Sepse

Visão Geral

O que é Sepse?

Sepse é uma condição com risco de vida, que ocorre quando um agente infeccioso - tais como bactérias, vírus ou fungo - entra na corrente sanguínea de uma pessoa. A infecção afeta todo o sistema imunitário, o que então desencadeia uma reação em cadeia que podem provocar uma inflamação descontrolada no organismo. Esta resposta de todo o organismo à infecção produz mudanças de temperatura, da pressão arterial, frequência cardíaca, contagem de células brancas do sangue e respiração. As formas mais graves de sepse também podem causar uma disfunção de órgãos ou o chamado choque séptico. A sepse requer cuidados médicos imediatos.

Antigamente era conhecida como septicemia ou infecção generalizada, na verdade, trata-se de uma inflamação generalizada do próprio organismo contra uma infecção que pode estar localizada em qualquer órgão. Essa inflamação pode levar a parada de funcionamento de um ou de mais órgãos, com risco de morte quando não descoberta e tratada rapidamente. Atualmente a sepse é a principal causa de mortes nas unidades de terapia intensiva (UTI). A sepse mata mais do que o infarto do miocárdio e do que alguns tipos de câncer. O nosso país tem uma das mais altas taxas de mortalidade do mundo pela sepse. Estima-se que 400 mil novos casos são diagnosticados por ano e 240 mil pessoas morrem anualmente.

Causas

Embora qualquer tipo de infecção - bacteriana, viral ou fúngica – possa causar sepse, as variedades mais prováveis incluem:

  • Pneumonia
  • Infecção abdominal
  • Infecção renal
  • Infecção da corrente sanguínea (bacteremia).

A incidência de sepse parecem estar aumentando em alguns países do mundo. As causas deste aumento podem incluir:

  • Envelhecimento da população
  • Bactérias resistentes aos medicamentos
  • Sistemas imunitários enfraquecidos causados por doenças que reduzem a imunidade tipo HIV, neoplasias e outras.

Fatores de risco

A sepse é mais comum e mais perigosa se o paciente:

  • É muito jovem ou muito velho
  • Tem um sistema imunológico comprometido
  • Está muito doente, muitas vezes em unidade de terapia intensiva (UTI)
  • Tem feridas ou lesões, como queimaduras
  • Tenha dispositivos invasivos, tais como cateteres intravenosos ou tubos respiratórios
  • Prematuros
  • Crianças abaixo de um ano
  • Idosos acima de 65 anos
  • Pacientes com câncer, soropositivos ou que fizeram uso de quimioterapia ou outros medicamentos que afetam as defesas do organismo
  • Pacientes com doenças crônicas como insuficiência cardíaca, insuficiência renal e diabetes
  • Usuários de álcool e drogas
  • Pacientes hospitalizados que utilizam antibióticos, cateteres ou sondas.

MAS ATENÇÃO: Qualquer pessoa pode ter sepse.

Sintomas

Sintomas de Sepse

A sepse pode ser encarada como uma síndrome em três fases, começando com sepse e progredindo para sepse grave e choque séptico. O ideal é tratar a sepse durante a sua fase inicial, evitando seu agravamento.

Para ser diagnosticado com sepse, você deve apresentar pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas (síndrome de resposta inflamatória sistêmica):

  • Temperatura do corpo acima de 38°C ou abaixo de 36°C
  • Frequência cardíaca maior que 90 bpm
  • Frequência respiratória superior a 20 irpm.

Associado a foco infecioso presumido ou instalado o diagnóstico de Sepse esta estabelecido.

Caso exista disfunção em mais do que dois órgãos abaixo estaremos diante da sepse grave:

  • Diminuição significativa da produção de urina
  • Mudança abrupta no estado mental
  • Diminuição do número de plaquetas
  • Dificuldade em respirar.

Para ser diagnosticado com choque séptico, é necessário disfunção orgânica estabelecida para sepse grave e pressão arterial extremamente baixa, que não respondem adequadamente a infusão de líquidos (soro).

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Na maioria das vezes a sepse ocorre em pessoas que estão hospitalizadas. As pessoas na unidade de cuidados intensivos são especialmente vulneráveis a desenvolver infecções, que podem levar à sepse.

Qualquer tipo de infecção, leve ou grave, pode evoluir para sepse. As mais comuns são a pneumonia, infecções na barriga e infecções urinárias. Por isso quanto menor o tempo com infecção, menor a chance de surgimento da sepse. Para tal, o tratamento rápido das infecções é uma estratégia que deve ser adotada. Se um paciente pegar uma infecção ou desenvolver sinais de sepse após uma cirurgia, hospitalização ou infecção, é necessário procurar assistência médica imediatamente.

Diagnóstico de Sepse

A infecção é geralmente confirmada por um exame de sangue. Entretanto, o exame de sangue pode não revelar a infecção em pessoas que estiveram recebendo antibióticos. Os exames de sangue que podem ser feitos incluem:

  • Gasometria arterial
  • Exames de função renal
  • Contagem de plaquetas
  • Contagem de leucócitos
  • Diferencial sanguíneo
  • Produtos de degradação da fibrina
  • Lactato
  • Culturas.

Dependendo de seus sintomas, podem ser feitos outros exames, como:

  • Exame de urina
  • Coleta de amostras de infecções e feridas
  • Análise de secreções respiratórias
  • Raio-x
  • Tomografia computadorizada
  • Ultrassonografia
  • Ressonância magnética.

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Sepse

Quando feito no início, o tratamento pode aumentar as chances de o paciente sobreviver à sepse. Pessoas com sepse grave e choque séptico requerem uma estreita vigilância e tratamento em uma UTI do hospital e podem ser necessárias medidas de salvamento para estabilizar as funções orgânicas.

Alguns medicamentos são usados no tratamento de sepse. Eles incluem:

  • Antibióticos
  • Medicações para elevar a pressão arterial
  • Baixas doses de corticosteroides
  • Insulina para ajudar a manter os níveis de açúcar no sangue estável.

Caso existam focos de infecção uma cirurgia pode ser necessária para remover as fontes de infecção, tais como abscessos.

Convivendo (prognóstico)

Complicações possíveis

  • Morte
  • Alteração na coagulação do sangue
  • Problemas na irrigação dos órgãos vitais (cérebro, coração, rins)
  • Disfunções orgânicas graves.

Expectativas

A sepse normalmente envolve risco de morte, sobretudo em pessoas com o sistema imunológico debilitado ou com uma doença crônica.

Prevenção

Prevenção

O risco de sepse pode ser reduzido, principalmente em crianças, respeitando-se o calendário de vacinação. Uma higiene adequada das mãos e cuidados com o equipamento médico podem ajudar a prevenir infecções hospitalares que levam à sepse.

O risco de sepse pode ser diminuído, principalmente em crianças, respeitando-se o calendário de vacinação. Uma higiene adequada das mãos e cuidados com o equipamento médico podem ajudar a prevenir infecções hospitalares que levam à sepse. Mas atenção: sepse não acontece só por causa de infecções hospitalares. Assim, bons hábitos de saúde podem ajudar. Outra dica importante é evitar a automedicação e o uso desnecessário de antibióticos.

Fontes e referências

  • Revisado por: Marcelo Maia, médico intensivista e coordenador médico do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Santa Luzia, em Brasília
  • Instituto Latino Americano da Sepse
  • Levy MM, Dellinger RP, Townsend SR, et al; Surviving Sepsis Campaign: International Guidelines for Management of Severe Sepsis and Septic Shock: 2012. Crit Care Med February 2013, Volume 41 , Number 2.
Este conteúdo ajudou você?
Sim Não