PUBLICIDADE

Coceira na vagina: o que pode ser, causas, como aliviar e pomadas

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Visão Geral

O que é Coceira vaginal?

A coceira vaginal é um sintoma que pode ser causado por uma irritação ou infecção no local.

Entre os quadros clínicos que levam ao aparecimento da coceira vaginal, podemos destacar a menopausa, vaginoses e uso de produtos na região íntima que desencadeiam processos alérgicos.

Causas

Candidíase vaginal

A vagina possui uma série de micro-organismos, como bactérias e fungos, que garantem seu pleno funcionamento naturalmente. No entanto, se algum desses micro-organismos se aloja na vagina e passa a se desenvolver, ocorre o desequilíbrio da flora vaginal e temos uma infecção.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

É o caso da candidíase, por exemplo. Além de coceira na vagina, outros sintomas que vêm junto são ardência, irritação, corrimento e outros.

Além da candidíase, a infecção vaginal por fungo ou bactéria pode ser causada por:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Menopausa

A diminuição da produção de estrógeno que ocorre na menopausa pode fazer com que as paredes vaginais fiquem mais finas e secas.

Isso pode causar coceira, irritação e às vezes até ardência. Esse problema também pode acontecer em mulheres que estão amamentando.

Irritantes químicos

Substâncias químicas, incluindo cremes, duchas, preservativos, espumas, contraceptivos, detergentes, sabonetes, papel higiênico perfumado e amaciantes podem irritar e provocar coceira vaginal

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Líquen plano

O líquen plano é condição rara, que causa a formação de manchas brancas e finas sobre a pele, especialmente ao redor da vulva.

As manchas podem se transformar em cicatrizes permanentes na área vaginal. Mulheres na pós-menopausa têm maior probabilidade de desenvolver esta condição.

Fatores de risco

Doenças e quadros que desencadeiam a coceira vaginal podem ocorrem com maiore chances em pessoas que:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Diagnóstico de Coceira vaginal

O diagnóstico para a causa da coceira vaginal é feito com base no seu histórico médico e um exame físico. Se for o caso, o médico pode procurar por sinais de fungos ou vírus fazendo alguns exames:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Buscando ajuda médica

Vá ao médico imediatamente se:

Marque uma consulta se você:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os profissionais de saúde que podem diagnosticar e tratar uma infecção vaginal por fungo incluem:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Na consulta médica

Estar preparada para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo, para que você consiga fazer outras perguntas ao médico. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

Se essa é a primeira vez que você apresenta coceira na vagina, o médico irá avaliar a secreção da sua vagina. Evite o uso de tampões ou duchas antes da consulta, para que o seu médico consiga avaliar o corrimento na vagina.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Coceira vaginal

A coceira vaginal se cura por conta própria muitas vezes. No entanto, se o sintoma persistir, é grave ou volta após o tratamento, marque uma consulta ginecológica para fazer exames.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Em casos que a coceira vaginal não se cura sozinha, o tratamento depende da causa do sintoma. Veja alguns deles:

Em jovens, é importante relatar qualquer coceira, ardor, irritação ou a um prestador de cuidados de saúde, pois estes sintomas podem ser sinais de abuso sexual.

Medicamentos para Coceira vaginal

A coceira na vagina pode ter diversas causas, de modo que o tratamento varia de acordo com o diagnóstico estabelecido pelo médico. Por isso, somente um especialista capacitado pode dizer qual a pomada ou o remédio mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Os medicamentos mais comuns no tratamento de coceira vaginal são:

Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Prevenção

Prevenção

Produtos adequados para a região íntima

A higienização excessiva ou diminuída da área íntima pode levar a irritações e coceira na vagina porque altera a camada de gordura protetora da região, fundamental para manter a hidratação da pele e proteger a microflora bacteriana vulvar.

Além disso, a vagina tem um pH ácido, ao passo que os sabonetes normais possuem pH alcalino ou neutro, e usá-los poderia causar alterações dessa natureza na flora vaginal, prejudicando as bactérias da área e favorecendo irritações.

Perfumes também podem ser irritantes, mesmo com um sabonete íntimo adequado para a área, por isso os produtos devem ser os mais neutros possíveis.

O correto é fazer a higiene da área pelo menos uma vez ao dia, usando apenas a espuma e o produto que mais atende suas necessidades - lembrando que quanto mais próximo do neutro, em questões de odores e pH, melhor.

