabeludo e as unhas. Costuma ser caracterizada por descamação e irritação na região afetada, variando conforme o local do corpo em que se manifesta.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Alguns tipos de fungos vivem naturalmente em nosso corpo sem causar qualquer tipo de sintoma. No entanto, se eles começam a se reproduzir rapidamente, podem levar ao surgimento de várias doenças, como é o caso da micose.

Nesse quadro, os fungos se alimentam da queratina presente na pele, nas unhas e nos cabelos. Quando encontram condições favoráveis, como calor, umidade, baixa de imunidade ou uso de antibióticos sistêmicos por longo prazo, estes fungos podem se proliferar, o que exige tratamento.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tipos

Impinge

A impinge é uma micose de pele que pode se desenvolver em qualquer região do corpo, sendo identificada por causar feridas geralmente avermelhadas e com uma leve descamação na borda da lesão.

É também conhecida como tinea corporis, tinha corporis e dermatofitose. Além disso, a impinge é comumente confundida com alergias e outras patologias, como psoríase e seborreia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Pitiríase versicolor

Popularmente conhecida como "pano branco", a pitiríase versicolor é a micose que causa pequenas manchas esbranquiçadas que descamam. Elas podem estar agrupadas ou isoladas e normalmente surgem na parte superior dos braços, tronco, pescoço e rosto.

Sua superfície tem uma descamação fina, com a tonalidade variando entre o branco, rosado ou castanho. Além disso, as manchas desse tipo de micose raramente coçam.

A pitiríase versicolor é mais comum em adolescentes e jovens, sendo que pessoas de pele oleosa estão mais suscetíveis a apresentar a doença, que pode voltar ao corpo por várias vezes.

Tinea (Tinha)

A tinea (ou tinha) é uma micose que apresenta manchas vermelhas de superfície escamosa, bordas bem nítidas e que coçam. Quando acomete os pés, a tinea pode ser chamada de "pé-de-atleta" (frieira) – mas ela também pode aparecer em outros lugares do corpo.

Nas crianças, é comum que estas micoses surjam no couro cabeludo. Forma-se uma placa com crostas que causam coceira intensa, parecendo que o cabelo foi cortado naquela região.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Onicomicose (micose na unha)

Onicomicose é a micose na unha, tanto nas dos pés quanto das mãos. Com a doença, a unha fica mais grossa e descolada da pele, além de poder apresentar mudanças na forma e coloração.

Normalmente, a onicomicose surge com manchas pequenas e claras, que vão se espalhando e deixando as unhas frágeis, doloridas e espessas.

Causas

A micose é uma infecção contagiosa, podendo ser transmitida de uma pessoa para outra pelo toque, contato de pele. Contudo, na maioria das vezes, o sistema imunológico consegue combater a proliferação dos fungos sem causar qualquer sintoma.

Além disso, nosso corpo contém bactérias que são responsáveis por conter a reprodução fúngica. Estas bactérias privam os fungos nocivos de espaço e nutrientes. Altos níveis de acidez em algumas regiões do corpo, como a vagina, também fornecem uma camada de proteção natural.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Fatores de risco

Algumas situações podem favorecer o surgimento das micoses:

Em pacientes imunossuprimidos, por exemplo, o sistema imunológico é incapaz de combater infecções por fungos de forma adequada. Além disso, o uso prolongado de remédios antibióticos destrói as bactérias úteis, permitindo que os fungos colonizem a pele e mucosa.

Em mulheres na menopausa, as mudanças hormonais reduzem a acidez da vagina, tornando-as mais vulneráveis a infecções fúngicas.

Já pacientes com doenças autoimunes (como a diabetes, hepatite, psoríase e esclerose múltipla) têm uma menor defesa da pele por conta do sistema imunológico enfraquecido, possibilitando a reprodução de fungos com maior facilidade.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sintomas

Sintomas de Micose (Tinha)

Os principais sintomas de micose são, de forma geral:

Esses sinais se manifestam mais frequentemente em áreas de dobras (como axilas, virilhas, entre os dedos das mãos e pés). Porém, também podem ocorrer em qualquer outra área do corpo, como a região genital.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Se você notar qualquer alteração na cor ou textura da pele, especialmente em lugares como pés, pescoço e couro cabeludo, procure um médico. Esses são sintomas que merecem atenção e podem exigir tratamento.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Na consulta médica

Os especialistas que podem diagnosticar micose são:

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico de Micose (Tinha)

A micose geralmente é diagnosticada pela sua aparência. O médico ou médica pode pedir para você descrever os sintomas e como eles progrediram.

Outras ferramentas de diagnóstico podem ser usadas, dependendo do tipo de micose. Pedaços da unha ou pele podem ser raspados para uma análise em microscópio.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Micose (Tinha)

O tratamento das micoses é variável, a depender do tipo. Por exemplo, a impinge tende a ter tratamentos mais curtos; já as onicomicoses, mais prolongados.

Antifúngicos

Geralmente, as micoses são tratadas com uma variedade de remédios antifúngicos. O tipo que você usa depende de onde a infecção está localizada e o quão grave ela é.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Para infecções superficiais, é indicado o uso de um creme antifúngico. Infecções mais graves, incluindo aquelas que afetam as unhas, podem exigir tratamento com comprimidos orais ou injeções.

Continue o uso da medicação pelo tempo indicado pelo médico. As micoses das unhas são as mais difíceis, o tratamento tem maior duração, podendo ser necessário manter o remédio por mais de doze meses. A persistência é fundamental para obter sucesso nestes casos.

