Deficiência em vitamina D pode aumentar o risco de fraturas

Chances de traumas sobem 77% em pessoas com baixos níveis do nutriente

Uma nova pesquisa feita pelo Departamento de Cirurgia Ortopédica da Universidade de Missouri (EUA) aponta que pessoas com deficiência em vitamina D podem ter até 77% mais chances de sofrerem fraturas e traumas ortopédicos. Os pesquisadores analisaram os registros médicos de 1.830 adultos a partir dos 18 anos que deram entrada no Serviço de Trauma Ortopédico da universidade, entre janeiro de 2009 e setembro de 2010.

Os participantes com os níveis de vitamina D abaixo de 20ng/mL foram classificados como "deficientes", e aqueles com níveis entre 20 e 32ng/mL, "insuficiente", sendo que níveis entre 40 e 70ng/mL são considerados saudáveis. Os autores do estudo descobriram que 39% dos pacientes com fraturas ortopédicas eram deficientes em vitamina D e 38,4% apresentaram níveis insuficientes do nutriente.

Além disso, pacientes com idades entre 18 e 25 anos tinham os níveis mais baixos de vitamina D do que qualquer outra faixa etária. Os especialistas afirmam que esses resultados mostram que os médicos deveriam considerar incluir a suplementação de vitamina D no tratamento de pacientes com fratura, além de intensificar a orientação sobre alimentação adequada.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Aprimore o consumo de vitamina D com sete alimentos

A vitamina D, conta a nutricionista Débora Almeida da Silva, de São Paulo, ajuda no combate à hipertensão, no controle de peso e na prevenção da osteoporose, já que é fundamental para a manutenção do metabolismo do cálcio e, logo, no desenvolvimento ósseo.

A principal fonte dessa vitamina é a luz solar, que estimula a produção da vitamina por nossa pele. A obtenção pela luz do sol é preferível porque, como explica Adriana, os alimentos que contêm quantidades consideráveis de vitamina D também são ricos em gorduras e, por isso, deve-se tomar cuidado com o consumo. A recomendação diária varia de acordo com a idade:

- Bebês de 0 a 1 ano: 400 a 1000UI/dia;

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

- De 1 a 18 anos: 600 a 1000UI/dia;

- Adultos e gestantes (população geral e de risco): de 600 a 2000UI/dia.

Confira abaixo alguns alimentos que possuem vitamina D, de acordo com a USDA National Nutrient Database for Standard Reference, e alguns conselhos de consumo:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Sardinha e atum em lata

Prática, a sardinha e o atum enlatado são uma das principais fontes de vitamina D vindas da alimentação, contando com, 4,8mcg e 6,7mcg a cada 100g, respectivamente. Para aproveitar esses benefícios de forma saborosa, a nutricionista Ana Flor Picolo, de São Paulo, sugere usá-los no preparo de tortas, saladas, farofas e sanduíches.

Fígado de boi

Embora essa parte do boi não seja apreciada por alguns, é fonte de vitamina D, apresentando 0,8 mcg a cada bife de, aproximadamente, 68g. A nutricionista Ana Flor Picolo aconselha que o bife seja consumido grelhado ou cozido, já que frito agregará mais gorduras.

Ovos

Esse alimento é rico em vitamina D, contando com 1,1 mcg a cada unidade grande. Para aproveitar ao máximo os nutrientes, a nutricionista Ana Flor Picolo recomenda o consumo do ovo fresco - o famoso ovo caipira -, porque a galinha produtora deste ovo não ingere hormônios, mantendo os nutrientes de seus ovos. Mas sem frituras: prefira ovos mexidos ou cozidos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Queijo cheddar

Esse tipo de queijo complementa a sua dieta quando o assunto é vitamina D. Cada 100g tem 0,6 mcg do nutriente. No entanto, com o processo industrial, é inevitável que ele perca parte de suas propriedades, como acontece com aquelas bisnagas prontas para o uso em lanches. Por isso, prefira os que passaram pelo menor processo de industrialização, como queijos cheddar artesanais, vendidos em rotisserias.

Juntando com o atum, que também é fonte da vitamina, em um pão com gergelim rende um delicioso sanduíche natural. A nutricionista Ana Flor Picolo aconselha que não se use produtos industrializados em seu preparo.

Manteiga

Melhor amiga do pãozinho, a manteiga é uma das opções para aprimorar seu consumo de vitamina D diária. 100g de manteiga tem 1,5 mcg. Mas, atenção: o tão querido pão na chapa não é o modo de preparo mais saudável, já que, quando aquecidas, as gorduras ficam saturadas. O processo de aquecimento também compromete as vitaminas. Por isso, prefira consumi-lo fresco, junto a um pão integral, já que as fibras melhoram a absorção de nutrientes.

Iogurte

Além de ser uma delícia, o iogurte dá aquela forcinha na ingestão de vitamina D diária - a versão desnatada conta com 0,1 mcg a cada 100g. A nutricionista Ana Flor Picolo lembra que ele vai muito bem com frutas, em molhos de salada ou em vitaminas com grãos integrais (como gergelim e aveia). O preparo de bolos e tortas com iogurte, alerta ela, deve ser evitado, já que o valor calórico do bolo é maior do que de outros preparos, como os já citados.

Óleo de fígado de bacalhau

Para turbinar o consumo de vitamina D, cápsulas de oléo de fígado de bacalhau são ótima opção, já que concentram grandes quantidades da vitamina. Para que se tenha noção, 100g de óleo de fígado de bacalhau tem 250 mcg de vitamina D. É de costume ingeri-la com água durante as refeições.