Saúde
Saúde

  • Saúde geral
  • Exames
  • Contracepção
  • Emagrecer
  • Imunidade
  • Plantas medicinais
  • Sono
  • Vacinas

  • doenças
  • Condições & Sintomas
  • Medicamentos & Tratamentos
Alimentação
Alimentação

  • Alimentação geral
  • Bebidas
  • Nutrientes
  • Plano alimentar
  • Suplemento

  • receitas
  • ingredientes
Beleza
Beleza

  • Beleza geral
  • Cabelo
  • Corpo
  • Maquiagem
  • Pele
  • Procedimento
  • Rosto
  • Unhas
Fitness
Fitness

  • Fitness geral
  • Esporte
  • Exercício
Família
Família

  • Família geral
  • Bebês
  • Gravidez
  • Amamentação
  • Crianças
  • Alimentação infantil
  • Fertilidade
  • Maternidade
Bem-Estar
Bem-Estar

  • Bem-estar geral
  • Comportamento
  • Cuidados com a casa
  • Relacionamento
  • Sexo
  • Vícios

Canais especiais
Canais especiais

  • Sinais Raros
  • Especial Queda e Afinamento Capilar
  • Especial Coronavírus
  • Especial Doação de Sangue
  • Especialistas
  • Quem somos
  • Políticas
  • Trabalhe conosco
  • Anuncie aqui
  • Fale conosco
  • Termos de Uso
  • Aviso Legal
  • Uso de Dados
  • Resposta do especialista

    O que é depressão pós parto?

    Especialista consultado Dra. Evelyn Vinocur Psiquiatria CRM 303514/RJ

    Doutora em Pediatria graduada em 1978 (Universidade Federal Fluminense - UFF), Especialista em Pediatria PUC-RIO; Especi...

    i
    Respondido em 14 de novembro de 2016

    Depressão pós-parto Conceito: A depressão pós-parto é um transtorno psíquico que pode surgir logo após o nascimento do bebê ou até os seus 6 meses. Pode acometer qualquer mulher após o parto, com ou sem motivo aparente. Classificação: Ela pode ser classificada em graus que variam de leve e transitória à graus mais severos, podendo até evoluir para um quadro psicótico, a Psicose Puerperal, que necessita de tratamento médico urgente e por vezes até de internação imediata. Prevalência: A Depressão pós-parto é uma situação clínica relativamente frequente e pesquisas recentes feitas no Brasil encontraram uma prevalência de 12-20% de Depressão pós-parto, número muito parecido em outros países do mundo. Já nas adolescentes, foi verificada prevalência entre 16% e 44%, quase duas vezes mais elevada que nas gestantes adultas, o que pode estar relacionado à falta de maturidade afetiva e de relacionamentos dessas pacientes, bem como ao fato de grande parte delas terem que abandonar seus estudos em razão da maternidade. O parto: O parto é um marco na vida da mulher, e possivelmente por isso, sintomas psiquiátricos sejam vistos tão frequentemente após o mesmo. Ainda, é um momento marcado por alterações hormonais, mudanças no corpo, no caráter social, na organização familiar, na própria identidade feminina, entre outros. Sintomas: As manifestações psíquicas mais comuns no pós-parto, são: o blues ou tristeza materna, a depressão pós -parto e a psicose pós-parto. Blues: Emoções fortes após o parto, o chamado “baby blues”, são normais. A tristeza materna é autolimitada, a tristeza é passageira e aparece cerca de 3 dias depois do nascimento do bebê e dura aproximadamente de 5 a 15 dias no máximo, após o parto. Tem uma incidência de 50 a 80%, e é considerada fator de risco para depressão no primeiro ano após o parto. Depressão Pós-parto: Começa algumas semanas depois do nascimento da criança e deixa a mulher incapacitada para as atividades diárias. Na depressão pós-parto a tristeza, ansiedade, o vazio de sentimentos etc., não desaparecem e interferem na rotina do dia-a-dia, com sintomas de leves a graves. A maioria das mães melhoram com o tratamento. Os sintomas mais comuns associados à depressão pós-parto são tristeza, irritabilidade, fadiga, insônia, perda de apetite e ansiedade, e podem romper o vínculo positivo mãe-bebê e até afetar negativamente o crescimento do recém-nascido. Algumas mulheres não falam sobre os seus sintomas. Sentem-se embaraçadas, envergonhadas ou culpadas por se sentirem deprimidas quando era suposto sentirem-se felizes além de terem medo de serem vistas como más mães. Em geral são depressões moderadas. Psicose Pós-parto: Ao contrário, a psicose pós-parto é relativamente rara, com incidência de 0,1 a 0,2%, e ocorre tipicamente dentro das quatro primeiras semanas após o parto, constituindo-se em emergência médica clássica, já que a mãe pode ouvir vozes, inclusive vozes imperativas ordenando que ela faça mal ao bebê (asfixiá-lo, afogá-lo, jogá-lo da janela, enforcá-lo, etc.). Mulheres com transtorno bipolar ou esquizofrenia correm maior risco de sofrer de psicose pós-parto. +Depressão Maior associada: Se persistir ou intensificar a tristeza materna, muito cuidado, pois ela pode estar se desenvolvendo para um quadro mais grave, a Depressão Maior, com duração de pelo menos 2 semanas e com no mínimo cinco dos seguintes sintomas: humor deprimido, falta de prazer em tudo (anedonia), mudanças significativas no peso e ou apetite, insônia ou hipersônia, agitação ou retardo psicomotor, diminuição da libido, fadiga, sentimentos de inutilidade e ou culpa, medo excessivo de machucar o bebê, ideias obsessivas, alteração do comportamento, capacidade diminuída de pensar e de se concentrar, indecisão e pensamentos recorrentes de morte. Causas da Depressão Pós-parto: Todos os sintomas associados ao humor e às emoções são multideterminados, ou seja, não têm uma causa única. Podem não ter causa aparente. Mulheres que tiveram depressão antes da gravidez, tem um risco maior de terem depressão pós-parto. Mesmo que elas já tenham tratado da doença, ainda sim, há um risco que a doença volte, e dessa vez como depressão pós-parto. Tratamento: Deve-se avaliar cada caso com muita atenção, a fim de se estabelecer a melhor estratégia de tratamento para cada situação em particular, e da maneira mais precoce. Os tratamentos podem incluir: tratamento psicofarmacológico, psicossocial, psicoterápico, tratamentos hormonais, além da eletroconvulsoterapia (ECT), indicada para casos mais graves ou refratários a outras formas de tratamento. A maioria das intervenções psicossociais e hormonais tem-se mostrado pouco eficiente. Já a Psicoterapia interpessoal, a Terapia cognitivo comportamental e as intervenções Psico farmacológicas tem se mostrado eficientes. -Uso de Psicofármacos na gestação e lactação: É uma decisão complexa e que envolve uma interação constante entre paciente, família, obstetra e psiquiatra. Estabelecer uma aliança terapêutica é fundamental. A confiança que a gestante deposita em seus médicos certamente minimizarará qualquer percalço, principalmente os efeitos colaterais que podem ocorrer durante o tratamento. Essa decisão sempre deve levar em conta, como sua mola mestra, a relação risco-benefício. Os medicamentos mais usados são: -os antidepressivos, em geral os inibidores seletivos de recaptação da serotonina como a fluoxetina, sertralina e citalopram - risco B, -os antipsicóticos, em geral o haloperidol, a levomepromazina e a clorpromazina - risco B -a risperidona - risco C. Uso na amamentação: -os fármacos mais estudados e que parecem ter os menores riscos são a sertralina, a paroxetina e a sulpirida. Riscos possíveis: Os possíveis riscos envolvem toxicidade fetal, considerando-se a morte intra-uterina, malformações físicas, prejuízo de crescimento, teratogenicidade comportamental e toxicidade neonatal. *Entretanto, algo que deve ser ressaltado com veemência à gestante é que o fato de não tratar poderá trazer muito mais danos ao feto, pelo que haverá, devido ao estresse, efeito sobre o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, com aumento de cortisóides, que causam vários outros danos à criança.