Evite também almofadas ou papel higiênico perfumado, cremes com cheiro forte, banho de espuma e duchas.

Roupas íntimas de algodão

Outra causa de alergia e coceira na vagina muito comum é o tecido da roupa íntima, que está em contato direto com a vulva.

O melhor tecido vai variar de acordo com o organismo da mulher, mas os mais recomendados para uso diário são algodão ou seda, sem tingimentos.

Os tecidos que favorecem as irritações são os sintéticos, renda e elastano.

Outra questão importante é o pH vaginal, que pode ser alterado dependendo da lingerie usada, causando alergia.

Os tecidos alergênicos também podem prejudicar a respiração da área, favorecendo a transpiração e causando vermelhidão e coceira.

Atenção ao absorvente

Mulheres podem desenvolver irritações e alergias ao absorvente externo, desde que este apresente odores fortes ou que ela seja mais sensível as propriedades dos absorventes.

Aqueles que não levam algodão na cobertura pedem mais alerta, pois abafam a região com mais facilidade.

Após constatar que a irritação é pelo uso do absorvente, deve-se tentar trocar a marca do produto ou então buscar alternativas, como o absorvente interno e o copo menstrual.

Dependendo da gravidade da alergia, outra alternativa é a interrupção da menstruação, que deve ser pensada junto a um ginecologista. Para todos os produtos, o melhor é obedecer o tempo de troca e manter a região limpa.

Em alguns casos, a alergia pode estar sendo causada pelo plástico que constitui as abas do absorvente externo. Nesse caso, a simples substituição pela versão sem abas pode minimizar a coceira na vagina.

Em caso de dúvida, converse com seu ginecologista e peça exames laboratoriais para identificar qual a razão da alergia.

Depilação na área íntima pede cuidados

A depilação em si - seja com ceras ou lâminas -, deixa a pele da vulva com poros entreabertos ou até mesmo com pequenas fissuras, favorecendo infecções.

Por isso, afirma a especialista, é importante focar nos cuidados pré e pós depilação. Higienizar bem a área antes e lavar e usar produtos calmantes logo após o procedimento são fundamentais para evitar irritações.

No caso de uma reação intensa pós depilação, lave bem a área, use chás de camomila e procure seu ginecologista caso não houver melhora. Também é importante que todo o material seja descartável e de uso pessoal.

Na depilação da área íntima, é recomendado preservar uma faixa de pelo com 2 cm em média, pois os pelos protegem a área, evitando o atrito direto com roupas e absorventes.

Higiene nas relações sexuais

A coceira na vagina e algumas irritações na área podem surgir após uma relação sexual. Isso acontece no geral pela falta de higiene da mulher ou do parceiro, bem como a falta de camisinha.

O atrito da relação sexual pode causar pequenas fissuras na pele, favorecendo uma irritação, e falta de higiene antes do ato sexual aumenta as chances de uma contaminação.

O uso da camisinha durante as relações sexuais pode diminuir esse atrito ou mesmo o contato com micro-organismos que estejam presentes no corpo do parceiro.

O que não fazer

Evite roupas íntimas com elástico apertado

O uso de elástico apertado é desaconselhável, pois provoca desconforto e traumatismos constantes.

O elástico muito apertado da roupa íntima causa atrito com a pele, resultando em manchas escuras ou até mesmo varizes e celulite, além de favorecer uma irritação.

Roupas íntimas muito apertadas também prejudicam a ventilação local, aumentando as chances de coceira na vagina.

Evite calças muito apertadas

Diversas são as infecções causadas por bactérias ou fungos que podem ser provocadas pela dupla roupa apertada e suor, como a candidíase.

Calças apertadas e com tecidos pesados, como o jeans, causam aumento da umidade e do calor na área íntima, tornando o ambiente ideal para a proliferação desses micro-organismos.

Não use absorvente diários

Seguindo a mesma lógica das roupas apertadas, o uso de absorventes diários também é uma das causas de irritação e coceira na vagina.

O produto irá causar um abafamento na área íntima, que irá suar mais e será alvo fácil de micro-organismos, provocando irritação e corrimentos.

Referências

Revisado por: Sueli Raposo, ginecologista do laboratório Pasteur - CRM SP 40343

Ministério da Saúde