PUBLICIDADE

Obesidade pode aumentar o risco de linfoma não-Hodgkin

Já frutas e vegetais ajudam a prevenir o câncer

Maus hábitos alimentares e excesso de peso podem estar relacionados ao risco de desenvolver linfoma não-Hodgkin, diz um estudo feito pela da Harvard School of Public Health, nos Estados Unidos. Segundo os pesquisadores, as causas da doença ainda são pouco conhecidas, mas o estudo mostrou que a boa alimentação e o controle do peso ajudam na prevenção.

O câncer no sistema linfático é uma doença que ataca os gânglios linfáticos e está cada vez mais comum em países desenvolvidos. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), a cada ano, aproximadamente 10 mil novos casos de linfomas não-Hodgkin são registrados no Brasil.

Participaram do estudo aproximadamente 50 mil homens durante 22 anos e 100 mil mulheres pelo período de 28 anos. Todos os voluntários responderam a um formulário com perguntas sobre hábitos alimentares, peso corporal e estilo de vida. Os pesquisadores observaram que a obesidade entre os 18 e 21 anos aumenta em 64% o risco de a doença aparecer após os 30 anos em homens. Nas mulheres, esse aumento é de 19%. Além do peso elevado, os autores do estudo também encontraram uma relação entre a ingestão de gordura trans com os riscos do aparecimento do linfoma.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Ainda em relação à dieta, o estudo mostrou que mulheres que consumiam pelo menos quatro porções de vegetais por dia tinham um risco 16% menor de ter a doença do que aquelas que comiam menos de duas porções.

Associação dedica luta contra o câncer de sangue

Linfoma não-Hodgkin

Mesmo com cada vez mais informações sobre o câncer no sistema linfático, algumas dúvidas ainda podem prejudicar o tratamento de pessoas que sofrem com essa doença. A hematologista Jane de Almeida Dobbin, chefe do Serviço de Hematologia do Instituto Nacional do Câncer esclarece algumas dúvidas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Qual é a diferença entre o linfoma de Hodgkin e o linfoma não-Hodgkin?

"A única diferença entre esses dois tipos de linfomas é que o de Hodgkin apresenta células reed-sternberg, enquanto o segundo caso não. Parece pouco, mas essa pequena diferença muda drasticamente o tipo de tratamento a ser usado no paciente", diz a hematologista Jane de Almeida Dobbin chefe do Serviço de Hematologia do Instituto Nacional do Câncer.

Quem tem casos na família precisa se preocupar?

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De acordo com a hematologista Jane Dobbin, esse tipo de linfoma não é hereditário. É bastante difícil, mas não impossível, encontrar duas pessoas na mesma família que sofreram com a doença.

Quais são as chances de cura?

Enquanto os linfomas de Hodgkin têm chance de cura de aproximadamente 75%, o grande número de tipos de linfomas Não-Hodgkin faz com que as chances de cura varie muito. "Além disso, as chances de cura variam de acordo com alguns outros fatores, como idade, anemia e quantidade de linfonodos afetados, que são específicos para cada paciente", explica a hematologista.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

As chances de cura podem variar de zero, quando o linfoma é indolente, até aproximadamente 90%, quando ele é classificado como agressivo.

"Quando o linfoma é agressivo as chances de cura são maiores. Nos casos em que as chances chegam perto de zero, a sobrevida dos pacientes pode ser de várias décadas de vida e praticamente não há sintomas na época do diagnóstico", diz Jane Dobbin.