Fezes claras ou esbranquiçadas: tratamentos e causas | Minha Vida
PUBLICIDADE

Fezes claras ou esbranquiçadas: tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Fezes claras ou esbranquiçadas?

Fezes normais podem variar em tons de marrom, principalmente devido à dieta. Fezes claras ou cor de massa de vidraceiro não são normais. Se as fezes são pálidas, você pode ter um problema com a drenagem do sistema biliar, que é composta de sua vesícula biliar, ductos biliares, fígado e pâncreas.

PUBLICIDADE

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os sais biliares são liberados em suas fezes por seu fígado, deixando as fezes de cor marrom. Se o fígado não está produzindo bile suficiente, ou se o fluxo da bile é bloqueado, suas fezes serão pálidas.

Fezes claras de vez em quando pode não ser um motivo de preocupação. Se isso ocorrer com frequência, você pode ter uma doença grave. Você deve marcar uma consulta médica sempre que tiver fezes claras, a fim de afastar a suspeita de possíveis doenças.

O que é hepatite?

Causas

As causas possíveis para as fezes claras ou brancas incluem:

As causas mostradas aqui são comumente associadas a este sintoma – no entanto, podem não ter qualquer relação com o seu caso. Marque uma consulta médica para um diagnóstico preciso.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Últimas perguntas sobre Fezes claras ou esbranquiçadas

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Marque uma consulta médica se suas fezes estão claras ou brancas constantemente, mesmo com uma alimentação adequada.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar as causas de fezes claras ou brancas são:

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Referências

Revisado por: Marta Deguti, hepatologista do Centro de Gastroenterologia do Hospital 9 de Julho