PUBLICIDADE

Tricomoníase: o que é, sintomas, tratamentos e prevenção

Visão Geral

O que é Tricomoníase?

A tricomoníase é uma infecção do trato vaginal inferior feminino ou trato genital masculino causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Pode ser assintomática ou causar uretrite e vaginite, ocasionalmente cistite, epididimite e prostatite.

PUBLICIDADE

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Chat sobre DSTs: previna-se da Aids, sífilis, herpes, HPV e outras doenças - Minha Vida ao Vivo

A tricomoníase é uma infecção do trato vaginal inferior feminino ou trato genital masculino causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Pode ser assintomática ou causar uretrite e vaginite, ocasionalmente cistite, epididimite e prostatite.

Chat sobre DSTs: previna-se da Aids, sífilis, herpes, HPV e outras doenças - Minha Vida ao Vivo

A tricomoníase é uma infecção do trato vaginal inferior feminino ou trato genital masculino causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Pode ser assintomática ou causar uretrite e vaginite, ocasionalmente cistite, epididimite e prostatite.

Chat sobre DSTs: previna-se da Aids, sífilis, herpes, HPV e outras doenças - Minha Vida ao Vivo

A tricomoníase é uma infecção do trato vaginal inferior feminino ou trato genital masculino causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis. Pode ser assintomática ou causar uretrite e vaginite, ocasionalmente cistite, epididimite e prostatite.

Chat sobre DSTs: previna-se da Aids, sífilis, herpes, HPV e outras doenças - Minha Vida ao Vivo

O organismo pode persistir por longos períodos no trato urinário masculino sem causar sintomas, e pode ser transmitida involuntariamente aos parceiros e parceiras sexuais. É comum a tricomoníase estar acompanhada de gonorreia e outras doenças sexualmente transmissíveis (DST). (1,3)

Tricomoníase na mulher

O Trichomonas vaginalis infecta principalmente o trato genital. Mas existe uma grande variação na forma como ela se manifesta: pode ser desde a apresentação assintomática até um estado de severa inflamação (vaginite).

Das mulheres infectadas, entre 25% e 50% são assintomáticas, têm pH vaginal normal de 3,8 a 4,2, acima desse nível já é possível considerar que o meio vaginal está infectado. (2)

Tricomoníase no homem

Diferentemente da mulher, homens são infectados pelo contato com parceira sexual infectada e, por razão desconhecida, podem ter somente infecção autolimitada. No entanto, o tratamento é o mesmo para ambos.

Causas

Tricomoníase é causada por um protozoário unicelular chamado Trichomonas vaginalis ou T. vaginalis, um tipo de parasita minúsculo que se transmite entre as pessoas durante a relação sexual. O período de incubação entre a exposição e a infecção pode variar de cinco a 28 dias.

Transmissão

O protozoário é transmitido de uma pessoa infectada para uma pessoa não infectada durante o sexo. Nas mulheres, a parte mais comumente afetada do corpo é o trato genital inferior (vulva, vagina, colo do útero ou uretra). Nos homens, a parte do corpo mais comumente afetada é o interior do pênis (uretra).

Durante o sexo, o parasita geralmente se espalha de um pênis para uma vagina, ou de uma vagina para um pênis. Não é comum o parasita infectar outras partes do corpo, como as mãos, a boca ou o ânus.

Não está claro por que algumas pessoas com a infecção têm sintomas enquanto outras não. Isso provavelmente depende de fatores como a idade de uma pessoa e a saúde geral. Pessoas infectadas sem sintomas ainda podem transmitir a infecção para outras pessoas. (2,4)

Fatores de risco

Os principais fatores de risco para tricomoníase são:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Últimas perguntas sobre Tricomoníase

Sintomas

Sintomas de Tricomoníase

Muitas mulheres e maioria dos homens com tricomoníase não apresentam sintomas, pelo menos não no início. No entanto, os sintomas vulvares de tricomoníase incluem:

Os sinais e sintomas podem piorar durante a menstruação.

