Pré-eclâmpsia

Visão Geral

O que é Pré-eclâmpsia?

A pré-eclâmpsia é uma doença gestacional em que, após a 20ª semana (fim do 2º ou 3º trimestre), a gestante desenvolve hipertensão e desenvolve proteína na urina.

Sinônimos

Hipertensão induzida pela gravidez

Causas

A causa exata da pré-eclâmpsia ainda é desconhecida. As possíveis causas incluem:

A pré-eclâmpsia ocorre em uma pequena porcentagem das gestações. Os fatores de risco incluem:

  • Primeira gestação
  • Gestação múltipla (gêmeos ou mais)
  • Obesidade
  • Idade superior a 35 anos
  • Histórico anterior de diabetes, hipertensão ou doença renal

Exames

O médico realizará um exame físico e solicitará testes laboratoriais. Possíveis sinais de pré-eclâmpsia:

  • Hipertensão, geralmente maior do que 140/90 mmHg
  • Proteína na urina (proteinúria)

O exame físico também pode indicar:

  • Inchaço nas mãos e no rosto
  • Ganho de peso

Também serão realizados exames de sangue e de urina. Os possíveis resultados anormais incluem:

  • Proteína na urina (proteinúria)
  • Nível de enzimas hepáticas mais alto do que o normal
  • Contagem de plaquetas inferior a 100.000 (trombocitopenia)

O médico também solicitará outros testes para verificar a coagulação do sangue e monitorar a saúde do bebê. Alguns testes que monitoram o bem-estar do bebê incluem ultrassom de gravidez, teste sem estresse e perfil biofísico. Os resultados desses testes ajudarão o médico a decidir se o parto do bebê precisa ser realizado imediatamente.

As mulheres que, no início da gestação, tinham pressão arterial muito baixa, mas apresentaram um aumento significativo, precisam ser monitoradas cuidadosamente para verificar a ocorrência de outros sinais de pré-eclâmpsia.

Sintomas

Sintomas de Pré-eclâmpsia

Geralmente, as mulheres diagnosticadas com pré-eclâmpsia não se sentem doentes.

Possíveis sintomas da pré-eclâmpsia:

  • Inchaço nas mãos e rosto/olhos (edema)
  • Mais de um quilo por semana
  • Ganho de peso súbito em um ou dois dias

Observação: apresentar um pouco de inchaço nos pés e tornozelos é considerado normal durante a gravidez.

Sintomas de pré-eclâmpsia mais grave:

  • Dor de cabeça constante ou latejante que não desaparece
  • Dor abdominal, sentida principalmente no lado direito, abaixo das costelas. Também é possível sentir dor no ombro direito ou confundi-la com azia, dor na região da vesícula biliar, vírus estomacal ou chutes do bebê
  • Agitação
  • Diminuição da quantidade de urina, não urinar com muita frequência
  • Náusea e vômito (sinal preocupante)
  • Alterações na visão, como perda temporária da visão, sensação de luzes piscando, auras, sensibilidade à luz, manchas e visão embaçada

Buscando ajuda médica

Consulte seu médico se você apresentar sintomas de pré-eclâmpsia durante a gravidez.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Pré-eclâmpsia

A única forma de curar a pré-eclâmpsia é realizar o parto do bebê.

Se o bebê já estiver bem desenvolvido (geralmente com 37 semanas ou mais), o médico pode optar pelo parto para que a pré-eclâmpsia não piore. A gestante pode receber diferentes tratamentos para ajudar a iniciar o trabalho de parto ou pode ser necessário realizar uma cesariana.

Se o bebê não estiver totalmente desenvolvido e a pré-eclâmpsia não for grave, a doença geralmente pode ser controlada em casa até que o bebê tenha uma boa chance de sobreviver após o parto. As possíveis recomendações médicas para isso são:

  • Repouso absoluto, deitada sobre o lado esquerdo o tempo todo ou a maior parte do tempo
  • Beber bastante água diariamente e reduzir o consumo de sal
  • Realizar consultas mais frequentes com o médico para garantir que você e o bebê estão bem
  • Tomar medicamentos para diminuir a pressão arterial (em alguns casos)

Procure o médico imediatamente se você ganhar mais peso ou apresentar novos sintomas.

Em alguns casos, a gestante com pré-eclâmpsia é internada em um hospital para que a equipe médica possa monitorar cuidadosamente a mãe e o bebê.