Mas atenção: muitos remédios antifúngicos são tóxicos para o fígado, de forma que os pacientes devem ser cuidadosamente monitorados.

Medicamentos prescritos

Nunca se automedique e siga à risca as orientações de dosagem indicada pelo médico. Não interrompa mesmo que os sintomas tenham terminado, pois o fungo das camadas mais profundas pode resistir. Continue o uso da medicação pelo tempo indicado pelo médico.

As micoses nas unhas são as mais difíceis de se curar, portanto o tratamento tem maior duração. Assim, pode ser necessário manter a medicação por mais de 12 meses. A persistência é fundamental para obter sucesso nestes casos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Remédio caseiro para micose

De acordo com o dermatologista Cristiano Kakihara, tratamentos caseiros, como o uso de babosa, limão, bicarbonato de sódio e iogurte, não têm comprovação científica alguma para melhorar a micose.

Medicamentos para Micose (Tinha)

Os remédios mais usados para o tratamento de micose são:

Somente um médico pode dizer qual o remédio mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do especialista e NUNCA se automedique.

Não interrompa o uso do remédio sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Prevenção

Prevenção

Veja algumas dicas que você pode aplicar em seu dia a dia para prevenir a micose.

Enxugue-se bem

O fungo precisa de três coisas para se proliferar: calor, pele e umidade. Portanto, o mais recomendado é enxugar-se bem após o banho. Dê atenção especial aos dedos dos pés e às dobrinhas do corpo, como a virilha, onde é melhor secar com papel higiênico do que com toalha.

Evite roupas apertadas e sintéticas

O tecido sintético esquenta e não absorve o suor do corpo, criando um ambiente quente e úmido, favorável à proliferação de fungos. Já roupas apertadas podem machucar as dobras do corpo e o desgaste da pele serve de alimento aos fungos, contribuindo com a sua multiplicação. Prefira roupas leves e confortáveis.

Controle o suor

O suor excessivo favorece a reprodução de alguns tipos de fungos e deve ser controlado. Para isso:

Evite andar descalço em locais úmidos

A umidade dos pés favorece o desenvolvimento de algumas micoses e alguns fungos são transmitidos de uma pessoa para a outra. Por isso, evite andar descalço em lugares públicos.

Lembre-se, entretanto, de permitir que seus pés respirem e use chinelos ou sandálias que não sejam de plástico, pois este material favorece a transpiração.

Não compartilhe peças de vestuário

Como alguns tipos de fungos podem ser transmitidos de pessoa para pessoa, recomenda-se evitar o compartilhamento de qualquer peça de roupa. Adquira seu próprio chinelo, roupão, casaco, meia e até chapéu.

Evite ficar com roupas molhadas

Ao sair do mar, piscina ou mesmo após tomar chuva, procure se secar ou trocar de roupa - principalmente as roupas de banho, que demoram para secar, criando um ambiente aquecido e úmido na pele, perfeito para a proliferação de fungos.

Não compartilhe seu kit de unhas

Assim como as roupas, os alicates, palitos e cortadores de unhas também podem transmitir fungos causadores da micose. Portanto, cada pessoa deve ter seu kit individual de cuidados para as unhas.

Por serem objetos cortantes e que podem conter sangue, eles mantém os fungos ativos por mais tempo. Dessa forma, é possível ocorrer a transmissão até mesmo bastante tempo depois que o portador da doença tiver usado o material.

Mais sobre Micose (Tinha)

Fotos de micose

Atenção! As fotos a seguir podem ser fortes:

Foto: Reprodução/Shutterstock
Foto: Reprodução/Shutterstock

As micoses manifestam-se mais frequentemente em áreas de dobras (como axilas, virilhas, entre os dedos das mãos e pés), mas que também podem ocorrer em qualquer outra área do corpo.

Foto: Reprodução/Shutterstock
Foto: Reprodução/Shutterstock

Veja exemplo de micose na unha:

Foto: Reprodução/Shutterstock
Foto: Reprodução/Shutterstock

Exemplos de impinge:

Impinge - Foto: Shutterstock
Impinge - Foto: Shutterstock

Muitas vezes as micoses são confundidas com alergias. Por isso, ao notar algum sintoma, procure um médico.

Impinge - Foto: Shutterstock
Impinge - Foto: Shutterstock

Foto de pitiríase versicolor:

Pitiríase versicolor - Foto: Shutterstock
Pitiríase versicolor - Foto: Shutterstock

Exemplo de tinea nos pés (pé-de-atleta):

Pé-de-atleta - Foto: Shutterstock
Pé-de-atleta - Foto: Shutterstock

Mais um exemplo de onicomicose (micose na unha):

Onicomicose - Foto: Shutterstock
Onicomicose - Foto: Shutterstock

Referências

Revisado por: Natalia Cymrot, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia (CRM 84332/SP)

Adriana de Cerqueira Leite, dermatologista e membro da American Academy of Dermatology

Carla Bortoloto, médica especializada em dermatologia clínica e cirúrgica, tricologista, professora da Pós-Graduação em Dermatologia das Faculdades BWS, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Clínico Cirúrgica (SBDCC) e da American Academy of Dermatology (AAD)

Tatiana Gabbi, médica especializada em dermatologia, membro do Hospital das Clínicas da FMUSP, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, coordenadora do Departamento de Unhas e Cabelos da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Mayo Clinic

Manual Merck

Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD)

BRILHANTE, Raimunda Sâmia Nogueira; et. al. Epidemiologia e ecologia das dermatofitoses na cidade de Fortaleza: o Trichophyton tonsurans como importante patógeno emergente da Tinea capitis. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 33, n. 5, p. 417-425, set-out, 2000.