PUBLICIDADE

Problemas intestinais podem aumentar risco de fraturas

O intestino comprometido diminui a absorção de cálcio, vitamina D e nutrientes

Um estudo feito pela equipe de cientistas dos hospitais universitários de Genebra e Laussane, na Suíça, demonstrou que jovens com doenças inflamatórias intestinais têm menor massa óssea e pior constituição do esqueleto, em comparação a jovens que não tem esse tipo de problema.

Em apresentação no Congresso Mundial sobre Osteoporose, realizado no final de abril, os pesquisadores disseram que as doenças inflamatórias intestinais, incluindo úlceras e doenças de Crohn, quando aparecem durante a infância e adolescência, comprometem o pico de aquisição de massa óssea.

Isso ocorre, de acordo com os cientistas, devido a uma variedade de fatores, incluindo menor absorção de nutrientes, como cálcio, vitamina D e proteína, por causa do intestino prejudicado e do tratamento com medicações específicas.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A análise de 107 jovens pacientes com doença inflamatória intestinal e 389 jovens saudáveis indicou que o maior risco de fraturas entre os pacientes durante o crescimento ocorre não apenas por causa de sua menor densidade mineral óssea, mas também devido a mudanças na microarquitetura do tecido ósseo esponjoso - a parte menos densa e rígida do osso.

Baseados nos resultados, os especialistas defendem que os médicos que tratam das doenças inflamatórias intestinais incluam medidas de prevenção a fraturas ósseas nos cuidados a esses pacientes, incluindo ingestão ideal de cálcio e vitamina D por meio da dieta ou suplementos. Além disso, os pacientes devem ser encorajados a serem fisicamente ativos para combater a obesidade e fortalecer ossos e músculos.