O tratamento pode incluir:

  • Medicamentos administrados por via intravenosa para controlar a pressão arterial e evitar convulsões e outras complicações
  • Injeções de esteroide (após 24 semanas) para ajudar a acelerar o desenvolvimento dos pulmões do bebê

Você e o médico continuarão discutindo o melhor momento para realizar o parto do bebê, levando em consideração:

  • A proximidade da data prevista para o nascimento. Quanto mais avançada estiver a gravidez antes do parto, melhor será para o bebê.
  • A gravidade da pré-eclâmpsia. A pré-eclâmpsia pode causar muitas complicações graves para a mãe.
  • A situação do bebê dentro do útero.

O parto do bebê deve ser realizado se você apresentar sinais de pré-eclâmpsia grave, como:

  • Exames (ultrassom, perfil biofísico) que mostram que o bebê não está se desenvolvendo bem ou não está recebendo a quantidade adequada de sangue e oxigênio
  • O valor mais baixo de pressão arterial apresentado pela mãe for superior a 110 mmHg ou for maior do que 100 mmHg continuamente durante 24 horas
  • Exames alterados da função hepática
  • Dor de cabeça intensa
  • Dor abdominal
  • Eclâmpsia
  • Líquido nos pulmões da mãe (edema pulmonar)
  • Síndrome de HELLP
  • Baixa contagem de plaquetas (trombocitopenia)
  • Diminuição da função renal (pequena quantidade de urina, grande quantidade de proteína na urina, aumento no nível de creatinina no sangue)

Convivendo (prognóstico)

Expectativas

Geralmente, a hipertensão, a proteína na urina e os outros efeitos da pré-eclâmpsia desaparecem por completo em até seis semanas após o parto. Entretanto, em alguns casos a hipertensão piora nos primeiros dias após o parto.

Uma mulher com histórico de pré-eclâmpsia corre o risco de apresentar a doença novamente em futuras gestações. Geralmente, ela não é tão grave como na primeira gravidez.

As mulheres que apresentaram problemas de hipertensão em mais de uma gravidez têm mais chances de apresentar hipertensão ao envelhecer.

A morte da gestante por pré-eclâmpsia é rara nos Estados Unidos. O risco de morte do bebê depende da gravidade da doença e da prematuridade do bebê quando ele nasce.

Complicações possíveis

A pré-eclâmpsia pode se transformar em eclâmpsia se a mãe tiver convulsões. Podem ocorrer complicações para o bebê se o parto for realizado de forma prematura.

Outras possíveis complicações graves para a mãe:

  • Problemas de hemorragia
  • Separação prematura da placenta e do útero antes do nascimento do bebê (descolamento da placenta)
  • Ruptura do fígado
  • Derrame
  • Morte (raramente)

Entretanto, essas complicações não são comuns.

A pré-eclâmpsia grave pode causar a síndrome de HELLP.

Prevenção

Prevenção

Embora não exista uma forma conhecida de evitar a pré-eclâmpsia, é importante que todas as gestantes comecem o pré-natal cedo e continuem realizando os exames até o fim da gravidez. Isso permite que o médico descubra e trate doenças como a pré-eclâmpsia o mais cedo possível.

Um pré-natal adequado é essencial. Em todas as consultas, o médico examinará seu peso, pressão arterial e urina (por meio de um teste com fita reativa) para verificar se você apresenta pré-eclâmpsia.

Assim como em qualquer gestação, uma boa dieta pré-natal com vitaminas, antioxidantes, minerais e os grupos básicos de alimentos é muito importante. Também é essencial diminuir a ingestão de alimentos processados e açúcares refinados e cortar completamente a cafeína, o álcool e todos os medicamentos não receitados por um médico. Converse com seu médico antes de tomar qualquer suplemento, incluindo fórmulas fitoterápicas.

Fontes e referências

  • Sibai BM. Hypertension. In: Gabbe SG, Niebyl JR, Simpson JL, eds. Obstetrics - Normal and Problem Pregnancies. 5th ed. Philadelphia, Pa: Elsevier Churchill Livingstone; 2007:chap 33.
  • Cunnigham FG, Leveno KL, Bloom SL, et al. Hypertensive disorders in pregnancy. In: Cunnigham FG, Leveno KL, Bloom SL, et al, eds. Williams Obstetrics. 22nd ed. New York, NY; McGraw-Hill; 2005:chap 34.
ADAM logo

A.D.A.M., Inc. A reprodução ou distribuição das informações aqui contidas é estritamente proibida.
As informações aqui fornecidas não poderão ser usadas durante nenhuma emergência médica, nem para o diagnóstico ou tratamento de doenças. Um médico licenciado deverá ser consultado para o diagnóstico ou tratamento de todas as doenças. Ligue para 192 em caso de emergências médicas. Os links para outros sites são fornecidos apenas a título de informação e não constituem um endosso a eles.

Este conteúdo ajudou você?
Sim Não

Mais Sobre

carregando...

Mais sobre

  • já ajudou pessoas