Paralisia facial

Visão Geral

O que é Paralisia facial?

Paralisia facial é perda de movimentos da face ocasionada por problemas nos nervos. Com isso, os músculos faciais se tornam fracos e flácidos. Normalmente acontece apenas em um lado do rosto e pode ter múltiplas causas.

A paralisia facial pode acontecer de repente ou gradualmente durante anos e, dependendo da causa, pode durar pouco ou muito tempo. Em alguns casos o rosto pode não voltar ao normal, mas existem procedimentos que minimizam os efeitos.

Causas

A paralisia facial pode ser causada por diversos fatores. Normalmente, quando é uma perda de movimentos gradual, é devido a um tumor na cabeça ou pescoço. Já no caso de uma perda repentina, algumas das razões podem ser:

Durante o nascimento, alguns bebês podem ter paralisia facial temporária, mas em 90% dos casos esse problema se resolve sem tratamento. Nos recém nascidos a paralisia facial pode ser devido a algumas síndromes congênitas, como a síndrome de Moebius e a de Melkersson-Rosenthal.

Fatores de risco

Ter doenças crônicas, autoimunes, ou infecções virais no rosto podem contribuir com o surgimento da paralisia facial. Além disso, no caso da Paralisia de Bell, mulheres grávidas (especialmente durante o terceiro trimestre) e mulheres que acabaram de dar à luz são mais suscetíveis. O mesmo também acontece quando a pessoa já teve paralisias anteriores ou algum parente próximo apresentou o sintoma.

Sintomas

Sintomas de Paralisia facial

Além dos incômodos e prejuízo estético causado pela paralisia facial, ela pode gerar alguns sintomas adicionais como:

  • Dor na face
  • Dores de cabeça
  • Dores de ouvindo, zumbidos em um ou ambos os ouvidos e sensitividade aos sons
  • Dificuldade para falar e comer
  • Inabilidade de mostrar emoções
  • Salivação excessiva
  • Espasmos musculares
  • Lacrimejamento
  • Secura na boca e olhos
  • Dificuldade para fechar os olhos (o que demanda mais cuidados, as vezes com tapa-olhos e/ou colírios, para prevenir danos a longo prazo).

Convivendo (prognóstico)

Expectativas

As expectativas com relação a paralisia facial dependem do motivo que originou esse sintoma. Contudo, em linhas gerais, quanto antes for diagnosticado e tratado o problema, menores são as chances que o paciente tenha sequelas mais graves.

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Quando o sintoma surge de repente, é importante procurar um serviço de atendimento de emergência para que o caso seja avaliado e se realizem os procedimentos necessários.

No caso de sentir uma paralisação gradual da face o médico deve ser comunicado o quanto antes. Em ambos os casos, quanto mais cedo for tratado o sintoma, maiores as chances de uma recuperação completa ou com menos sequelas.

Na consulta médica

Normalmente os casos de paralisia facial devem ser avaliados por um neurologista mas, para lidar com o sintoma, pode ser necessário também a ajuda de um otorrinolaringologista e um fonoaudiólogo.

É muito importante discutir todos os sintomas, de antes e depois da paralisia, com os médicos que realizarem o atendimento, mesmo os sinais que não parecem relacionados ao problema. Por isso, se conseguir, é bom escrever os sintomas e medicações que está tomando, assim como outras doenças que possa ter. Caso o paciente não consiga fazer isso, peça para o acompanhante escrever, assim o médico terá os detalhes que o ajudarão a fazer o diagnóstico certeiro e a definir o tratamento. É importante que a pessoa com paralisia facial vá acompanhada até o atendimento de emergência disponível e às consultas.

O seu médico também pode pedir para você tentar mover os seus músculos faciais, por exemplo, levantar as sobrancelhas, fechar os olhos, sorrir, franzir a testa e as sobrancelhas.

Dentre os exames que o profissional pode solicitar para diagnosticar a paralisia facial estão:

  • Eletromiografia, que checa como estão os músculos e os nervos que os controlam
  • Exames de imagem
  • Exames de sangue que ajudem a localizar a causa da paralisia.

Caso o paciente ou seu acompanhante tenham dúvidas sobre essa condição é importante pergunta-las ao profissional que realizará o atendimento. Por isso, se possível, leve as dúvidas para a consulta por escrito. Caso tenha novas perguntas durante o atendimento, não hesite em fazê-las ao médico.

Fontes e referências

  • Clínica Mayo
  • Healthline
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não