PUBLICIDADE

Sete dicas para incentivar seu filho a sonhar e realizar

Se interessar pelos sonhos de seu pequeno é importante para a autoestima

Toda pessoa precisa sonhar com o futuro e, mais do que isso, pensar em formas de realizar esses sonhos. Mas o que isso tem a ver com autoestima dos filhos? "Esse é um parâmetro para ver se seu filho tem confiança e segurança em si mesmo", explica a psicanalista Joana de Vilhena Novaes, pós-doutora em Psicologia Social (UERJ) e coordenadora do Núcleo de Doenças da Beleza do Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa e Intervenção Social (LIPIS) da PUC-RJ.

Se ele não consegue se visualizar no futuro ou não acredita que possa realizar seus sonhos, provavelmente está se sentindo incompetente por algum motivo, e é importante que o pai esteja mais disponível para oferecer formas de ajudar, mesmo que seja apenas seu apoio. "Os pais têm que estimular desde pequenos as crianças a terem autoestima e fazer com que elas aprendam a planejar o futuro", considera a psicanalista Priscila Gasparini, da Universidade de São Paulo (USP).

Quer ajudar seu filho, mas não sabe por onde começar? Confira a seguir formas de incentivar a capacidade de sonhar e realizar do seu filho.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Pergunte pelos sonhos dele

Pai e filho conversando - Foto: Getty Images
Pai e filho conversando - Foto: Getty Images

Hoje em dia, muitos pais não tem uma relação tão estreita com seus filhos, e por isso acabam não sabendo com o que eles sonham para a vida, nem o que querem no futuro. "O que observamos em consultório é que os pais delegam a função para os professores ou para o terapeuta da criança", considera a psicanalista Joana de Vilhena Novaes, pós-doutora em Psicologia Social (UERJ) e coordenadora do Núcleo de Doenças da Beleza do Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa e Intervenção Social (LIPIS) da PUC-RJ. Mas essa conversa é boa não só para aproximar pais e filhos, mas também para que os pais entendam melhor o que as crianças e adolescentes pretendem realizar no futuro e estimulá-lo a ir atrás disso.

Ajude-o a traçar rotas

Mãe e filho com um mapa - Foto: Getty Images
Mãe e filho com um mapa - Foto: Getty Images

Interessar-se é o primeiro passo, depois a ideia é que os pais entrem como orientadores da criança, apontando bons caminhos, por exemplo. "O planejamento é uma etapa importante, e os pais devem ensinar isso e mostrar como tudo pode ser conseguido dentro de um prazo", comenta a psicanalista Priscila Gasparini, da Universidade de São Paulo (USP). Assim a criança começa a ter a noção real de como ela sempre precisará se organizar para chegar a um determinado objetivo.

Colabore, mas não assuma o controle

Mãe querendo controlar a filha na internet - Foto: Getty Images
Mãe querendo controlar a filha na internet - Foto: Getty Images

Os pais devem estar sempre disponíveis para ajudar e direcionar a criança, mas sem tomar as decisões por ela. "Ele deve orientar, mas nunca escolher, o ideal é que ele mostre quais são as alternativas, o que pode acontecer em cada uma delas e deixar a criança decidir o melhor, sempre oferecendo o apoio", ensina Priscila. O problema de tomar as atitudes no lugar da criança é que você não a deixa progredir. "Isso infantiliza a criança e retarda seu processo de formação, e pode torná-la mimada, frágil e intolerante à frustração", enumera Joana.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Deixe-o arriscar

Pai ensinando o filho a andar sozinho de bicicleta - Foto: Getty Images
Pai ensinando o filho a andar sozinho de bicicleta - Foto: Getty Images

Impedir a criança de assumir riscos também pode ser prejudicial. "Muitas crianças na verdade acabam temendo uma situação por que os pais passam esse medo para elas", considera Joana. Um exemplo claro é a mãe ou o pai que tem tanto medo do mar, que não deixa a criança entrar, por mais que a água esteja calma. O risco é importante para que a criança aprenda com seus erros. Mas é claro, vale a pena interferir se a consequência do ato for muito séria. "O papel dos pais é orientar e observar: em casos que envolvem a saúde ou uso de álcool e drogas, eles devem se impor e impedir a criança ou adolescente de continuar", pondera Priscila.

Mostre que existem obstáculos

Mãe consolando a filha chorando - Foto: Getty Images
Mãe consolando a filha chorando - Foto: Getty Images

É importante também sinalizar para a criança e jovem que muitas vezes ele encontrará obstáculos no caminho. Ele pode apontar quais são eles e até ensinar o jovem a ultrapassá-los, mas nada de resolver por eles. "O que é conquistado muito fácil não tem valor, por isso os pais não podem facilitar muito a realização do objetivo", explica Priscila. No futuro, ele com certeza enfrentará situações em que ninguém mais poderá intervir, logo ele precisa estar preparado. "O pais podem apenas mostrar que estão ali para ajudar e apoiar sempre que preciso", acrescenta Joana. "Afinal, a autonomia é diferente da solidão", finaliza a especialista.

Estimule-o a recomeçar

Pai e filho consertando uma pipa - Foto: Getty Images
Pai e filho consertando uma pipa - Foto: Getty Images

A vantagem dos obstáculos e dos fracassos nos projetos é que eles nos ensinam algo para recomeçar, e é importante que os pais mostrem para eles a importância de seguir em frente apesar dos revezes. "Vale sinalizar que a partir disso ele vai aprender com o erro e depois ele fará suas atividades melhor", acredita Priscila. Para Joana, vale a pena também que os pais mostrem ao filho que eles mesmos já tiveram fracassos, pois a criança tende a idealizar os pais e isso os ajuda a ver que todos são passíveis de erros.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Persiga também os seus sonhos

Realizando um sonho - Foto: Getty Images
Realizando um sonho - Foto: Getty Images

O exemplo também é positivo, principalmente ao contar e mostrar seus acertos também. "A criança se identifica com o pai e a mãe e copia seus modelos, tenta sempre fazer parecido com os pais", contextualiza Priscila. "Portanto, se o pai é ativo, o filho tentará ser também", finaliza. Isso pode ser importante, por exemplo, quando a meta da criança ou adolescente é perder peso, afinal é possível que os pais também estejam acima do peso também. Se todos tentarem emagrecer juntos, isso cria uma motivação maior.