Vacina russa é segura e induz resposta imune, diz estudo

Mesmo com limitações, a pesquisa inicial sobre a Sputnik V demonstrou resultados positivos contra o novo coronavírus

Apontada como uma das apostas mais promissoras contra o novo coronavírus, a vacina russa, chamada de "Sputnik V", se mostrou segura e eficaz, de acordo com um estudo preliminar publicado na revista científica The Lacet.

Segundo o relatório divulgado nesta sexta-feira (04), a imunização desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, em Moscou, conseguiu induzir resposta imunológica nos voluntários que participaram dos testes, sem causar efeitos adversos de risco.

O trabalho apresenta com mais detalhes os dados sobre a vacina, que até então não haviam sido divulgados de forma mais ampla para o resto do mundo. Apesar dos resultados, o estudo indicou a necessidade de mais testes para comprovar a eficácia da vacina.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Vacina russa contra a COVID-19

O estudo se refere às fases 1 e 2 da pesquisa que avaliou a vacina russa. Para a elaboração dos ensaios clínicos, os pesquisadores testaram, de forma não randomizada, doses do imunizante contendo dois tipos de adenovírus em 76 voluntários.

Os participantes, segundo o estudo, eram pessoas de 18 a 60 anos. Podiam ser indivíduos saudáveis e que não haviam sido contaminados com o SARS-CoV-2, mas também indivíduos que tiveram COVID-19 ou contato com pacientes contaminados anteriormente.

De acordo com o trabalho, a vacina utiliza a técnica de enfraquecimento de adenovírus - grupo de vírus que, normalmente, são os causadores de doenças respiratórias, como gripe e bronquite.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Nela, são usados dois adenovírus (Ad26 e Ad5) que causam resfriado em humanos e que foram geneticamente modificados para estimular a produção de anticorpos contra uma proteína presente na superfície do coronavírus.

Assim, para as fases 1 e 2 da vacina russa, um grupo recebeu doses do adenovírus Ad26 e outro, do Ad5. Diferente de outras pesquisas, o estudo envolvendo a Sputnik V não utilizou placebos.

Segundo o relatório, após a aplicação das vacinas, as formulações demonstraram ser seguras com resultados positivos. Isso porque os voluntários começaram a demonstrar respostas imunes em seus organismos após receberem as doses da Sputnik V.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Ao analisarmos os IgGs específicos do antígeno, a taxa de soroconversão foi de 100% para ambas as formulações de vacina nos dias 28 e 42 do estudo. Analisando as respostas de anticorpos neutralizantes, a soroconversão foi de 100% no dia 42 do estudo para ambas as formulações de vacina", diz o relatório sobre a produção de anticorpos.

Em um prazo de 28 dias, os pesquisadores também citaram a produção das chamadas células T - "células de memória" do corpo que são capazes de matar e reconhecer um agente patógeno por anos. Além disso, os efeitos adversos das vacinas se mostraram leves, envolvendo dores de cabeça, perda de força, dores musculares e febre.

Limitações do estudo

Embora promissor, o estudo apresenta entraves que os próprios pesquisadores apontam no relatório. De acordo com os cientistas envolvidos no projeto, o espaço curto para os resultados (42 dias), a participação exclusiva de homens, o não uso de placebos e o número reduzido de voluntários deixam a pesquisa limitada.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os testes para a fase 3 já foram aprovados e devem acontecer com 40 mil voluntários de diferentes idades e grupos de risco. Assim, a estimativa é que a comunidade científica consiga novos dados para evidenciar se, de fato, a vacina russa pode ser considerada eficaz no combate ao coronavírus.

Coronavírus: o que se sabe

COVID-19: vacina do Butantan tem resultado seguro em testes

COVID-19 pode deixar sequelas no coração de assintomáticos

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Crianças pequenas têm maior carga de coronavírus, diz estudo