Homens que têm tricomoníase raramente apresentam sintomas e geralmente não sabem que estão infectados. Entretanto, quando os sintomas ocorrem, eles incluem:

Buscando ajuda médica

Marque uma consulta médica se você tem um corrimento vaginal de odor fétido, sentir dor ao urinar ou durante a relação sexual.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar a tricomoníase são: (5)

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para tricomoníase, algumas perguntas básicas incluem:

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Tricomoníase

Não é possível diagnosticar a tricomoníase apenas com base nos sintomas, já que muitas pessoas não os apresentam. Desta forma, o diagnóstico da tricomoníase pode ser feito por um profissional de saúde através do exame físico, geralmente em exames de rotina como papanicolau, onde será observado se a mulher possui corrimento amarelado e odor forte na vagina. Além disso, tanto para homens quanto para mulheres, será necessário realizar alguns exames laboratoriais para diagnosticar a tricomoníase. (4,5)

Exames

O exame mostra manchas vermelhas na parede vaginal ou colo do útero. Depois, utiliza-se o exame do conteúdo vaginal ao microscópio, de fácil interpretação e realização. Colhe-se uma gota do corrimento, coloca-se sobre a lâmina com uma gota de solução fisiológica e observa-se ao microscópio, buscando o parasita flagelado movimentando-se ativamente entre as células epiteliais e os leucócitos. O achado de T. vaginalis impõe o tratamento da pessoa e também do seu parceiro ou parceira sexual, já que se trata de uma DST.

A doença pode ser difícil de diagnosticar nos homens. Homens são tratados se a infecção é diagnosticada em qualquer um de seus parceiros ou parceiras sexuais. Os homens também podem ser tratados se eles têm sintomas contínuos de queimação uretral ou comichão.

Outros exames que podem ser realizados incluem:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Tricomoníase

O tratamento mais comum para tricomoníase, inclusive durante a gravidez, é tomar uma dose alta de metronidazol, secnidazol ou tinidazol. O medicamento ministrado por via oral é muito mais eficaz para tricomoníase que a inserção de um creme ou gel no órgão sexual.

Tanto o paciente quanto os parceiros e parceiras sexuais precisam de tratamento e evitar ter relações sexuais desprotegidas até que a infecção seja curada, o que leva cerca de uma semana.

Os efeitos colaterais da medicação podem incluir:

É proibida a ingestão de bebidas alcoólicas por 24 horas depois de tomar metronidazol ou 72 horas depois de tomar tinidazol, pois pode causar náuseas e vômitos severos.

Medicamentos para Tricomoníase

Os medicamentos mais usados para o tratamento de tricomoníase são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Convivendo (prognóstico)

Tricomoníase tem cura?

A tricomoníase possui cura quando o tratamento é feito da forma correta. No entanto, algumas pessoas que foram tratadas para tricomoníase podem obtê-la novamente. Cerca de 1 em cada 5 pessoas são infectadas novamente dentro de 3 meses após o tratamento. Para evitar ser infectado novamente, certifique-se de que todos os seus parceiros sexuais sejam tratados. Além disso, aguarde de 7 a 10 dias após você e seu parceiro terem sido tratados para fazer sexo novamente. (4)

Complicações possíveis

A inflamação genital causada pela tricomoníase pode aumentar o risco de uma mulher de adquirir a infecção pelo HIV ou outras doenças sexualmente transmissíveis, se ela é exposta ao vírus. A tricomoníase em uma mulher que também está infectada com HIV pode aumentar as chances de transmissão de infecção por HIV para um parceiro ou parceira sexual.

Tricomoníase e gravidez

As mulheres grávidas com tricomoníase podem:

Se você acha que pode estar grávida - ou está planejando engravidar - não deixe de conversar com seu médico e perguntar sobre o teste para tricomoníase. As mulheres nos primeiros três meses de gravidez não devem tomar remédio para doença porque isso pode prejudicar o bebê. (4,5)

Convivendo/ Prognóstico

O ideal é reduzir a frequência de relações sexuais durante o tratamento da tricomoníase e, se for fazê-lo, que seja com proteção. A tricomoníase leva cerca de uma semana para ser eliminada do organismo se tiver tratamento adequado. Portanto, é importante seguir as orientações médicas e ingerir a medicação indicada.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Prevenção

Prevenção

Para reduzir o risco de infecção por tricomoníase:

Quaisquer sintomas genitais, como coceira, queimação ao urinar, uma ferida ou erupção cutânea genital deve ser um sinal para parar de ter relações sexuais e consultar um médico imediatamente. Se você recebeu o diagnóstico de tricomoníase, notifique todos os seus parceiros ou parceiras sexuais recentes para que possam também receber tratamento.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Referências

(1) Viviane Lopes, ginecologista e obstetra do Femme Laboratório da Mulher e mestre em Obstetrícia pela UNIFESP - CRM SP 105166

(2) Alberto d’Auria, obstetra do Hospital e Maternidade Santa Joana.

(3) Ministério da Saúde

(4) American Sexual Health Association (ASHA)

(5) Mayo Clinic

(6) Centers for Disease Control and Prevention (CDC)