PUBLICIDADE

Antes de morrer, órfã deixa carta para voluntária que a visitava no hospital

Voluntário divulgou a carta nas redes sociais e fez um apelo para que os pais não abandonem seus filhos

Júlia, de oito anos de idade, morreu de leucemia na última quarta-feira (9). Já ciente da impossibilidade de sua recuperação, ela deixou uma carta de despedida para Gabriella Pereira, voluntária que a visitava frequentemente em um hospital de São Paulo. Utilizando sua pequena agenda da Branca de Neve, a menina fez um texto de cinco páginas agradecendo Gabriella por ser a única pessoa que lhe acolheu em seus últimos momentos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Como as duas se conheceram

Antes de adoecer, a menina morava em um orfanato em carapicuíba. Foi nesse local que ela conheceu Gabriella. Desde então, Júlia recebia visitas da bancária ao menos três vezes por semana.

Segundo a voluntária, Júlia era a única criança que não recebia visitas de familiares. Por isso, ela preparou a documentação e iniciou o processo de adoção. Gabriella afirmou em um post no Facebook que a menina era a melhor criança que alguém poderia conhecer.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Planos não concretizados

"Você é a minha melhor amiga e eu queria que você fosse a minha mãe. Pedi para o papai do céu me fazer sarar, porque aí você ia arrumar os documentos e me adotar", escreveu Júlia. Quando Gabriella soube da morte da menina, não foi capaz de ler a carta. Ela precisou da ajuda de sua irmã, que narrou o texto.

"O que ela mais queria era ter uma mãe. Pena que não deu tempo", desabafa a bancária. Durante o tratamento da doença, Júlia ficou careca. Por isso, Gabriella cortou os cabelos para que a menina pudesse ter uma peruca.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

A voluntária afirma que chorou muito com a notícia da morte da menina, entretanto, acreditou que seria egoísmo reclamar, já que ela havia pedido a Deus que o sofrimento de Júlia terminasse.

Repercussão

Um dia após a morte da menina, a bancária publicou a carta nas redes sociais, além de um desabafo sobre o acontecimento. Até agora, o post foi curtido 82 mil vezes e compartilhado por 38 mil pessoas. Você pode acessar a postagem aqui.

Carta de júlia na íntegra

"Quero pedir obrigado por me conhecer por vir me ver e por me dar o video game que te pedi, eu sabia que era muito caro e para comprar o video game precisa vender uma casa, mesmo assim você me deu. Obrigada pela sandália de salto que me deu e por trazer aquele lanche que eu sempre vi na TV. Obrigada por vir me ver no meu aniversário e trazer o sorvete de morango.

Você é a minha melhor amiga e eu queria que você fosse a minha mãe, pedi para o papai do céu me fazer sarar, porque ai você ia arrumar os documentos e me adotar. Você disse que ia ser difícil, mas eu ia pedir para o juiz deixar você ser a minha mãe, e ele ia deixar, porque você já é grande e até dirige um carro.

Quando eu crescer quero ser bonita igual você! Também quero dizer na sua carta que eu amei que colocou bexigas no meu aniversário e levou até brigadeiro.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Tia Gabi eu te amo e estou pintando as bolinhas do calendário igual você disse e só falta duas fileiras para o dia do seu aniversário, mas estou muito doente e com dor. Por isso, se eu for morar com o papai do céu, não fica triste, porque eu te amo e só você é a minha melhor amiga.

Júlia".