PUBLICIDADE

Diretor do Hospital Getúlio Vargas assume erro médico em morte de paciente

Irene de Jesus Bento, de 54 anos, foi vítima de negligência médica e morreu por acidose metabólica. Entenda

O diretor do Hospital Getúlio Vargas, Paulo Ricardo da Costa, admitiu erro médico no caso que levou Irene de Jesus Bento à óbito por acidose metabólica em julho passado. O depoimento foi feito à Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro na última quinta-feira (23).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A paciente de 54 anos era diabética e, segundo Paulo, deveria ter sido encaminhada para a sala amarela do hospital, indicada para casos de gravidade moderada, mas urgentes - e não para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), como aconteceu.

Entenda o caso

Em 28 de julho, Irene de Jesus Bento deu entrada no Hospital Getúlio Vargas, na zona norte do Rio de Janeiro, com dificuldades para respirar e sem conseguir falar e andar. Depois de 30 minutos sem receber nenhum atendimento, o filho da paciente foi buscar socorro e resolver filmar o local. Em uma das salas, encontrou uma médica sentada mexendo no celular.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Quando questionada, a médica respondeu que, antes de prestar socorro, seria necessário aguardar a ficha cadastral de Irene. Momentos depois, uma enfermeira mediu a pressão da paciente e afirmou que seu caso não era grave, orientando que ela fosse levada para a UPA.

Já na Unidade de Pronto Atendimento, a insuficiência respiratória de Irene piorou e ela sofreu duas paradas cardíacas. Foi novamente transferida para o Hospital Getúlio Vargas, onde não resistiu e veio a falecer por volta das 23h por acidose metabólica, consequência da diabetes.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O que é acidose metabólica?

A acidose metabólica é uma acidez excessiva do sangue e fluidos corporais. Essa acidez pode reduzir o pH do sangue, tornando a respiração mais profunda e rápida, uma vez que o corpo está tentando liberar o excesso de ácido no sangue. Além disso, os rins também podem se sobrecarregar, uma vez que precisam excretar uma quantidade maior de ácido na urina.

Entre os tipos mais comuns da acidose metabólica está a cetoacidose diabética, que acontece quando os níveis de açúcar (glicose) no sangue do paciente diabético encontram-se muito altos.

A insulina é responsável por fazer com que a glicose que está na corrente sanguínea entre nas células do nosso corpo e gere energia. Quando há falta de insulina, duas situações simultâneas ocorrem: o nível de açúcar no sangue vai aumentando e as células sofrem com a falta de energia.

Para evitar que as células parem de funcionar, o organismo passa a usar os estoques de gordura para gerar energia. Só que nesse processo em que o corpo usa a gordura como energia, formam-se as cetonas. Níveis elevados de corpos cetônicos podem envenenar o corpo.