PUBLICIDADE

Sexo na terceira idade: dicas para estimular mais prazer na maturidade

O sexo na terceira idade é envolto por tabus sociais, mas é preciso superá-los para se experimentar os prazeres sexuais após o envelhecimento

Por Gabriela P. Daltro, Psicóloga Especialista em Sexualidade da Plataforma Sexo sem Dúvida (CRP 06/86668)*

Embora ainda cheia de tabus e preconceitos, a sexualidade na maturidade é não apenas possível como pode ser muito bem vivida. Em uma pesquisa sobre o comportamento sexual dos brasileiros realizada pelo Prosex foi possível observar que 87% dos homens e 51% das mulheres acima dos 60 anos afirmam manter uma vida sexual ativa.

Sexo na terceira idade ( LWA-Dann Tardif/Getty Images)
Sexo na terceira idade ( LWA-Dann Tardif/Getty Images)

A sexualidade é um aspecto presente em todas as idades e, mais do que a relação sexual, envolve a identidade, a orientação da atração sexual, a afetividade por meio de atos e também de pensamentos e a imaginação. Por isso, não importa qual a idade, a sexualidade vai ser sempre parte da vida.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O contato sexual e também todo o contato íntimo promovem sensação de prazer, relaxamento e manutenção do amor próprio. Além disso, uma vida sexual com prazer contribui para manter a saúde física, a disposição e o humor em dia.

Sexo e envelhecimento

As pessoas ainda veem a sexualidade na maturidade com estranheza, reservando a vida sexual ativa aos mais jovens. Para os homens, o principal tabu é a perda da ereção e da potência sexual e para as mulheres a perda da beleza: ambas situações ligadas a uma valorização da juventude. Esta depreciação do corpo do idoso é um dos fatores que gera a diminuição do sexo nesta faixa de idade.

Dificuldades para as mulheres

Para as mulheres, muitas vezes as dificuldades envolvem perda da vontade, do desejo sexual. Entre as causas físicas, as alterações hormonais, como as que ocorrem na menopausa, podem contribuir para diminuir a libido e dificultar relações com penetração, uma vez que a região íntima pode ficar mais sensível e provocar dor.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sentir vergonha do corpo pode prejudicar a mulher no sexo na terceira idade (Getty Images)
Sentir vergonha do corpo pode prejudicar a mulher no sexo na terceira idade (Getty Images)

Já as causas psicológicas tendem a estar mais presentes. O jeito como se encara o processo de envelhecimento, o desgaste do relacionamento com a parceria e a própria vergonha em sentir e admitir ter vontade de sexo nesta idade podem gerar bloqueios.

As dificuldades para os homens

Para os homens a diminuição da ereção e do vigor físico tendem a ser marcantes. As causas físicas vão desde perdas hormonais até diabetes e doenças cardíacas. Quanto ao psicológico, ao se dar conta de que não têm o mesmo desempenho de quando era jovem, o homem pode ter um bloqueio do interesse sexual, além de dificuldade em se abrir para novas e criativas formas de dar e receber prazer.

Sexo protegido sempre

Sexo seguro é sempre sexo protegido, para qualquer idade. O maior desafio na terceira idade é que os idosos não foram ensinados a fazer sexo protegido: muitos nunca usaram um preservativo na vida, por exemplo. Mudar este padrão e inserir o preservativo masculino ou feminino nas relações pode ser um grande desafio, mas é possível.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Realizar treinos só, experimentando o preservativo, é uma opção. Também é válido o uso de preservativos diferentes, com sabores e texturas variados para estimular a criatividade, o prazer e a excitação.

Dicas para apreciar o sexo na terceira idade

*Gabriela Pavani Daltro é psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com Extensão em Psicogerontologia (Terceira Idade) pela PUC-SP. Especialista em Sexualidade Humana pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Terapeuta de Casal pelo Ciclo-Ceap SP. Pós graduanda em Neurociências e Comportamento pela PUC-RS. Extensão em "Desfechos Negativos Associados ao Comportamento Sexual (Compulsão sexual, ISTs/AIDS, violência sexual) pelo Ambulatório de Impulso Sexual Excessivo do HC-FM-USP. Capacitação em Intimidade e Sexualidade do Casal pelo Relational Life Institute - Estados Unidos. Autora dos Livros Digitais: Prazer na Intimidade - Guia para Mulheres e Como ter Orgasmos Sempre. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana - SBRASH.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)