PUBLICIDADE

Distimia pode evoluir para depressão se não for tratada

Saiba mais sobre esse quadro crônico e como evitar complicações

A distimia corresponde a uma alteração crônica do humor, mas que não preenche os critérios necessários para ser considerada um quadro depressivo. Os pacientes com distimia apresentam uma alternância entre períodos de depressão e períodos em que se sentem relativamente bem. Na maioria do tempo, entretanto, sentem-se deprimidos, preocupados excessivamente e sobrecarregados; tudo é um esforço, e nada basicamente é desfrutado; apresentam pouca energia e pouca disposição, sentem-se cansados, com mau humor e irritados em graus variáveis; não obstante, são capazes de lidar com as exigências do dia a dia, como as responsabilidades domésticas e profissionais, mas sofrem uma queda na qualidade de vida.

Os estudos científicos demonstram que a distimia aumenta consideravelmente o risco de depressão. Uma pesquisa realizada por Akisal mostrou que 90% dos pacientes com distimia evoluem para um episódio de depressão maior. A maioria destes pacientes sequer sabe que está doente e que poderia ganhar qualidade de vida se estivesse em tratamento.

Tratamento é prevenção

A principal medida para evitar que a distimia se transforma em um quadro depressivo maior é o tratamento. Em medicina a principal medida é a preventiva, ou seja, agirmos antes que as tendências se transformem em doenças. Todos apresentam flutuações de humor que dependerão de inúmeras variáveis ? por exemplo condições do meio exterior, clima, estresse, excesso de informações, problemas circunstanciais, oscilações hormonais, condições de sono, perdas, ganhos, idade e outros. Se pudermos agir logo que os primeiros sintomas da distimia aparecem, o risco desta evoluir para depressão será muito menor.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os cuidados básicos para evitar a depressão compreendem prevenção do estresse, muita atenção aos hormônios, comorbidades (a presença de outras doenças associadas como distúrbios de ansiedade, compulsões, traumas e fobias), doenças orgânicas (hormonais por exemplo), obesidade, alterações da qualidade do sono, uso ou abuso de álcool e drogas. Todos estes fatores isolados ou somados irão facilitar o desencadeamento da distimia.

Referências

AKISKAL H S,et alii.Chronic depressions . 1981, pp 297-315