PUBLICIDADE

Um em cada 4 sobreviventes de melanoma continua ignorando o filtro solar

2% ainda relatou ter usado cama de bronzeamento nos últimos meses, diz pesquisa

Ficar exposto ao sol sem a proteção do filtro solar e usar camas de bronzeamento são fatores conhecidos por aumentar o risco de desenvolvimento do melanoma, a forma mais grave e letal de câncer de pele. Mesmo assim, a responsabilidade parece desaparecer entre alguns dos sobreviventes da doença. Isso é o que mostra um estudo apresentado na American Association for Cancer Research Annual Meeting 2013, que aconteceu nesta segunda-feira (8) em Washington, nos Estados Unidos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Para a pesquisa, uma especialista da Yale School of Medicine e colegas avaliaram respostas de sobreviventes de melanoma que participaram da National Health Interview Survey, realizada em 2010. Foram coletados dados de 171 indivíduos que haviam conseguido vencer a doença e, inicialmente, foi constatado que a maioria passou a tomar precauções para minimizar o risco de desenvolver um novo câncer de pele. Entretanto, boa parte dos indivíduos parecia continuar ignorando o hábito de usar filtro solar diariamente.

Os resultados mostraram que 27,3% dos sobreviventes de melanoma disseram nunca usar filtro solar ao ficar fora de casa, mesmo em um dia ensolarado, durante um período de uma hora. Outros 15,4% afirmaram que raramente ou nunca se protegiam na sombra em dias ensolarados. Além disso, 2,1% disseram ter usado camas de bronzeamento artificial nos últimos 12 meses.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Os especialistas reforçam que há necessidade de intervenções mais eficazes para reduzir a exposição solar e o uso de camas de bronzeamento pela população. Eles desconfiam ainda que algumas pessoas possam sofrer de um tipo de vício em relação ao bronzeamento.

Previna-se do câncer de pele

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Faça chuva ou faça sol, o filtro solar é peça fundamental para prevenção do câncer de pele. Mas fazendo uso diário do produto, é fundamental ficar atento aos principais fatores de risco da doença. Conheça quais são eles:

Dificuldade para se bronzear

Mulher toma sol na praia - Foto: Getty Images
Mulher toma sol na praia - Foto: Getty Images

Ter pele bem bronzeada de sol costuma significar beleza e vitalidade (além de férias em algum lugar com belas praias). Mas existem riscos relacionados às horas de exposição ao sol e eles não podem ser descartados, principalmente se você tem a pele muito branca e ela fica vermelha em vez de amorenar. "Nesse caso, o risco de câncer de pele é alto por dois motivos: pela sensibilidade natural da pele e porque, como não consegue se bronzear facilmente, essa pessoa acaba ficando tempo demais exposta aos raios UVA e UVB", explica a dermatologista Marcia Puceli, especializada em câncer de pele.

Pintas que se espalham por todo o corpo

Mulher com pintas passa creme nas pernas - Fotos: Getty Images
Mulher com pintas passa creme nas pernas - Fotos: Getty Images

Ainda que muita gente ache bonitinho ter algumas pintas espalhadas pelo corpo, a dermatologista faz questão de ressaltar que essas manchas não são normais. "Elas surgem ao longo da vida, por consequência da exposição ao sol e precisam ser avaliadas por um dermatologista." Controle o crescimento das pintas seguindo o ABCDE dos médicos: assimetria reconhecida (se ela não é redondinha), borda irregular, cores múltiplas, diâmetro maior que a ponta de um lápis e evolução (se coça, sangra ou cresce). Já se você possui muitas pintas, faça um acompanhamento com dermatologista para ter certeza de que não existe nenhum problema grave surgindo. Outro ponto importante é o sentido do crescimento. Quando a pinta fica saliente e ganha o aspecto de uma verruga, não há problemas. "Mas se ela crescer para os lados pode estar se multiplicando, e isso não deve acontecer em um adulto", diz a médica.

Olhos azuis e cabelos em tons claros

Ruiva balança os cabelos vermelhos - Foto: Getty Images
Ruiva balança os cabelos vermelhos - Foto: Getty Images

"Estudos mostram que pessoas com olhos azuis e cabelos ruivos ou loiros têm mais chance de desenvolver melanoma, o tipo mais raro e agressivo de câncer de pele", afirma a dermatologista Isabel Longo. Nesses casos, não importa a cor da pele: mesmo uma pessoa de pele morena e olhos azuis deve ir ao médico. Quem nasceu com o cabelo ruivo ou avermelhado precisa dar atenção redobrada às orientações médicas. "Essas pessoas possuem felmelanina, um composto que faz a pele oxidar mais e estar menos protegida aos riscos do sol", revela a especialista Márcia Puceli.

As sardas não param de aparecer

Mulher com ombros cheios de sardas acaba de sair do banho - Foto: Getty Images
Mulher com ombros cheios de sardas acaba de sair do banho - Foto: Getty Images

O charme das sardas não pode servir como desculpa para você ignorá-las. "Pessoas com muitas sardas pelo rosto ou nos ombros precisam de acompanhamento médico e cuidados especiais na hora de tomar sol", diz a palestrante espanhola. Isso porque as sardas não passam de uma resposta da pele sensível ao abuso do sol, ou seja, quanto mais sardas, maior o risco de problemas relacionados ao sol.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Histórico familiar de câncer de pele

Médico mostra exames para paciente - Foto: Getty Images
Médico mostra exames para paciente - Foto: Getty Images

Como é o caso de muitas doenças, o histórico familiar indica maior possibilidade de desenvolver câncer de pele. Mas fique atento para as diferenças: se alguém na sua família já teve carcinoma, não é necessário se assustar, mas avise o médico. O carcinoma, como as sardas, é resultado exagero na exposição solar. "O maior problema está no melanoma, que ainda tem um lado genético não muito bem compreendido pela medicina", afirma a dermatologista Márcia Puceli. As características que tornam uma pele mais sensível também podem ser herdadas. "Por isso é tão importante prestar atenção na maneira como cada pele reage ao sol - tanto a sua quanto a dos familiares".

Antecedente pessoal não pode ser esquecido

Homem conversa com médica durante consulta - Foto: Getty Images
Homem conversa com médica durante consulta - Foto: Getty Images

Também é muito importante prestar atenção ao seu próprio histórico, além e conhecer sua herança genética. Como no caso familiar, o desenvolvimento do carcinoma indica um comportamento de riscocomportamento de risco comportamento de risco - que deve ser controlado seguindo as instruções médicas. Reincidência é muito comum e só pode ser combatida se você estiver disposto a adotar hábitos como passar o protetor solar, caminhar pela sombra e evitar se expor ao sol nas faixas horárias de maior incidência solar (das 11h às 16h).

Tomar sol demais

Jovem medita enquanto toma sol na praia - Foto: Getty Images
Jovem medita enquanto toma sol na praia - Foto: Getty Images

Mesmo quem não tem características como pele sensível e cabelo ruivo precisa tomar cuidado com o sol. "O risco nunca é nulo, principalmente para pessoas que adotam comportamentos de risco como tomar sol indiscriminadamente". Vale lembrar que a proteção solar não vem só do filtro; chapéus, óculos de sol e até as roupas podem ajudar a bloquear os raios solares, principalmente no cotidiano. Afinal, sol não está presente só na praia ou na piscina, mas faz parte do seu dia a dia.