Dificuldade para dormir

Visão Geral

O que é Dificuldade para dormir?

Sinônimos: incapacidade de dormir

A dificuldade para dormir é caracterizada pela dificuldade em iniciar ou manter o sono e pela sensação de não ter um sono reparador durante pelo menos um mês causando prejuízo significativo na vida do indivíduo.

A grande maioria dos casos de dificuldade de dormir se caracteriza pelo aumento da latência do sono, ou seja, aumento do tempo que o indivíduo demora para iniciar o sono.

Alguns pacientes com dificuldade para dormir queixam-se na realidade da qualidade de seu sono, ou seja, mesmo dormindo uma quantidade de horas considerada satisfatória, estes indivíduos têm a sensação de que o sono não foi reparador.

A quantidade ideal de horas de sono é uma característica individual. A maioria das pessoas sente-se satisfeita após cerca de 7 a 8 horas de sono, porém o que define se a pessoa dormiu satisfatoriamente é o estado em que ela se encontra no dia seguinte.

A dificuldade em adormecer ou manter um sono contínuo aparece com o estresse ou se há alguma ameaça na cabeça. É um problema que atinge cerca de 30% da população mundial.

Causas

A dificuldade para dormir também pode ser um sintoma ou efeito colateral de outro problema. Esse tipo de insônia é frequentemente sintoma alguns tipos de problemas de causas internas, como doenças emocionais, neurológicas ou mesmo sistêmicas.

Transtornos emocionais que causam dificuldade para dormir:

Transtornos neurológicos que causam dificuldade para dormir:

Várias outras condições médicas também podem ser incluídas na lista de causas da insônia, como:?

  • Condições que causam dor crônica, como artrite e dor de cabeça crônica
  • Condições que tornam a respiração difícil, como asma ou insuficiência cardíaca
  • Tireoide superativa
  • Transtornos gastrointestinais como azia
  • AVC
  • Desordens do sono como síndrome das pernas inquietas e problemas de sono relacionado à respiração
  • Apneia do sono
  • Hiperatividade cerebral (quando o corpo dorme, mas o cérebro não)
  • Menopausa e ondas de calor.

Além disso, existem fatores externos que podem causar a dificuldade para dormir como:

  • Estresse da vida cotidiana
  • Alterações de turnos de trabalho em que haja alterações do ciclo circadiano
  • Poluição sonora: há diversos estudos apontando o prejuízo dos ruídos na qualidade do sono
  • Poluição luminosa: pois é importante também uma diminuição dos estímulos luminosos para um repouso adequado
  • Dormir fora de casa: muitas pessoas tem dificuldade em se adaptarem em dormir fora de sua própria cama
  • Uso de alguns medicamentos
  • Hábitos alimentares, como comer muito antes de dormir
  • Atividades excitantes antes de dormir: como reuniões, preparação de projetos, apresentações, brigas, conflitos
  • Uso de substâncias tóxicas, uso de drogas excitantes.

Fatores de risco

Existem diversos desencadeantes que podem causar dificuldade de dormir, como:

Gravidez

O corpo da gravida está passando por diversas transformações, e algumas delas interferir na qualidade de sono: desde ao aumento do volume abdominal com maior dificuldade respiratória e digestiva, alterações hormonais, preocupações inevitáveis com o futuro bebê e com as mudanças de vida que ele trará, entre outras particulares.

Celular

Atualmente as pessoas estão conectadas 24 horas por dia, mas é preciso respeitar o período de descanso. Muitas pessoas avançam noite a dentro pondo em dias conversas em redes sociais, atualizando mensagens, e toda essa atividade excita o cérebro, impedindo seu desligamento lento e progressivo. Quando a pessoa vai perceber, já avançou madrugada a dentro. Mesmo quem não fica teclando, mas trabalha em profissões nas quais pode ser chamado a qualquer instante pode ter um sono superficial.

