PUBLICIDADE

Homem quase morre por dormir ao lado de celular carregando

Médicos disseram que americano teve sorte por sobreviver

wiley-day - Foto: Arquivo pessoal
wiley-day - Foto: Arquivo pessoal

No dia 22 de março, Wiley Day, de 32 anos, morador do Alabama, Estados Unidos, conectou o celular para carregar a bateria em uma extensão falsificada ligada a tomada, bem ao lado de sua cama. Esse era um hábito dele todas as noites, quando costumava acompanhar suas redes sociais antes de dormir.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Já dormindo, seu colar de metal escorregou do pescoço, encostando no pino do carregador que é colocado dentro da tomada e que, nesse caso, estava um pouco exposto. Assim, ele recebeu uma descarga elétrica que o derrubou no chão. O colar agiu como um fio condutor.

Ele sentiu o corpo ficar dormente e uma pressão muito forte atingiu o seu pescoço, enquanto ele gritava por ajuda. Wiley conseguiu arrancar o colar do pescoço e seus familiares conseguiram ajuda-lo.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Até o lençol ficou chamuscado e algumas partes da pele de Wiley foram arrancadas. Rapidamente ele foi levado para a Unidade de Tratamento Intensivo para Traumas por Queimaduras, da Universidade do Alabama, em Birmingham, com queimaduras de segundo e terceiro grau, que atingiram seu pescoço, peito e mãos. Ele ainda está internado.

De acordo com o site Buzzfeed, os médicos afirmaram que Day teve sorte em estar vivo, pois um choque elétrico com tensão de 100 volts é o suficiente para matar uma pessoa e estima-se que o homem tenha recebido uma tensão de cerca de 110 volts.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A associação American Burn Association, especializada em casos de queimaduras, afirma que defeitos em extensões elétricas são a causa número um dos cerca de 4.700 incêndios residenciais por ano nos EUA. Desses casos, 50 resultam em mortes e 280 em ferimentos graves.