Noma: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Noma?

Sinônimos: cancrum oris, estomatite gangrenosa, cancro oral

Noma, também conhecida como cancro oral, é uma infecção gangrenosa que destrói as membranas mucosas da boca e de tecidos ao redor. Essa doença ficou conhecida como a “doença da fome”, por atingir, principalmente, crianças subnutridas e com hábitos inadequados de higiene da África subsaariana.

PUBLICIDADE

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 500 mil crianças são vítimas de noma atualmente na África.

Sinônimos

Cancro oral, cancrum oris, estomatite gangrenosa.

Causas

A causa exata de noma ainda não é conhecida, mas sabe-se que bactérias como Fusobacterium necrophorum e Prevotella intermedia estejam diretamente envolvidas no processo infeccioso da doença. Essas bactérias interagem com outras, a exemplo de Borrelia vincentii, Porphyromonas gingivalis, Tannerella forsynthesis, Treponema denticola, Staphylococcus aureus, entre outras.

Fatores de risco

O mais importante para noma, no entanto, não é exatamente o que causa a doença, mas sim os fatores que costumam levar uma pessoa a desenvolvê-la. Os principais são:

  • Idade, sendo que crianças pequenas abaixo dos 6 anos são mais propensas
  • Desnutrição
  • Deficiência de vitaminas A e B
  • Desidratação
  • Higiene oral inadequada
  • Consumo de água não potável
  • Saneamento básico ruim
  • Sarampo
  • Escarlatina
  • Tuberculose
  • Câncer (especialmente leucemia)
  • Aids ou outra imunodeficiência
  • Viver em países da África subsaariana.

Noma não aparece em crianças mais velhas e bem alimentadas, mas pode aparecer em crianças subnutridas e com pouca higiene oral de outras partes do mundo também.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas

Sintomas de Noma

A infecção bacteriana característica de noma causa a destruição da membrana mucosa que reveste a boca e os tecidos em volta dela. A doença é progressiva e tende a piorar rapidamente.

Aos poucos, as gengivas e o revestimento interno das bochechas inflamam e desenvolvem úlceras, que passam a liberar um fluido fétido, causador de mau hálito e odor na pele. Este processo também provoca muita dor, que tende a piorar conforme a doença vai progredindo.

Em seguida, a infecção se espalha pela pele ao redor e os tecidos dos lábios e das bochecham morrem (gangrena). O processo infeccioso pode, às vezes, destruir o tecido mole e também o osso. A destruição dos ossos ao redor da boca causa deformidade e pode levar à perda dos dentes.

Noma também pode afetar a região genital, embora seja raro.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Noma, atualmente, está restrita à região da África subsaariana. Geralmente, a observação dos sintomas e da progressão da doença bastam para realizar o diagnóstico. Quaisquer sinais e sintomas relativos à noma devem ser reportados a uma equipe médica.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar noma estão:

  • Clínico geral
  • Odontologista
  • Infectologista
  • Pediatra.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando você notou os sintomas?
  • Houve progressão dos sintomas?
  • Como é a alimentação de seu filho?
  • Seu filho foi diagnosticado com alguma outra condição de saúde? Qual?
  • Como são as condições de higiene e saneamento básico que existem na região em que você mora?
  • Seu filho tem boas práticas de higiene oral?

Diagnóstico de Noma

O exame físico geralmente basta para o médico realizar o diagnóstico. Ele é capaz de mostrar exatamente quais partes foram afetadas pela infecção e qual a gravidade e intensidade da doença. Além disso, as úlceras orais geralmente apresentam mau cheiro e vazamento de fluidos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Noma

A prescrição de antibióticos e garantir a boa nutrição do paciente são as principais abordagens do tratamento de noma.

A cirurgia plástica também pode ser necessária para remover os tecidos destruídos e reconstruir os ossos faciais e os tecidos afetados. A cirurgia ajuda a recuperar as funções da mandíbula e da boca e ajuda a melhorar a aparência da face também.

Medicamentos para Noma

Os medicamentos mais usados para o tratamento de noma são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

No curto e no médio prazo as complicações restringem-se à evolução dos sintomas. A dor, classificada pelos médicos como insuportável, aumenta conforme a progressão da doença. Além disso, a gangrena vai crescendo aos poucos, espalhando-se pela face e causando uma enorme e visível deformação – que normalmente precisa de cirurgia plástica para posterior reconstrução da face.

Expectativas

Se não for devidamente tratado, o noma pode levar a criança à morte. Com o tratamento adequado, no entanto, a recuperação costuma ser bem-sucedida. Em algumas crianças, após a cirurgia de reconstrução facial, ficam algumas cicatrizes pro resto da vida.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Prevenção

Prevenção

A melhor forma de prevenir noma é garantindo que todas as crianças tenham acesso a saneamento básico de qualidade, boas condições de higiene e boa alimentação.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Fontes e referências

  • Ministério da Saúde
  • Organização Mundial da Saúde
  • Facing Africa