    Especialista consultado Dr. Carlos César Petruy Psicologia CRP 08/15211/PR

    Graduado em psicologia pela Faculdade Evangélica do Paraná, com formação em EMDR pelo Instituto Ibero America, na área e...

    i
    Respondido em 14 de novembro de 2016

    A depressão pós parto (salvo melhor juízo) apresenta uma queda do estado de humor da puérpera, que ocorre após o nascimento do bebê devido a um déficit da produção de certas endorfinas.Geralmente, é mais comum após a segunda gestação e deve merecer de todos os cuidados especiais a fim de que se restabeleça a qualidade de vida da puérpera, assim como a do bebê o mais breve possível.A prevenção é sempre o melhor método a ser utilizado para evitar esta situação.O acompanhamento pré natal com o seu ginecologista é de suma importância, considerando prevenir qualquer adversidade e manter a qualidade gestacional favorável.A depressão é causada pela falta de produção de certas substâncias químicas, chamadas de neurotransmissores, produzidas em regiões específicas do cérebro, deixando a pessoa sem ânimo e inerte para qualquer atividade, é muito séria.A alimentação é um fator preponderante, orientações de um(a) nutricionista são de suma importância, principalmente alimentos ricos em ômega 3, mas será este profissional que irá informar e orientar.Atividade física orientada por um(a) profissional da educação física especializado nesta área também é outro fator muito importante.Atenciosamente,

    Respostas relacionadas ao mesmo tema
    Paloma perguntou

    Queria orientação sobre um anticoncepcional que não engorde, evite espinha, não provoque trombose?

    Para quem já tem problemas circulatórios, uso de hormônio não é aconselhado. Mas o anticoncepcional não é um vilão. O hormônio deve ser utilizado com orientação de um ginecologista e a mulher, que precisa fazer uso, deve tomar a dosagem de acordo com...

    [ Continuar lendo ]
    1 Pessoa perguntou

    Posso combinar o suco da aloe vera (babosa) em jejum ja que uso lazomprazol de 30mg todos os dias tambem em jejum??

    Use em tempos diferentes porque é melhoe.Mesmo produtos chamados naturais podem interferir com medicamentos.

    1 Pessoa perguntou

    Venho fazendo uso do suco da babosa para tratamento do refluxo, mais algumas semanas venho tendo dores de cabeça! Pode ser a Babosa?

    É difícil afirmar que a Babosa cause as dores de cabeça, mas recomendo que suspenda a ingestão do suco e verifique se melhora a dor.

    Publicidade

    Veja também

    Publicidade
    Publicidade

    Matérias relacionadas

    Mulher de máscara em estação de metrô.

    COVID: 5 sinais de que você pode ter tido a doença sem saber

    Cirurgia plástica no SUS

    Cirurgias plásticas pelo SUS: quais são e como conseguir?

    Mulher deitada na cama segurando uma bolsa de água quente para aliviar cólicas menstruais

    Espanha aprova projeto para licença menstrual remunerada

    Mulher sentada no sofá, doente, verifica sua temperatura corporal

    Pegar COVID até três vezes no ano pode ser comum, diz estudo

    Enfermeira aplicando vacina em mulher idosa

    Vacina da gripe pode reduzir em 34% riscos cardiovasculares

    Foto ampliada de mulher tirando calcinha cor de rosa

    EUA aprovam calcinha protetora para sexo oral

    Mais conteúdos