Câncer de pulmão metastático

Visão Geral

O que é Câncer de pulmão metastático?

O câncer de pulmão metastático é um câncer que surge como uma metástase de outro tumor, como o de bexiga ou de mama.

Causas

O câncer de pulmão metastático ocorre quando um câncer inicial, em outra parte do corpo, dissemina suas células para a corrente sanguínea e essas chegam ao pulmão. Tumores comuns que se disseminam pelos pulmões incluem:

No entanto, quase qualquer câncer tem a capacidade de se disseminar pelos pulmões.

Câncer: o que é e como ele se forma? - Dúvidas sobre câncer

Sintomas

Sintomas de Câncer de pulmão metastático

A maioria dos sintomas de câncer de pulmão metastático demora para se manifestar. Quando o paciente nota algum desconforto, em muitos casos o tumor já se disseminou e pode ter metástase. Os principais sintomas são:

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Câncer de pulmão metastático

Em alguns pacientes que não apresentam sinais e sintomas, o câncer de pulmão metastático pode ser detectado por meio de radiografia de tórax ou tomografia computadorizada. No entanto, a maioria das pessoas com câncer de pulmão é diagnosticado quando o tumor cresce ou começa a interferir em outros órgãos e/ou tecidos.

Há diversos exames importantes a serem avaliados para o câncer de pulmão metastático, tanto no momento do diagnóstico quanto no acompanhamento, os principais são:

  • Broncoscopia
  • Cintilografia óssea
  • Tomografia computadorizada do tórax
  • Radiografia torácica
  • Estudos citológicos de fluido pleural ou saliva
  • Biópsia pulmonar com agulha
  • Biópsia pulmonar cirúrgica.

Entre esses exames, destacam-se a tomografia computadorizada e a cintilografia óssea. Recentemente está sendo utilizada uma ferramenta importante em alguns casos, que é o exame chamado de tomografia por emissão de pósitrons (PET-TC). Este é um equipamento que une os recursos diagnósticos da Medicina Nuclear (PET) e da Radiologia (CT). O equipamento sobrepõe as imagens metabólicas (PET) às imagens anatômicas (CT), produzindo assim um terceiro tipo de imagem. Pode auxiliar no diagnóstico precoce, avaliar a extensão da doença, a eficácia de um tratamento, assim como no planejamento da radioterapia. Em alguns casos, pode-se até evitar procedimentos invasivos.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Câncer de pulmão metastático

As principais formas disponíveis são: cirurgia, radioterapia, quimioterapia e outros métodos paliativos. Elas podem ser utilizadas de forma individual ou de forma combinada, dependendo do tipo de tumor e nível de evolução. As opções de tratamento devem ser discutidas com a equipe médica que irá definir a melhor opção para cada organismo.

Nos casos em que a doença é metastática, a quimioterapia pode ser realizada para aumentar a média de sobrevida em relação ao tratamento de suporte, assim como a qualidade de vida.

Complicações possíveis

As complicações possíveis decorrem do tamanho, local da lesão e eventualmente de substâncias produzidas pelo tumor e liberadas na corrente sanguínea. O seu crescimento pode afetar por invasão, obstrução ou compressão de estruturas respiratórias, vasculares ou nervosas. Há sempre o potencial de hemorragia, e sintomas podem ocorrer em decorrência de elementos secretados pelo tumor ou dos locais das metástases.

Se o câncer de pulmão metastático, pode surgir um líquido na cavidade pleural, ocupando o pulmão inteiro e causando uma insuficiência respiratória. Se avançar para cima do coração, pode diminuir a funcionalidade deste, bem como causar insuficiência hepática se pegar o fígado. O câncer de pulmão também pode avançar para o sistema nervoso central ou coluna, podendo causar paralisia, lesões e deficiência de movimento.

Prevenção

Prevenção

A prevenção do câncer de pulmão metastático depende do tratamento do câncer inicial e quadro do paciente. Seguir as orientações médicas e manter o tratamento para o câncer inicial é a melhor forma de prevenir o câncer de pulmão metastático.

Fontes e referências

  • Artur Katz, oncologista e coordenador de oncologia clínica do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês
  • Junia Thirzah Gehrke, oncologista do Instituto de Câncer de Brasília (CRM DF 20039)
  • USA National Cancer Institute
  • Organização Mundial de Saúde.
  • American Cancer Society
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não