PUBLICIDADE

Bebê prematuro: características, cuidados e desenvolvimento

Visão Geral

O que é Bebê prematuro?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) bebê prematuro, que também pode ser chamado de pré-termo, é quem nasce antes de 37 semanas de gestação completas.

PUBLICIDADE

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O bebê prematuro é classificado de acordo com a idade gestacional:

Quanto mais prematuro o bebê, maiores são os riscos para sua saúde pois é possível que a criança não tenha se desenvolvido completamente. Mas, com os constantes avanços da medicina e os cuidados especiais dedicados aos prematuros, as chances deles se desenvolverem normalmente são cada vez mais altas.

Características do bebê prematuro

O bebê prematuro apresenta dificuldades em manter o calor do corpo além de poder apresentar outras complicações como as respiratórias, reflexos de sucção e deglutição deficientes, o que traz dificuldade para a alimentação. Além disso, alguns bebês podem apresentar retinopatia, problemas neurológicos e autismo.

No entanto, essas características variam de acordo com o grau de prematuridade da criança.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Últimas perguntas sobre Bebê prematuro

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Bebê prematuro

Em geral, a criança que nasceu muito prematura deverá ficar na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) com aparelhos que permitam acompanhar a evolução de sua saúde. Nesse local, ele será exposto aos seguintes procedimentos:

O bebê prematuro na UTIN deverá ser atendido pelos seguintes profissionais, dentre outros

Os médicos observarão a condição de cada criança e buscarão a melhor forma de cuidar dela. Para avaliar a condição de saúde do bebê, os profissionais poderão pedir alguns exames, como:

Enquanto o bebê prematuro está na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal você pode fazer uma série de perguntas, como por exemplo

Em geral, o bebê pode ir para casa após atender os seguintes quesitos:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

O bebê prematuro precisa de uma série de cuidados em casa, principalmente nos primeiro meses. Em geral, a equipe médica orientará você sobre como devem ser esses cuidados e é importante que você tire toda e qualquer dúvida com eles. Entender quais são os sintomas que podem significar uma emergência médica também é essencial.

Veja quais são os principais pontos de atenção nos cuidados do bebê prematuro em casa:

Vacinação do bebê prematuro

Os bebês prematuros devem seguir um calendário de vacinação específico, que será orientado pelo pediatra, em geral seguindo a idade cronológica do bebê. Confira o calendário dos prematuros da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

As principais vacinas que o bebê prematuro deve tomar são:

Idade cronológica x idade corrigida

Muitos pais podem ficar em dúvida sobre a idade cronológica e a idade corrigida do bebê prematuro. Esse conceito é importante para avaliação do desenvolvimento do bebê. A explicação é bem simples:

Acompanhamento do bebê prematuro

Os cuidados com o bebê prematuro devem ir além dos prestados na Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal. As visitas ao pediatra e a outros profissionais de saúde que acompanham seu bebê devem ser feitas na frequência correta, que pode chegar a ser semanal ou quinzenal inicialmente. Isso é necessário para que o crescimento e desenvolvimento do bebê prematuro sejam acompanhados adequadamente.

O bebê que nasce antes do tempo pode apresentar alguns problemas no desenvolvimento como:

Se você notar que a criança apresenta algumas dessas dificuldades, converse com o pediatra, que poderá encaminhar para um especialista quando necessário.

Complicações possíveis

O bebê prematuro está sujeito a uma série de complicações que aumentam de risco conforme o grau de prematuridade. Veja algumas delas:

Icterícia

É caracterizada pela coloração amarelada da pele e mucosa, provocada pelo excesso de bilirrubina no sangue, um pigmento da bile que permanece no plasma até ser eliminada junto com a urina.

A bilirrubina é formada a partir da morte de alguns glóbulos vermelhos presentes no sangue – o que acontece todos os dias. Essas células sanguíneas mortas são retiradas da circulação pelo fígado, que, a partir daí, forma a bilirrubina, que mais tarde será descartada pelo próprio corpo. No entanto, algumas vezes, pode ocorrer o acúmulo dessa substância no corpo, provocando icterícia.

No bebê prematuro, no entanto, a depender dos níveis de bilirrubina, a icterícia pode gerar complicações como a encefalopatia bilirrubínica, que causa letargia, hipotonia, febre e convulsões. A icterícia é tratada com fototerapia e, em algumas vezes, exsanguineotransfusão.

Retinopatia da prematuridade

Esse problema nos vasos sanguíneos da retina está relacionado não só à prematuridade, como também ao baixo peso ao nascer. Na retinopatia da prematuridade ocorre crescimento desorganizado desses vasos sanguíneos e caso o quadro não seja diagnosticado e tratado adequadamente, pode ocorrer deslocamento da retina e até mesmo cegueira infantil.

