Cinta pós-parto: prós e contras

Mães devem evitar usar cintas muito apertadas e por longos períodos

A escolha de uma cinta pós-parto não pode ser aleatória. Aliás, é fundamental decidir isso em conjunto com o obstetra. Alguns liberam, mas com ressalvas. Outros optam até por desestimular a utilização da cinta. Os especialistas explicam que, com o uso da cinta sustentando o abdômen, a musculatura fica sem trabalhar, sem esforço ou contração como tossir, espirrar, segurar o bebê, levantar, andar ou evacuar.

"E o abdômen fica ainda mais flácido porque ficou imobilizado por um tempo", diz Patrícia Toniolo Varella Costa, ginecologista e obstetra pela Universidade Federal de São Paulo (USP).

Para o ginecologista Mauricio Abrão, da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo, a recomendação pode ser específica para mulheres que foram submetidas ao parto cesárea. "Ainda assim nos primeiros sete dias, em momentos que a paciente vai fazer alguma movimentação maior como se locomover até o consultório", comenta.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Já o ginecologista e obstetra Alberto Guimarães, mestre pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), alerta que é essencial evitar modelos muito apertados com uso contínuo. Por isso, o modelo e tipo de material também devem bem avaliados.

Para facilitar, apresentamos alguns prós e contras para o uso da cinta pós-parto, indicados pelos próprios especialistas.

PRÓS: Pode trazer mais conforto à paciente

Esse é o fator por que muitas mulheres optam pela cinta e ela está liberada nos primeiros dias pós-parto. Apenas evite usá-la rotineiramente e aposte em um modelo que seja fácil de colocar e retirar.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

PRÓS: Indicada para movimentações maiores

Para garantir mais segurança à mulher, pode ser usada em situações que exigem uma movimentação maior, ou seja, períodos em que ela irá se locomover por mais tempo.

PRÓS: Modelos que envolvam toda a região

Ao escolher o modelo, opte por aquele tipo bermuda que envolve o abdômen e o culote. Ele garante maior sustentação e não aperta a barriga. Outra dica é apostar em modelos de elastano que são mais ajustáveis e causam conforto, sem apertar demais.

CONTRA: Há modelos que comprimem demais

O uso da cinta apertada não ajuda a reposicionar a musculatura, por isso outras opções podem substituir a cinta como: calcinhas maiores e mais firmes no abdome, sutiã de sustentação para amamentação e, se o útero distendeu demais, uma faixa de neoprene com velcro ajustável pode ajudar mais na recuperação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

CONTRA: Pode piorar a flacidez abdominal

A musculatura fica em repouso e atrofia, e o desejo de usar a cinta para a barriga ficar firme acaba sendo frustrado. Ela pode aumentar a flacidez abdominal, pois provoca retardo na recuperação da musculatura abdominal.

CONTRA: Não ajuda na recuperação pós-parto

Os artigos científicos mostram que o uso de cinta pós-parto não ajuda fisiologicamente. Portanto, use apenas se for para se sentir mais confortável e segura em algumas situações, sem imaginar que a cinta fará "milagres" na recuperação do abdômen. Além disso, ela também não influencia na recuperação pós-parto.

CONTRA: Não ajuda na recuperação pós-parto

Os artigos científicos mostram que o uso de cinta pós-parto não ajuda fisiologicamente. Portanto, use apenas se for para se sentir mais confortável e segura em algumas situações, sem imaginar que a cinta fará "milagres" na recuperação do abdômen. Além disso, ela também não influencia na recuperação pós-parto.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)