PUBLICIDADE

Pais rígidos fazem crianças mentirem mais, diz estudo

Segundo pesquisadores, as crianças desenvolvem essa habilidade por medo da punição

Descubra o poder de um sorriso.
Participe da newsletter

Preencha os campos* abaixo.
X

*Ao concluir, você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber novidades do Minha Vida e seus parceiros.

Cadastro efetuado com sucesso!

Um estudo recente, liderado por Victoria Talwar, da Universidade McGrill, no Canadá, mostrou que crianças criadas e educadas de uma forma muito rígida, seja pelos pais ou até mesmo na escola, possuem tendência a se tornarem mentirosas.

Para realizar esta pesquisa, Talwar e outros estudiosos desenvolveram um teste realizado em escolas na África, no qual os alunos tentavam adivinhar quais eram os sons vindos de trás de uma cortina. Em determinado momento, o supervisor saía da sala e, ao retornar, questionava se as crianças tinham espiado qual era a sequência de objetos.

Segundo a pesquisa, o "índice de mentira" foi considerado dentro dos padrões em jovens criados em ambientes relaxados. Já os que vivem em ambientes mais severos foram extremamente rápidos e eficazes ao inventar uma mentira.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Quando elas inventam, não é um sinal de que estão no caminho da delinquência, mas de que elas estão desenvolvendo habilidades psicológicas importantes", assegurou Talwar, explicando que as crianças aprendem a mentir de maneira mais fácil por medo da repreensão.

De acordo com o estudo, crianças de aproximadamente 2 anos contam "mentiras primárias" para esconder ações erradas, sem pensar nas consequências, e são pouco convincentes. Aos 4 anos, contam "mentiras secundárias", com um pouco mais de esforço. Entre os 7 e 8 anos, contam as "mentiras terciárias", fundindo fatos reais para criarem histórias mais plausíveis.