Computadores e outros veículos de mídia

Muitas pessoas não conseguem ir para a cama sem darem uma “ligadinha” no computador, e de um assunto vão para outro, de uma pesquisa para outra, de um grupo para outro... E lá se foi a qualidade de sono. Muitas vezes isto inclusive é realizado como forma de preencher o vazio, a solidão e a sensação de isolamento que o mundo atual nos coloca. Mas este tipo de preeenchimento traz muitos prejuízos secundários, que em outra oportunidade poderemos abordar.

E se falarmos nos “gamers” ou nos “viciados em jogos” , a situação fica ainda pior. Primeiro porque ninguém se acha viciado e, em segundo lugar, o jogo produz um dano cerebral (devido a alternância de frequência de ondas luminosas) que como consequência pode produzir irritabilidade, alterações de humor, prejuízo da memória entre outros danos.

Bebidas excitantes à noite

Muitas bebidas tomadas à noite podem ser prejudiciais ao sono, entre elas o chá tipo mate ou preto, o café, energéticos e bebidas alcoólicas . Todas elas devem ser evitadas.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

É muito importante o conceito que não basta dormir muitas horas, e sim ter uma qualidade de sono, ou seja, se o sono foi reparador e a pessoa acordou realmente descansada e recuperada do cansaço do dia anterior. Há pessoas que precisam de 8, 9 horas de sono e há pessoas que se saciam com 6 horas de sono.

Alguns sinais de que é preciso buscar ajuda médica são:

  • Acordar cansado sentindo que precisava mais “horas de sono”
  • Sono interrompido por micro-despertares
  • Sono inquieto (pode-se observar a roupa de cama muito desarrumada ao acordar).

Diagnóstico de Dificuldade para dormir

A dificuldade de dormir, assim como todos os distúrbios do sono, é um problema multicausal. O primeiro passo para buscar as causas é realizado através de uma boa anamnese, ou seja, uma cuidadosa e criteriosa colheita da história de todos os dados e fatos da vida da pessoa que podem estar relacionados com seus hábitos de sono, investigando-se causas internas, causas externas, causas circunstanciais ou seja, todos os fatores que podem intervir na dificuldade para dormir.

O diagnóstico da dificuldade para dormir pode ser complementado por exames, dentre eles a polissonigrafia.

A polissonografia é um exame realizado para investigar os distúrbios do sono. É possível avaliar o padrão sono/vigília por meio de sensores posicionados na superfície do corpo. Consiste no registro simultâneo da atividade elétrica cerebral, movimento dos olhos, atividade dos músculos, frequência cardíaca, fluxo e esforço respiratório, oxigenação do sangue, ronco e posição corpórea. O objetivo do exame é fazer um registro do sono habitual ou espontâneo.

Tratamento e Cuidados

Cuidados

Para tentar melhorar a qualidade do sono, evitando a dificuldade de dormir, é importante se atentar às regras de higiene do sono:

  • Durma apenas as horas necessárias para sentirse recuperado
  • Estabeleça a sua quantidade ideal de horas de sono
  • Pratique exercícios físicos regularmente (sob supervisão médica)
  • Não tome bebidas com cafeína ou excitantes (como energéticos) a noite
  • Não fume
  • Beba com moderação
  • Estabeleça um horário determinado para levantar e se mantenha fiel a ele
  • Não deite imediatamente após ter se alimentado
  • Evite dormir à tarde
  • Não deixe a TV ligada, e evite instrumentos de mídia antes de dormir, como computador, celular e vídeo game
  • Cochile o menos possível durante o dia
  • Nunca durma de dia
  • Crie um ritual para dormir - leituras leves, orar, musica suave
  • Mantenha um ambiente agradável - muito importante temperatura agradável, pouca luminosidade, naturalmente um bom colchão e um travesseiro adequado, além de poucos barulhos ao redor.

Fontes e referências

  • Dr. Pérsio Ribeiro Gomes de Deus, psiquiatra, diretor técnico de saúde do Hospital Psiquiátrico da Água Funda e médico credenciado pelo Hospital Albert Einstein (CRM: 31.656)
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não