Conheça 15 tipos de DSTs e como preveni-las

Doenças relativamente novas, como ebola e Mycoplasma genitalium, também podem ser transmitidas pelo sexo

POR JÉSSIE PANEGASSI - ATUALIZADO EM 24/10/2016

Ao contrário do que parece, muitas vezes, as doenças sexualmente transmissíveis (DST) não são propagadas apenas por sexo - outros tipo de contato, como o beijo e o toque no local, também podem passar algumas delas. Certos tipos de DST têm cura e a realização do tratamento correto faz toda a diferença para a saúde de quem está ou tem o problema, assim como para os seus parceiros. Além disso, as DST vão muito além do HIVgonorreiae candidíase, que são bastante conhecidos. Estudos recentes indicam que mesmo o ebola pode ser uma doença transmitida através do sexo, além do Mycoplasma genitalium, que nem sempre causa sintomas e os especialistas acreditam que grande parte da população o possui sem saber. Conheça os tipos de DST e como se prevenir de cada um deles:

HPV

O que é: HPV é a sigla para papiloma vírus humano. Ele infecta a uma camada do epitélio - parte interna da bexiga - que pode causar lesões benignas, como as verrugas genitais, e malignas como alguns tipos de câncer, sendo o câncer de colo de útero e o câncer de anus os mais comuns. Existem mais de cem tipos de HPV e a grande maioria não causa câncer ou grandes complicações, uma vez que são combatidos pelo próprio organismo.


Formas de contágio: O HPV é transmitido pelo contato direto com a pele ou mucosa infectada pelo vírus, sendo que a principal forma é a sexual, seja oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital. Por isso não é preciso ter penetração para se contrair o vírus. Também é possível que seja transmitida durante o parto. De acordo com dados do INCA, 80% das mulheres sexualmente ativas serão infectadas por um ou mais tipos do vírus ao longo da vida, sendo que este número é ainda maior em homens. A maioria destas infecções é transitória, ou seja, combatida espontaneamente pelo corpo e regride entre seis meses ou dois anos após a exposição.

Como prevenir: "O uso de preservativos é sempre indicado, mas não previne totalmente contra a transmissão do HPV, uma vez que este pode ser transmitido pelo contato mais superficial durante as preliminares. Daí a importância da vacina como estratégia preventiva. Existem dois tipos de vacinas disponíveis, e ambas devem ser aplicadas em três doses. A idade preferencial para o uso da vacina é a pré-puberal, ou seja, logo antes da idade sexualmente ativa, tanto em meninas quanto em meninos", diz Otelo Rigato Júnior, infectologista, do Hospital Sírio Libanês. O Papanicolau também é importante para detectar a doença precocemente. Saiba mais sobre HPV

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.