PUBLICIDADE

Gripe aviária tem alta taxa de complicações e letalidade

O poder de disseminação do vírus H5N1 pelo organismo é o responsável pela gravidade da doença

A gripe aviária é uma doença que acomete as aves, mas pode ser transmitida para os mamíferos. Entre eles, nós, os seres humanos. "Ela é causada pelo vírus H5N1 em humanos e apresenta sintomas que traduzem não só uma doença respiratória severa, como também compromete outros órgãos. As complicações podem ser insuficiência renal, encefalite, hepatite e hemorragias", informa Rita de Souza, virologista e médica do Instituto Evandro Chagas, em Belém.

Ainda de acordo com ela, tantas manifestações no corpo e a alta taxa de letalidade da doença acontecem porque o vírus tem grande poder de disseminação pelo organismo.

Falando sobre a transmissão do vírus, Rita explica que, apesar de a ave transmitir a doença ao homem, tais casos não são comuns. "A maioria dos casos humanos de gripe aviária ocorre após contato direto com secreções ou fezes de aves infectadas e doentes", constata. Por isso, em países com comprovada circulação do vírus H5N1 em aves domésticas, é aconselhável evitar o contato com os animais, bem como consumir alimentos crus de origem aviária.

Já os casos de transmissão entre pessoas contaminadas e pessoas sadias são raros. Segundo a especialista, a contaminação se deve mais a características genéticas das pessoas infectadas do que a fatores virais. Ela informa ainda que mutações que poderiam tornar o vírus H5N1 adaptado ao homem e, portanto, com potencial pandêmico, ainda não foram detectadas.

Rita conta que, atualmente, não existe vacina contra o vírus da gripe aviária. "Na ausência desta vacina, dispomos de drogas antivirais contra o vírus causador da gripe, o Influenza", fala sobre o princípio ativo oseltamivir. "O medicamento impede que o vírus Influenza se dissemine pelo organismo, minimizando os efeitos da doença e prevenindo as complicações que podem levar à morte. Ele é o único remédio com atuação sistêmica. Isto é, age em todas as células em que esteja ocorrendo a replicação do vírus", detalha sobre a eficácia do remédio.

A droga já está disponível no Brasil e tem eficácia maior quando administrada nas primeiras 48 horas em que os sintomas da gripe aparecem. "Ele também pode ser usado como profilaxia em caso de contato com aves ou pessoas com suspeita de gripe", completa.

Complicações podem levar à morte
Os dois tipos de gripe, quando não tratados, podem levar ao óbito por diversos motivos, segundo a especialista do Instituto Evandro Chagas. "O primeiro deles é a insuficiência respiratória, devido a uma pneumonia viral grave ou por uma complicação bacteriana, como a meningite", lista.

Rita ressalta também, que os dois tipos de gripe podem favorecer eventos cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral, em indivíduos susceptíveis a eles caso dos hipertensos e cardiopatas.

"O tratamento usual é de cinco dias, podendo se prolongar nos casos da gripe causada pelo vírus H5N1", indica a virologista. Além de uso do medicamento com princípio ativo oseltamivir, repouso, hidratação e medicamentos sintomáticos devem entrar em cena para a total recuperação da gripe.

Por onde o vírus já rodou
Rita informa que mais de 50 países já foram atingidos pelo vírus H5N1. Na lista, estão Áustria, Afeganistão, Bulgária, China, Coréia, Croácia, Dinamarca, Egito, França, Grécia, Hungria, Índia, Indonésia, Inglaterra, Irã, Itália e Japão.

"O governo brasileiro está aplicando medidas aeroportuárias previstas no Plano Nacional de Prevenção, criado em outubro de 2006, para que a gripe aviária não alcance o país", contextualiza a virologista. A ação divulgada pelo Ministério dos Transportes contemplará 34 portos e já estão sendo instalados equipamentos para auxiliar no controle de contaminação e de esterilização de cargas, além do tratamento de resíduos sólidos nas embarcações.