"Pais-helicóptero": Ser super-controlador com seu filho pode prejudicá-lo no futuro

Estudo comprovou que controlar demais o que os filhos devem fazer pode gerar a ele problemas emocionais na pré-adolescência

Quando você é pai ou mãe, tudo o que quer é poupar o filho de qualquer sofrimento. No entanto, controlar demais o que ele faz pode podar sua capacidade de tomar as próprias decisões e aprender com suas consequências. Um estudo feito nos Estados Unidos descobriu que pais super-controladores com os filhos pequenos geram prejuízos emocionais até a pré-adolescência.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O estudo acompanhou 422 crianças por 8 anos, fazendo testes aos 2, 5 e aos 10 anos. As crianças cujos pais se mostraram super-controladores aos 2 anos apresentaram menor capacidade de regular as próprias emoções e comportamento mais tarde, aos 5.

Já na pré-adolescência, essas crianças que tinham um pai e uma mãe super-controladores tinham mais problemas emocionais e na escola, bem como menor habilidade social.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Para chegar às conclusões, o estudo acompanhou estas crianças e pais em casa, instruindo-os a agir como no dia a dia e depois a brincar juntos. Além disso, os pesquisadores também pediram para que os professores destes pré-adolescentes fizessem relatos de suas habilidades acadêmicas e sociais na escola aos 5 e aos 10 anos.

Será que sou um "pai-helicóptero"?

A líder da pesquisa, Nicole B. Perry, da Universidade de Minnesota, resume os pais com essas atitudes controladoras como ?pais-helicóptero?. Segundo ela, eles são pais que ficam sempre ao redor dos filhos, constantemente guiando-os e dizendo o que fazer. Outra característica é ser rigoroso e exigente demais com os pequenos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

"Nossa descoberta ressaltam a importância de educar pais sobre a importância de apoiar a autonomia das crianças para lidar com os desafios emocionais", disse Nicole.