PUBLICIDADE

Depressão é maior entre quem come carne, gordura e açúcar em excesso

Pesquisa descobriu risco 1,4 vez maior de desenvolver a doença entre quem tem alimentação inflamatória

Já ouviu falar no ditado "você é o que você come"? A alimentação é mais do que uma forma de obter energia para o corpo, mas regula outros mecanismos dentro de nós. Um estudo que levantou dados de mais de 100 mil pessoas descobriu que quem come mais alimentos inflamatórios, como carnes, gordura e açúcar, tem mais chance de desenvolver depressão.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A pesquisa reuniu estudos feitos com 101.950 participantes entre 16 e 72 anos. Todos esses estudos obtiveram dados sobre hábitos alimentares e sobre sintomas de depressão. Eles descobriram que quem tinha uma alimentação rica em alimentos inflamatórios tinha 40% a mais de chance de desenvolver depressão.

Por isso, o estudo evidenciou a importância da alimentação anti-inflamatória, rica em frutas, legumes, verduras e oleaginosas, para prevenir e combater a doença. "Simplesmente mudar o que comemos pode ser uma alternativa mais barata às intervenções farmacológicas, que geralmente surgem com efeitos colaterais", disse Steven Bradburn ao site Medical Xpress.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O estudo foi feito na Universidade Metropolitana de Manchester, na Inglaterra.

Dieta inflamatória

O nutrólogo Roberto Navarro Sousa Nilo explicou: Usamos na nutrologia o termo dieta pró-inflamatória quando ingerimos uma alimentação excessiva em carne vermelha, leite integral e derivados como queijos amarelos e manteiga, embutidos como salame, mortadela, presunto, bacon, que são fontes de ômega 6 e também excessiva em frituras, açucares e doces, farinha branca (refinados) e refrigerantes e pobre em legumes e verduras, frutas, cereais integrais e gordura ômega 3. Esses alimentos promovem as citocinas pró-inflamatórias, que defendem o corpo de invasores mas podem ter ação excessiva.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De maneira inversa usamos o termo dieta anti-inflamatória uma alimentação rica em gordura ômega 3 (salmão, atum, sardinha, arenque, cavala, linhaça, oleaginosas), legumes e verduras, frutas, cereais integrais e fibras e controlada nas fontes de gordura ômega 6. Isso promove as citocinas anti-inflamatórias, que têm a missão de migrarem até a região do corpo onde a batalha está ocorrendo para controlar a potência da reação inflamatória e não permitirem uma autoagressão das citocinas pró-inflamatórias contra o nosso próprio organismo.

Entenda melhor no artigo que explica como a alimentação influencia a inflamação no organismo.