Leucocoria

Visão Geral

O que é Leucocoria?

Leucocoria significa “pupila branca” e ocorre quando a pupila, buraco preto redondo do olho ou “menina dos olhos”, fica branca ao invés do habitual preto. Esta condição pode indicar diversos problemas de saúde.

Causas

Muitas condições podem causar a leucocoria. Em crianças as causas mais importantes de leucocoria são catarata congênita e o retinoblastoma, sendo este um tumor maligno da retina. Outras causas da leucocoria podem ser descolamento de retina, retinopatia da prematuridade, má formação da retina, endoftalmite, anomalia vascular da retina e tumor intraocular.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Leucocoria

O tratamento da leucocoria é feito de acordo com a doença que for diagnosticada.

Diagnóstico e Exames

A leucocoria pode ser detectada apenas com a observação, sendo que em récem-natos é obrigatório o “teste do reflexo vermelho”ou “teste do olhinho”, que e feito pelo pediatra antes do bebe sair da maternidade. O diagnóstico precoce pode impedir a cegueira e, no caso de tumores, salvar a vida da criança. Em outras situações, ela pode aparecer somente em algumas circunstâncias como quando a pupila fica maior em ambientes escuros. A leucocoria também pode ser detectada por meio de fotografias já que a pupila da pessoa fica branca diante do flash da câmera ao invés de ficar vermelha.

Para detectar a leucocoria, o oftalmologista pode utilizar uma lanterna ou o oftalmoscópio, que também permite visualizar diretamente o interior do olho. O exame com dilatação pupilar é obrigatório nestes casos, para permitir uma análise mais aprofundada. Outros exames, como ultrassom ocular e tomografia computadorizada , podem ser realizados de acordo com as suspeitas.

Buscando ajuda médica

Todas as doenças que causam a leucocoria representam uma séria ameaça para a visão e algumas são até uma ameaça à vida. Por isso, é importante entrar em contato com o ginecologista assim que constatar leucocoria.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar uma leucocoria são:

  • Clínico geral
  • Pediatra
  • Oftalmologista

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando observou o problema pela primeira vez?
  • Foi afetado apenas um olho ou os dois?
  • Houve qualquer alteração na sua visão?
  • Quais outros sintomas você tem?
  • Há algum histórico familiar de doenças como catarata congênita ou retinoblastoma?
  • Você tem estrabismo?
  • Você fez alguma cirurgia nos olhos?

Fontes e referências

  • American Journal of Ophthalmology
  • Associação de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo dos Estados Unidos
  • Revisado por: Mário Motta, oftalmologista da Sociedade Brasileira de Oftalmologia - CRM 283757/RJ
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não