PUBLICIDADE

Perder 5% de gordura corpo pode diminuir risco de câncer de mama em até 50%

Estudo aponta que dieta diminui a taxa dos hormônios causadores da doença

Uma nova pesquisa, desenvolvida pelo Departamento de Epidemiologia e Bioestatística da Universidade da Califórnia (EUA), sugere que perder 5% do peso corporal por meio de dieta e exercício físico abaixa as taxas de hormônios estrogênio e testosterona, relacionados ao câncer de mama, no sangue de mulheres com obesidade, diminuindo os riscos doença. O estudo foi publicado online no Journal of Clinical Oncology.

As descobertas não provam que essa perda peso pode prevenir o câncer de mama, mas é uma opção para redução do risco sem efeitos colaterais significativos. Para o estudo, foram acompanhadas 439 mulheres com sobrepeso, divididas em quatro grupos. Um grupo fez exercícios (principalmente caminhada), o segundo grupo fez dieta, o terceiro fez ambos e o último grupo não fez qualquer modificação na rotina. As participantes tinham idades entre 50 e 75 anos, com uma média de 58 anos.

Aquelas que fizeram apenas dieta ou dieta em conjunto com exercícios perderam cerca de 10% do seu peso, além de os níveis de testosterona e estrogênio terem diminuído entre 10 e 20%. De acordo com os pesquisadores, a quantidade de peso perdido foi a chave para mudanças nos níveis hormonais, mas fazer apenas a atividade física não produziu uma grande mudança de peso ou nos níveis hormonais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os pesquisadores alertaram que o estudo não afirma que a perda de peso diminui o risco de câncer de mama, apenas faz uma relação, pois seria necessário um estudo maior e mais demorado para provar isso. Eles explicam, no entanto, que a perda de peso tem efeito sobre os hormônios estrogênios circulantes, sendo bem provável que diminua o risco de câncer.

Prove sete alimentos que previnem câncer de mama

Segundo a nutricionista Débora La Regina, do Centro Paulista de Oncologia (CPO), "os nutrientes essenciais que ajudariam na prevenção desse tipo de câncer estão em falta na dieta da maioria da população". Veja as dicas das especialistas para colocar mais cor no seu prato e reforçar a saúde.

Frutas Vermelhas

"Frutas como framboesa e amora contêm fitonutrientes anticancerígenos chamados antocianinas que retardam o crescimento de células pré-malígnas e evitam a formação de novos vasos sanguíneos, que podem alimentar um tumor", explica a nutricionista Daniela Cyrulin, da Nutri & Consult.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Cenoura

Uma pesquisa feita pela Harvard School of Public Health, nos Estados Unidos, acompanhou mais de 12 mil mulheres e constatou que consumir duas porções de cenoura todos os dias reduz o risco de desenvolver câncer de mama em até 17%. De acordo com o estudo, entretanto, tal porcentagem só pode ser atribuída a mulheres na pré-menopausa.

Uva

De acordo com Débora La Regina, os flavonoides presentes na uva podem retardar o crescimento de células malignas no organismo, mas que isso não deve ser desculpa para abusar do vinho tinto. O excesso de álcool prejudica todo o metabolismo e pode ser vir de gatilho a outras doenças, além de fragilizar a imunidade.

Brócolis

"Por meio do estímulo das enzimas do corpo, o sulforano, presente nos brócolis, elimina substâncias que podem originar células cancerígenas no corpo", aponta Daniela. Recomenda-se o consumo de meia xícara de chá do alimento por dia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Especiarias

Pesquisadores do Comprehensive Cancer Center, da Universidade de Michigam, nos Estados Unidos, afirmam que especiarias, como pimenta preta e curry, podem atuar na diminuição do aparecimento de células cancerígenas sem danificar as células saudáveis da mama.

Soja

Soja e derivados, como leite de soja e tofu, contêm nutrientes em sua composição chamados fitoestrogênio. Ele é similar ao hormônio estrogênio natural, produzido pelo corpo feminino, e a disputa entre essas duas substâncias interfere em enzimas importantes para o desenvolvimento de células cancerígenas, afirma a nutricionista Débora.