Conversar com bebês pode ajudar a formar adolescentes inteligentes

Estudo descobriu que quanto maior o número de diálogos com os pequenos, melhores eram os resultados em testes 10 anos depois

Você conversa com seu filho bebê? Mesmo parecendo que eles não entendem, até antes de eles poderem responder, falar com os pequenos pode ser importante para toda a vida. Um estudo descobriu que as crianças que tinham mais diálogos com adultos apresentavam melhores resultados em testes de inteligência e linguagem quando eram adolescentes.

A pesquisa começou em 2006 envolvendo quase 150 famílias norte-americanas, com filhos à época que tinham de 2 a 36 meses (2 anos e meio). Usando um software que analisa a linguagem, os pesquisadores gravaram um dia por mês da rotina destas famílias, durante seis meses. Eles buscavam medir o número de diálogos que envolviam as crianças.

Mais tarde, quando as crianças tinham de 9 a 14 anos, os pesquisadores aplicaram testes de QI, pensamento e linguagem.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

O estudo descobriu que a contagem de diálogos que aconteceram quando as crianças tinham entre 1 ano e meio e 2 anos representou de 14 a 27% de diferenças nestas habilidades testadas.

"Os pais precisam estar cientes da importância de interagir com crianças que são muito jovens e nem necessariamente falam. Quanto mais interação, melhor", disse Jill Gilkerson, diretor de pesquisa em linguagem infantil da Fundação LENA em Boulder, no Colorado, ao site Health Day.

Estimulando o bebê a falar

Há maneiras de estimular o bebê a falar as primeiras palavras. As fonoaudiólogas Debora Befi-Lopes, coordenadora do Departamento de Linguagem da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, Ana Paula Bautzer, da Clínica de Especialidades Integrada e Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas, deram dicas para os pais.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

-Diga sempre a pronúncia correta: Desde os primeiros meses, o bebê tenta imitar o que vê: movimentos de boca, piscadas de olhos, sorrisos, entre outras ações. Com os sons, não é diferente.;Falar da forma natural: Não fique infantilizando a voz quando for falar com o bebê, como falar no diminutivo e em tom mais fino;Olhe para ele e mostre a sua boca: O contato visual é muito importante para estimular a afetividade e serve de incentivo para o bebê se espelhar em você.;Cuidado com a euforia: Quando o bebê começa a balbuciar as primeiras palavras, vale incentivá-lo mostrando que você está contente, mas isso tem limite. Procure deixá-lo confortável, evitando gritar ou chamar a família toda ao menor sinal de balbucio.;Peça ajuda do irmão mais velho: Pedir para o irmão que brinque com o bebê também faz com que o mais velho se sinta importante em vez de excluído. Se o bebê for o primeiro filho, vale a pena procurar o contato com outras crianças.;Não deixe a criança acomodada:Mimar demais prejudica tanto o comportamento quanto o desenvolvimento do bebê. Se tudo o que ele quer está na frente dele toda hora, sem precisar chorar, apontar, tentar balbuciar ou fazer qualquer sinal, não há estímulo para que ele melhore a comunicação.;Brinque bastante: O ato de brincar também é ensinar. O bebê que vive em um ambiente estressante e cheio de tensões pode ter mais dificuldades para se desenvolver de forma saudável.;Desligue rádio, televisão e computador: A competição da fala dos pais com o som de outros aparelhos pode atrapalhar o entendimento e a concentração do bebê.;Aproveite situações da rotina: Aproveite para contar histórias, cantar músicas e dizer o que você está fazendo com ele na hora do banho, de dormir ou em outros momentos do dia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)