Primeiro passeio do bebê: idade certa e cuidados necessários

Pais devem evitar locais com aglomerações e seguir cuidados para as primeiras saídas dos pequenos

Quando o bebê nasce é comum os pais ficarem ansiosos para levá-lo ao seu primeiro passeio. No entanto, como o sistema imunológico deles ainda não está desenvolvido, tirá-lo de casa cedo demais pode ser arriscado para sua saúde.

De acordo com Milena Penna, pediatra do Grupo Perinatal, o primeiro passeio da criança não deve acontecer antes dos dois meses de idade. O ideal é que poucos deslocamentos sejam feitos até essa idade, apenas quando haja necessidade. "As saídas com bebê meses devem se restringir às idas ao pediatra, realização vacinas e teste de triagem neonatal, como o teste da orelhinha e do pezinho", explica a médica, que trabalha com recém-nascidos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

Preparando para o primeiro passeio

Quando o momento chegar, é importante que haja preparação. Na bolsa do bebê, deve haver todo o material de higiene que ele precisa. Além dos itens necessários para a troca, como fraldas, algodão, água e trocador portátil, os pais devem lembrar que, na rua, o clima e a umidade do ambiente são mais instáveis. Por isso, a pediatra recomenda sempre andar com soro fisiológico para o nariz do bebê e as roupinhas adequadas para as temperaturas com que a família pode se deparar durante o dia. "Programação e previsibilidade é uma grande estratégia para um passeio seguro, saudável e sem surpresas desagradáveis", resume Milena.

Se o passeio for mais do que uma passadinha, é necessário verificar se há espaço adequado para que o bebê durma. E esses cuidados valem também para o transporte. No carro, a cadeirinha deve estar na posição mais adequada para o transporte. No carrinho de bebê, o cinto deve ser ajustado de acordo com o seu tamanho.

Riscos de passear com o bebê recém nascido

A recomendação existe porque o sistema imunológico dos pequenos não está completamente treinado para ter contato com certos microorganismos. Essas bactérias e vírus são transmitidas até pelo ar, então apenas evitar que o bebê tenha contato direto com outras pessoas não é eficiente para protegê-lo nessa fase. "Infecções comuns em crianças maiores, como gripes e resfriados, podem ser devastadoras em bebês pequenos, levando a possíveis quadros graves e internações hospitalares", detalha a pediatra.

O maior risco de o bebê entrar em contato com esses microorganismos está em ambientes frequentados por muitas pessoas, principalmente se forem locais fechados. Em casa, a chance é menor, mas a visita ainda pede cuidados. O ideal é que os locais que o recém-nascido frequenta não receba pessoas com gripe ou sintomas como congestão nasal e espirros. Também é importante que o pequeno não fique passando de colo em colo, pois isso aumenta a exposição a esses perigos invisíveis.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)

De acordo com Milena, a poluição das grandes cidades é mais um fator para adiar o primeiro passeio dos pequenos. Ela é nociva para todos, mas consegue ser ainda pior para quem acabou de nascer.

O sol, por sua vez, não é inimigo. Mesmo os recém-nascidos podem receber banhos de sol logo após chegarem em casa, segundo a pediatra. O ideal é que eles durem de 5 a 10 minutos e aconteçam antes das 10h e após as 16h.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DA PUBLICIDADE ;)