Apneia

Apneia é a pausa respiratória superior a 20 segundos e, no caso do bebê prematuro, pode ocorrer porque o sistema respiratório não está desenvolvido o suficiente ou devido a outras complicações da prematuridade, como convulsões. A apneia pode causar sequelas no sistema nervoso central.

Problemas cardiovasculares

Bebês prematuros podem ter problemas de hipotensão, que é a pressão arterial baixa, e persistência do canal arterial, ou seja, o duto arterioso que liga o coração à aorta não se fecha após o nascimento permanecendo o padrão de circulação fetal. O duto pode se fechar posteriormente sozinho, mas não tratar essa condição pode causar falência do coração.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Causas

O que pode causar o parto prematuro

O nascimento de um bebê prematuro pode ocorrer por vários fatores, que, em geral, estão ligados à condição de saúde da mãe. Entre eles, podemos destacar:

No entanto, algumas condições do bebê também podem levar ao nascimento prematuro. Confira algumas delas:

[object HTMLInputElement]

Fatores de risco

Alguns fatores podem aumentar o risco de prematuridade. Conheça alguns deles e como evitá-los:

Tabagismo

O fumo prejudica a circulação uteroplacentária na mulher grávida, o que causa uma menor oxigenação fetal. A diminuição do oxigênio que chega ao bebê faz com seu crescimento se torne mais restrito, gerando uma interrupção prematura da gestação, ou seja, a mulher entra em trabalho de parto antes da hora. Além disso, o tabaco reduz a inativação de um fator que está envolvido no início e na manutenção do trabalho de parto, adiantando todo o processo. O fumo é um fator de risco para o parto prematuro quando continuado ao longo dos nove meses.

Desnutrição

Futuras mães que não se alimentam de forma adequada durante a gravidez também correm o risco de ter um parto prematuro, principalmente se desenvolverem anemia durante este período. Ao consumir poucos nutrientes essenciais, não só a mulher se prejudica, como também pode haver uma restrição do crescimento do feto. Isso aumenta o risco de sofrimento fetal o que leva à interrupção da gestação antes do tempo.Uma alimentação balanceada rica em ácido fólico, ferro e micronutrientes são considerados essenciais para a saúde da gestante e do feto.

Obesidade

Mulheres obesas apresentam gestação de maior risco. Neste caso, o dano é maior quando elas já apresentam o índice de massa corporal (IMC) muito acima do aconselhado antes da gravidez. Há maior risco de existirem quadros como diabetes e hipertensão arterial, que contribuem para a prematuridade. A alta da pressão arterial, por exemplo, causa um envelhecimento precoce da placenta, impedindo a chegada dos nutrientes para o bebê.

Álcool

O consumo de bebida alcoólica durante a gravidez pode ter relação com o nascimento antes do tempo. Além disso, pode também causar malformações e prejuízos no desenvolvimento do bebê. O álcool é passado diretamente para o feto através da placenta. Isso significa que o feto terá a mesma concentração sanguínea de álcool que a sua mãe.

Estresse

Hábitos que cultivam o estresse aumentam o risco do trabalho de parto prematuro devido aos hormônios liberados por esse quadro emocional. A elevação da noradrenalina e do cortisol, que está presente nesses casos podem desencadear contrações uterinas antes da hora. Por isso, vale a pena combater esse mal, encontrando pausas de descanso, praticando atividade física e cuidando da saúde mental.

Desidratação

A desidratação durante a gravidez pode levar a algumas complicações incluindo defeitos do tubo neural, baixa produção de líquido amniótico, produção inadequada de leite materno e até mesmo parto prematuro. Beber muita água, de 8 a 12 copos por dia, é recomendado para evitar a desidratação.

Abuso de açúcar

Durante a gestação, a placenta produz hormônios que bloqueiam, em parte, a ação da insulina no corpo, hormônio que atua na redução da glicose do sangue. Isso pode gerar um quadro chamado de diabetes gestacional, que está ligado também a partos prematuros.Esse excesso de glicose gera um aumento do crescimento fetal e da produção de líquido amniótico, o que também pode causar complicações.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Referências

Jorge Huberman, pediatra e neonatologista (CRM-SP 34.486)

Silvia Herrera, ginecologista, obstetra e coordenadora de medicina fetal do Salomão Zoppi Diagnósticos (CRM-SP 107.923)

Roberto Eduardo Bittar, professor associado do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da USP (CRM-SP 39.632)

Sociedade Brasileira de Imunizações

Sociedade Brasileira de Pediatria

Mayo Clinic

XXS - Associação Portuguesa de Apoio ao Bebé Prematuro

Organização Mundial da Saúde (OMS)

Ministério da Saúde

Sociedade Brasileira de Pediatria

The Journals of Pediatrics

Sociedade Brasileira de Imunizações

Associação Brasileira de Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros

Vaccine Knowledge Project

Pastoral da Criança