PUBLICIDADE

Pessoas mais confiantes têm mais dificuldade de resistir às tentações

Evitar situações em que seja possível fraquejar ainda é o melhor caminho

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Está tentando parar de fumar, mas não consegue? Está de regime, mas a vontade de comer açúcar parece te vencer a todo momento? Parece que todas as forças conspiram para que a força de vontade decline? Essas reações são mais comuns do que se imagina. Segundo um estudo norte-americano realizado por pesquisadores da Northwestern University grande parte das pessoas possui grande dificuldade em avaliar o quanto são capazes de realmente resistir às tentações como, por exemplo, o chocolate e o cigarro.

Estudantes universitários foram analisados em testes que os colocaram frente a frente com situações tentadoras. Os fumantes, por exemplo, foram expostos a um cigarro aceso para medir o quanto aguentariam. O resultado apontou que o dobro daqueles que achavam que resistiriam à tentação bravamente perceberam que não possuíam esse controle. De acordo com os pesquisadores, muita gente não consegue antecipar um impulso e as pessoas mais confiantes são aquelas que possuem maiores chances de cair em tentação. Mesmo os que resistiram às tentações estão sujeitos a agir impulsivamente. Segundo os pesquisadores, ninguém é infalível e o aconselhado é evitar situações onde as fraquezas possam aparecer.

Para quem está de dieta, por exemplo, o conselho é deixar salgadinhos, bolachas recheadas e doces nas prateleiras do supermercado. "O ideal é que você se cerque de frutas, sucos, pães integrais, peito de peru, queijo branco, iogurtes e barrinha de cereais", afirma a nutricionista chefe do MinhaVida, Roberta Stella.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os pesquisadores ainda afirmam que a ideia de que se pode resistir à tentação sempre que ela aparece é equívoca, pois quando não há o desejo por um cigarro, por exemplo, a pessoa não consegue compreender a profundidade do processo.